Espécies de abutres na Espanha

julho 2, 2018
Essas aves carnívoras são fundamentais para o meio ambiente, já que, por sua alimentação, comem cadáveres de animais em decomposição. A Península Ibérica é um santuário para estas aves de rapina necrófagas.

Existem várias espécies de abutres na Espanha, o que faz desse país um dos últimos refúgios para aves necrófagas na Europa. O papel do abutre no ecossistema torna a Espanha necessária como um santuário para essas aves, embora ainda haja sérias ameaças.

Estas aves garantem a potabilidade da água e fazem parte do fluxo constante de energia produzida nos ecossistemas: sem os abutres, a decomposição dos cadáveres é lenta e pode levar a contaminação e doenças.

As diferentes espécies de abutres na Espanha são quatro, e todas elas têm uma anatomia que as torna inconfundíveis com o resto das aves de rapina.

Espécies de abutres na Espanha: Abutre-fouveiro

De todas as espécies de abutres na Espanha, o fouveiro (Gyps fulvus) –  foto que abre este artigo – é a mais abundante de todas. Caracteriza-se por uma plumagem castanha e uma cabeça e pescoço sem plumas, que terminam em gola com plumagem esbranquiçada. 

Esta morfologia particular se deve ao fato de ser o necrófago mais especializado em colocar a cabeça no abdômen de grandes cadáveres, de modo que as penas no pescoço são um obstáculo. Este animal pesa nove quilos e ultrapassa dois metros e meio de comprimento e, como a maioria dos abutres, tem um bico forte.

O fouveiro é encontrado em grande parte da Europa, África e Ásia. Estava à beira do desaparecimento junto com outras espécies na Índia, o que causou uma gigantesca crise de saúde, devido ao uso de drogas em bovinos que eram tóxicos para este animal.

Na Espanha, pode ser encontrado na maioria das montanhas, exceto em algumas montanhas costeiras do Mediterrâneo ou em áreas como a Galiza. Mesmo assim, é um pássaro que percorre grandes distâncias e não é raro vê-lo em enclaves atípicos.

Abutre do Egito

O abutre do Egito (Neophron percnopterus) é a menor de todas as espécies de abutres da Espanha. Embora ele tenha grandes populações na África – por isso é conhecido como abutre do Egito – a verdade é que as últimas populações sobreviventes da Europa, estão na Península Ibérica.

Espécies de abutres

Esta ave é muito particular: sua plumagem branca com um acabamento escuro contrasta com sua face amarela, que se funde com o seu bico que parece uma máscara. Seu uso de ferramentas é muito surpreendente: consome carniça e ossos, sobre os quais vai derrubar pedras para quebrá-las.

Abutre-barbudo

Ao contrário do fouveiro, a população de abutres barbudos (Gypaetus barbatus) é muito menor, na Espanha há apenas 100 pares. Apesar de seu pequeno número, continua a ser a população mais saudável da Europa, o que dá uma ideia das perseguições a que essas aves foram submetidas no Ocidente.

Espécies de abutres

Seu nome é devido à sua maneira de obter comida, que alguns consideram uma outra prova do uso de ferramentas em animaisesta ave derruba ossos de uma grande altura para quebrá-los e, assim, obter a medula. 

No nível internacional, é uma espécie que não está ameaçada. Mais uma vez é difícil confundir: de tamanho semelhante ao fulvo, tem uma máscara que começa em seus olhos amarelados. É um animal com tons de creme na cabeça e uma grande abundância de penas em forma de barba, enquanto suas asas são escuras.

Abutre-preto

O senhor das trevas do necrófago europeu é o abutre-preto (Aegypius monachus). Supera todas as espécies em envergadura (distância da ponta de uma asa aberta a outra), porque pode atingir até três metros. Tem uma plumagem preta, com alguns tons de castanho, enquanto o bico é branco com uma ponta preta e tem um gorro marrom.

Espécies de abutres

Menos abundante que os seus parentes, usa pedras em menor altura, o que o faz optar por carniça de animais menores, como o coelho, embora também faça dos lixões um restaurante tradicional.

Na Europa, existem apenas 1.700 pares, e considera-se que 80% deles estão na Península Ibérica, especialmente em Monfragüe, considerada a maior área de nidificação dessa espécie no planeta.