Conheça o ciclo de vida das tartarugas

· julho 24, 2018

A tartaruga é um dos animais mais antigos da Terra. Esses répteis podem chegar a viver até cem anos. Podem ser terrestres ou aquáticas e existem várias espécies com diferentes habitats e características. No artigo de hoje, vamos conhecer o ciclo pelo qual atravessam as tartarugas, não importa a espécie.

Principais características

A tartaruga é um animal da classe dos répteis. Pode ser terrestre ou aquática e sua morfologia varia de acordo com o habitat e a espécie.

Todas possuem um casco, patas e cabeça retráteis. Seu tamanho pode variar entre 25 cm e 1,80 metro, nas maiores espécies.

Tartarugas
Fonte: neusitas

Aquáticas ou terrestres

As características desse animal variam de acordo com o tipo ao qual pertencem. Por exemplo, as tartarugas aquáticas possuem membranas nas patas e uma couraça mais leve, ao contrário das terrestres.

Apesar disso, o ciclo de vida das tartarugas é similar: após saírem do ovo, se tornam filhotes e depois animais adultos.

Uma jornada fascinante: o ciclo de vida das tartarugas

As etapas de vida desse animal podem ser definidas da seguinte maneira:

Construção do ninho

Quando alcançam a maturidade sexual, a reprodução se repete em períodos de um, dois ou três anos.

As praias tropicais ou subtropicais são, em geral, o local onde as fêmeas constroem o ninho. Algumas, entretanto, põem os ovos na água ou na terra.

Características do ninho

O tamanho e profundidade do ninho dependem do tamanho do animal. Ele é formado por um espaço ovalado que aloja o corpo da fêmea e por um buraco mais profundo onde ela deposita os ovos.

A quantidade de ovos em cada ninho varia de 70 a 100 e demoram de seis a oito semanas para chocar.

Os filhotes

A mãe não permanece ao lado dos ovos e nem os quebra. As crias usam um pequeno dente para perfurá-los. Depois do período de incubação, o bebê começa a quebrar a casca flexível do ovo, o que pode levar de dois a três dias.

Cavar para sair

Na hora de sair, todos os filhotes se ajudam mutuamente para cavar. O movimento simultâneo das tartaruguinhas permite romper a camada de areia e sair para a superfície com facilidade.

Em seguida, elas se dirigem ao oceano. Ao alcançarem as águas, nadam e começam uma nova etapa de vida. Nesse período, os animais exploram outros territórios e percorrem vários quilômetros.

Vida adulta

Dentro do ciclo de vida das tartarugas, esta etapa é onde o animal alcança as características morfológicas definitivas.

É nessa fase que os répteis chegam à maturidade sexual, o que ocorre entre dez e cinquenta anos.

É também o momento em que retornam às praias para fazer os ninhos. As tartarugas, de maneira geral, costumam voltar ao local de nascimento.

Reprodução

O macho pode morder as patas da fêmea ou bater o casco com ela no momento da reprodução.

Em cada período fértil, a fêmea pode criar de um a oito ninhos. Apesar da grande quantidade de ovos, somente uma de cada mil tartarugas alcança a idade adulta.

Tartarugas em perigo de extinção

Ameaça ao ciclo de vida

Como pudemos ver, é muito difícil para as tartarugas completar o ciclo de vida. Isso explica o perigo de extinção em que esses animais se encontram.

As capturas acidentais, a comercialização e a destruição de seus habitats são algumas das causas do seu desaparecimento.

Os movimentos migratórios

O ato de migrar é parte fundamental da vida das tartarugas. É uma forma de garantir e aumentar suas chances de sobrevivência.

Os movimentos migratórios realizados por esses répteis ocorrem entre os locais de alimentação e reprodução. O que os especialistas ainda não sabem é se fêmeas e machos migram juntos.

Ciclos migratórios

O primeiro processo migratório acontece quando os filhotes nascem e vão em direção ao mar. É um acontecimento impressionante, ainda mais se levarmos em conta que são independentes da mãe desde o nascimento. A partir de então, sempre migram de acordo com o seu ciclo de vida.

Longevidade

Por último, a tartaruga é um dos animais que têm habitado a Terra por mais tempo. Ela também possui a maior expetativa de vida, podendo superar os cem anos, dependendo da espécie. Porém, como falamos anteriormente, nem todas alcançam a vida adulta.