Conheça 5 animais cegos

· outubro 2, 2018
Peixes, mamíferos, anfíbios e invertebrados compõem essa lista de espécies que são um exemplo de adaptação ao ambiente em que vivem; embora eles não tenham visão, eles desenvolveram outros sentidos como tato, audição ou olfato.

Sem olhos ou com pouca visão, os animais cegos foram capazes de se adaptar ao ecossistema graças aos seus outros sentidos… Eles estão mais do que desenvolvidos! Saiba mais sobre essas espécies fascinantes abaixo.

Existem animais cegos?

Não estamos nos referindo aos espécimes que, devido a doença, acidente ou velhice, foram deixados sem o sentido da visão, mas dos animais cegos como uma característica inerente de sua espécie.

Apesar de não serem capazes de enxergar, eles têm um sentido de olfato, audição ou tato bem desenvolvido, e não “sentem falta” dos olhos.

  1. Rato toupeira pelado

Não podemos começar esta lista sem o rato toupeira pelado (imagem que abre este artigo), um pequeno roedor que vive na África. Mais especificamente, pode ser encontrado no Quênia, na Somália e na Etiópia. Além de não ter pelos, também não tem olhos. 

Devido aos seus hábitos alimentares (consome sobretudo raízes e tubérculos) é considerado uma praga nas culturas.

O rato toupeira pelado pode viver cerca de 30 anos e apenas uma “rainha” é fértil na colônia, assim como acontece com as abelhas.

Vivem em túneis subterrâneos escavados pelo grupo de trabalhadores, que usam os dentes da frente e as patas dianteiras para construir a toca.

A rainha toupeira pode dar à luz entre 3 e 12 filhotes por ano, após o acasalamento com até três machos reprodutores. O resto dos indivíduos, além de serem trabalhadores, defendem os jovens e a mãe do ataque de corujas, cobras e raposas.

  1. Toupeira europeia

Quando pensamos em animais cegos, a imagem de uma toupeira vem automaticamente à mente, uma vez que quase todas as suas subespécies não têm olhos ou não têm a capacidade de enxergar no subsolo.

animais cegos: a toupeira

A toupeira é um mamífero subterrâneo, que se alimenta de minhocas e que só ocasionalmente vem à superfície.

Graças às suas patas em forma de “colher”, voltadas para trás, e suas garras fortes, elas podem cavar grandes túneis e galerias no chão.

Elas não precisam enxergar, pois são orientadas pelo olfato.

  1. Minhoca

Já que falamos de toupeiras, não podemos deixar de lado as minhocas, sua principal fonte de alimento, mas também é outro dos animais cegos deste artigo.

Estes invertebrados adaptaram-se a viver na terra. Respiram pela pele, portanto, precisam viver sempre em um ambiente úmido.

minhoca

A minhoca sai à noite, escava galerias no chão e ingere uma grande quantidade de restos orgânicos de comida – todos os dias. Não tem dentes, mas tem um dispositivo de sucção mais que poderoso.

Ela também não tem olhos, mas pode “ver” através de sua pele sensível.

  1. Tetra cego

Acredite ou não, também há peixes cegos, como o Astyanax mexicanus, conhecido  como tetra cego.

De tamanho pequeno (fêmeas com 12 centímetros de comprimento, machos 8), vive em águas tropicais próximas a cavernas submersas ao redor da costa nordeste do México.

tetra cego

Por passar toda a sua vida no escuro, seu corpo se adaptou à situação. Por isso, sua pigmentação é clara (quase transparente), não tem olhos, mas tem papilas gustativas altamente desenvolvidas. Apresenta uma quantidade maior de dentes maxilares e órgãos sensoriais de tamanho superior.

O tetra cego se alimenta de vermes, crustáceos e insetos.

  1. Salamandra cega do Texas

É um anfíbio endêmico de certas cavernas no Texas, nos Estados Unidos, mas é bastante rara.

Não tendo pigmentos em sua pele ou olhos, nunca vai ao “ar livre” e permanece na escuridão absoluta. 

A salamandra cega tem uma pele muito sensível, que lhe permite detectar alimentos (especialmente crustáceos), e que lhe permite fugir rapidamente diante de qualquer ameaça.

Salamandra cega do Texas

Na Europa, ela tem um parente próximo, conhecido como proteus, que vive entre as rochas das cavernas.

Chama a atenção porque não tem olhos, mas seus outros sentidos são altamente desenvolvidos.

A salamandra cega europeia pode viver 100 anos, seu corpo é longo e achatado, e tem pernas muito curtas.