Conheça o sapo que pode imitar uma cobra

O mimetismo é uma estratégia de defesa que permite aos animais copiar a aparência de espécies tóxicas ou perigosas. Dessa forma, elas enganam seus predadores sem precisar gastar energia para fugir.
Conheça o sapo que pode imitar uma cobra
Cesar Paul Gonzalez Gonzalez

Revisado e aprovado por o biólogo Cesar Paul Gonzalez Gonzalez.

Última atualização: 30 outubro, 2022

Na natureza, os animais tiveram que desenvolver diferentes estratégias antipredação para sobreviver aos seus agressores. Uma das mais impressionantes e famosas é o mimetismo, com o qual diferentes espécies se tornam imitadores perfeitos para enganar seus predadores. Graças a essa estratégia, até um sapo é capaz de imitar uma cobra.

Os anfíbios são uma das espécies mais ameaçadas atualmente, por isso tiveram que desenvolver diferentes estratégias de sobrevivência. Por exemplo, o sapo Sclerophrys channingi mudou sua morfologia e aparência para imitar uma cobra e afugentar seus predadores. Continue a leitura e descubra mais sobre este curioso exemplar.

Quem é o sapo Sclerophrys channingi?

É um anfíbio pertencente à família Bufonidae. Ele se caracteriza por ter uma pele semigranulada e um corpo de tamanho médio, que chega a 14 centímetros de comprimento. Além disso, possui uma cabeça peculiar em forma de triângulo que termina em seu nariz. Devido a isso, também existem algumas bordas salientes ao redor de suas costas.

Embora os sapos sejam conhecidos por terem muitos grânulo ou verrugas ao longo do corpo, esta espécie tem relativamente poucos. Além disso, seu dorso se destaca justamente por sua aparência lisa e sua cor marrom-amarelada. No entanto, o resto do corpo apresenta as granulações típicas deste tipo de anfíbio.

Sapo do Congo na árvore

Habitat e distribuição das espécies

A distribuição original desta espécie restringia-se à África Central e Austral. No entanto, várias populações invasoras já foram registradas na Ilha da Reunião, Constantia e na região urbana da Cidade do Cabo. Por exigirem muita umidade, só podem ser encontrados nas florestas úmidas dessas áreas.

Alimentação do sapo Sclerophrys channingi

O habitat deste sapo favorece a presença de muitos invertebrados. Portanto, sua dieta se baseia no consumo de animais como caracóis, insetos, aranhas e poliquetas. Apesar disso, de acordo com um artigo da Herpetology Notes, parece que esses tipos de organismos têm certa preferência por comer formigas e besouros.

O comportamento da espécie

O sapo Sclerophrys channingi passa a maior parte do tempo escondido na folhagem da floresta. Na verdade, ele só sai de seus esconderijos quando há umidade suficiente no ambiente, por isso é mais provável que seja visto durante a estação chuvosa. Além disso, eles tendem a evitar qualquer contato com outros animais.

O sapo que é capaz de imitar uma cobra

Essa espécie tem um comportamento peculiar que ajuda a protegê-la de seus predadores, pois finge estar morta assim que detecta perigo. Embora possa não parecer muito curioso, esse comportamento é suficiente para mantê-lo seguro nos momentos mais críticos.

Em 2019, um artigo publicado no Journal of Natural History mencionou pela primeira vez que esse sapo também poderia estar usando uma técnica de mimetismo. Isso significava que seu sucesso não se devia apenas ao comportamento, mas que sua aparência era parte essencial de sua estratégia de defesa.

Especificamente, o sapo Sclerophrys channingi é capaz de imitar a víbora-do-gabão (Bitis gabonica), uma espécie bastante venenosa e perigosa. Embora pareça estranho, o formato triangular da cabeça desse sapo, seu peculiar dorso liso e sua coloração se assemelham muito à cabeça do réptil. Portanto, quando se finge de morto, os predadores o confundem com a víbora e fogem do local.

Sapo do Congo em comparação com a víbora Gibon

Não basta parecer a víbora

A estratégia usada pelo sapo Sclerophrys channingi é conhecida como mimetismo batesiano, o que significa que ele copia certas características físicas de uma espécie perigosa para usar como defesa. Embora seja verdade que imitar a aparência seja essencial, também existem outros requisitos que devem ser atendidos para que a imitação funcione bem. Como por exemplo:

  • Deve compartilhar a mesma distribuição da víbora que está imitando. Os animais só temem o que conhecem. Portanto, se determinado animal apresentar características de espécies que não estão distribuídas na área, não poderá causar a sensação de medo em seus predadores.
  • Precisa copiar a postura natural da víbora. Alguns predadores são muito guiados por sua visão, então o sapo também deve imitar as posturas naturais da víbora para assustá-los.
  • Não deve trair-se com nenhum ruído típico do sapo. Embora o anfíbio consiga copiar a aparência do réptil, ele precisa evitar ao máximo fazer qualquer som próprio que o denuncie (como coaxar). Na verdade, esta é a razão pela qual ele finge estar morto, porque assim evita cometer esses erros.

Como você pode ver, o sapo Sclerophrys channingi é uma espécie incrível e peculiar que engana seus predadores para sobreviver. Embora este anfíbio tenha sido descoberto há muito tempo, sua aparência não era conhecida por desempenhar um papel importante em seu mecanismo de defesa. Claro, para os humanos, parece apenas um sapo inofensivo, mas para outros animais parece uma temível víbora.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Telford, N. S., Channing, A. L. A. N., & Measey, J. O. H. N. (2019). Origin of invasive populations of the Guttural Toad (Sclerophrys gutturalis) on Reunion and Mauritius Islands and in Constantia, South Africa.
  • Ofori, B. Y., Mensah, J. B., Anderson, R. S., Quartey, J. K., & Attuquayefio, D. K. (2021). Diet composition of the Common African Toad, Sclerophrys regularis, in human-modified landscape. Herpetology Notes, 14, 1167-1176.
  • Vaughan, E. R., Teshera, M. S., Kusamba, C., Edmonston, T. R., & Greenbaum, E. (2019). A remarkable example of suspected Batesian mimicry of Gaboon Vipers (Reptilia: Viperidae: Bitis gabonica) by Congolese Giant Toads (Amphibia: Bufonidae: Sclerophrys channingi). Journal of Natural History, 53(29-30), 1853-1871.
  • Barej MF, Schmitz A, Menegon M, Hillers A, Hinkel H, Boehme W, Roedel MO. (2011). Dusted off-the African Amietophrynus superciliaris-species complex of giant toads. Zootaxa 2772: 1-32.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.