Condor-da-Califórnia: seu papel na limpeza

abril 8, 2019
Os condores se comunicam com grunhidos e assobios dirigidos a outros condores. Eles fazem isso em situações sociais e por causa de sua alimentação.

O condor-da-Califórnia é o maior pássaro terrestre da América do Norte. Além disso, ele já dominou os céus do ocidente.

Infelizmente, a espécie declinou durante grande parte do século 20, até que apenas medidas drásticas a salvaram da extinção.

A população de condores-da-Califórnia chegava a apenas 22 indivíduos no mundo, no final da década de 1970. O último grupo de condores de selvagens foi levado ao cativeiro em 1987 para salvar a espécie.

Esforços para reintroduzir os condores começaram em 1992 e continuam até os dias atuais.

Morfologia e habitat do condor-da-Califórnia

Os indivíduos desta grande espécie de abutre americano geralmente medem entre 1,10 m e 1,60 m de comprimento da cabeça à cauda.

Embora haja algum dimorfismo sexual, a diferença no tamanho é mínima. Apesar disso, o macho é maior que a fêmea.

A extensão das asas de um adulto desta espécie pode atingir cerca de três metros. Elas são pretas com manchas brancas.

Além disso, esses animais têm uma cabeça pelada, com pouquíssimas penas. A cor da cabeça varia entre branco, laranja e vinho.

A cabeça pelada do condor-da-Califórnia é uma adaptação em virtude da higiene. Afinal, esses animais comem carne morta e podre.

Na maioria das vezes, eles precisam colocar suas cabeças dentro das carcaças dos animais mortos para se alimentar.

Alimentação do condor-da-Califórnia

Os condores vivem em regiões rochosas e florestais que incluem cânions e montanhas. Eles podem ser encontrados nos desertos do sul da Califórnia central.

Entretanto, seus locais de descanso permanente devem ter falésias rochosas e pedras onde eles possam nidificar.

Hábitos alimentícios

O condor-da-Califórnia tem uma dieta muito pouco atraente para os seres humanos, mas é vital para o ecossistema. Afinal, esses animais fazem parte da equipe de limpeza da natureza. Ou seja, eles desempenham um papel vital no ecossistema ao consumirem animais mortos.

Uma população saudável desses comedores de carniça pode ter um grande impacto no consumo de animais doentes ou decompostos.

Os condores consomem cadáveres e preferem as carcaças de animais grandes, como veados, gado e ovelhas.

No entanto, eles também se alimentam de animais como coelhos e esquilos. Os condores preferem carcaças frescas, embora também comam animais em estágios avançados de decomposição quando necessário.

Os condores podem voar cerca de 20 quilômetros por dia em busca de comida. Eles encontram comida graças à sua acuidade visual.

Indivíduos adultos precisam de até um quilo e meio de carne por dia, embora alguns possam consumir até três quilos por dia.

Estado de conservação

O condor-da-Califórnia está em perigo de extinção. Após vários anos de sucesso em um programa de reprodução em cativeiro em Los Angeles e San Diego. Felizmente, alguns indivíduos foram reintroduzidos na natureza desde a década de 1990.

Condor-da-Califórnia: preservação

Desde então, mais de 120 indivíduos foram reintroduzidos na vida selvagem, mas a taxa de mortalidade deles é alta.

A socialização na vida selvagem de aves criadas em cativeiro é muito difícil. Por isso, a preservação das espécies em cativeiro teve continuidade com um plano de reprodução contínua de longo prazo.

As causas exatas do rápido declínio dos condores-da-Califórnia na última década são incertas. No entanto, alguns fatores que contribuem para o declínio das espécies incluem envenenamento, contaminação química, perda de habitat e recursos alimentares.

O consumo de carne envenenada pelos pecuaristas para pegarem coiotes tem sido a causa de algumas mortes de condores.

Além disso, há também o problema do envenenamento pelo chumbo das balas presentes em animais mortos por fazendeiros.

Hábitos de reprodução do condor-da-Califórnia

O tempo de vida média do condor-da-Califórnia é de 37 anos em cativeiro e 45 na natureza. No entanto, o estágio reprodutivo começa aos seis anos de idade nos mais jovens.

Ao atingirem a plena maturidade, os machos fazem uma dança do acasalamento com as asas abertas e movimentos de cabeça.

Depois que a fêmea aceita a proposta do macho, eles formam casais monogâmicos para a vida toda. Sendo assim, eles colocam um único ovo a cada dois anos.

Além disso, o período de incubação é de aproximadamente 56 dias. Então, os ovos eclodem entre fevereiro e abril.

Os ninhos podem ser encontrados em cavernas próximas a penhascos ou entre lugares rochosos e fendas. Ambos os pais são responsáveis ​​pelo ovo até o nascimento do bebê. Além disso, o filhote permanece com os pais por um ano até deixarem o ninho.