Curiosidades sobre os camelos

Os camelos vivem principalmente na Ásia e no norte da África. No entanto, alguns espécimes foram introduzidos na Austrália por vários exploradores no século XIX.
Curiosidades sobre os camelos

Última atualização: 28 abril, 2022

Os camelos são bastante famosos porque têm duas corcovas vistosas nas costas. Eles são frequentemente usados como meio de transporte ou carga em várias áreas áridas do mundo. Por essa razão, eles agora podem ser facilmente encontrados nos desertos da Ásia, da África e até mesmo na Austrália central.

O termo camelo pode se referir a duas espécies diferentes, o camelo-bactriano (Camelus bactrianus) e o camelo-bactriano-selvagem (Camelus ferus). Ambos possuem características físicas semelhantes entre si, mas o primeiro refere-se à população doméstica e o segundo à população de vida selvagem. Continue a leitura e descubra outras curiosidades sobre os camelos.

Camelos: um mamífero com várias curiosidades

Os camelos pertencem ao grupo dos mamíferos e são um dos poucos que se adaptaram ao clima seco. Fazem parte da família Camelidae, na qual estão agrupados com outras espécies semelhantes, como o dromedário, a vicunha, a alpaca e a lhama. Embora os camelos não pareçam ser animais atraentes, existem várias curiosidades sobre eles que poucos conhecem.

O rosto de um camelo.

1. Eles bebem mais de 100 litros de cada vez

Espécies que vivem em ambientes áridos precisam gerar estratégias para resistir à escassez de água. Portanto, quando os camelos estão na presença desse líquido fundamental, eles aproveitam para acumulá-lo dentro de seus corpos em grandes quantidades. Na verdade, eles são capazes de beber mais de 100 litros de água em apenas alguns minutos.

2. Seus ancestrais são da América do Norte

Os ancestrais do camelo viveram de 50 a 60 milhões de anos atrás na América do Norte. No entanto, em algum momento da história, eles migraram para a Ásia através do Estreito de Bering. A partir de então, eles se diversificaram e avançaram para a África, onde se tornaram essenciais para os humanos que viviam no deserto.

3. Cospem como mecanismo de defesa

Esses animais costumam usar seus membros poderosos para atingir seus atacantes. No entanto, eles também cospem como método de defesa, embora não usem saliva para isso. Na realidade, eles regurgitam um pouco de ácido estomacal e o jogam em seus oponentes para irritar sua pele.

4. Suas corcovas não contêm água

Ao contrário da crença popular, as corcovas dos camelos não contêm água, e sim uma grande quantidade de gordura. Isso significa que as duas protuberâncias nas costas são reservas de nutrientes, que mudam de tamanho se esses animais ficarem muito tempo sem comer. De fato, graças a essas estruturas, eles podem resistir entre 4 e 5 meses sem comida.

5. São capazes de resistir vários dias sem beber água

Os camelos se tornaram verdadeiros especialistas em sobrevivência em climas áridos, pois possuem estratégias incríveis para resistir sem acesso à água por muito tempo. Em geral, pode-se dizer que eles reduzem ao mínimo o uso desse recurso, pois perdem apenas cerca de 0,75 litros por dia. Mesmo quando se tiverem perdido mais de 20% de seu peso devido à desidratação, eles são capazes de permanecer eretos e ativos.

6. Seu estômago é dividido em 3 câmaras diferentes

A dieta dos camelídeos é baseada no consumo de ervas, plantas, folhas e arbustos. Por essa razão, o seu estômago é dividido em 3 câmaras que aproveitam ao máximo os nutrientes da sua alimentação. Essa estratégia é muito parecida com a dos ruminantes e eles até são considerados parte desse grupo, embora sejam formalmente chamados de pseudo-ruminantes.

7. Camelos domésticos não vêm de populações selvagens

Acreditava-se originalmente que os camelos domésticos vinham das populações selvagens de hoje. No entanto, a pesquisa genética mostrou que na verdade são duas espécies diferentes que não estão relacionadas. Isso significa que os espécimes domésticos vêm de uma linhagem extinta sobre a qual ainda não se sabe muito.

8. Dromedários e camelos podem cruzar

Os dromedários (Camelus dromedarius) são parentes próximos dos camelos, por isso é possível cruzá-los para produzir camelos híbridos. Esses organismos possuem uma única corcova e são muito mais longos que seus pais. De fato, essa linhagem era muito popular entre os turcos devido à sua grande força e tamanho.

9. A carne de camelo também é um recurso valioso

Curiosamente, os camelos também são criados para a produção de leite e carne. Graças à sua fabulosa resistência a climas áridos, o processo de criação é simples e é possível obter alimentos com alto valor nutricional para a população. Atualmente, a Austrália é o principal exportador desse produto.

Como você pode ver, há uma grande variedade de curiosidades sobre os camelos. Embora não pareçam espécimes muito marcantes, sua grande capacidade adaptativa permitiu que eles se destacassem de outros animais. Todos os seres vivos são impressionantes à sua maneira, mas alguns são capazes de guardar muito bem seus segredos.

This might interest you...
A vicunha: o símbolo nacional peruano
Meus Animais
Leia em Meus Animais
A vicunha: o símbolo nacional peruano

A vicunha é um animal símbolo nacional do Peru. É nesse país que se encontram as principais populações de vicunhas, na Cordilheira dos Andes.



  • Schmidt-Nielsen, B., Schmidt-Nielsen, K., Houpt, T. T., & Jarnum, S. A. (1956). Water balance of the camel. American Journal of Physiology-Legacy Content, 185(1), 185-194.
  • Faraz, A., Khan, N. U., Passantino, A., Pugliese, M., Eyduran, E., Pastrana, C. I., … & Nabeel, M. S. (2021). Effect of Different Watering Regimes in Summer Season on Water Intake, Feed Intake, and Milk Production of Marecha She-camel (Camelus dromedarius). Animals, 11(5), 1342.
  • (1958). THE CAMEL AND WATER. Nutrition Reviews, 16, Pages 12–14, doi:10.1111/j.1753-4887.1958.tb00611.x
  • Taib, N. T., & Jarrar, B. M. (1987). The histochemistry of the labial salivary glands of the one‐humped camel (Camelus dromedarius). Italian Journal of Zoology, 54(1), 19-25.
  • Moretti, J. (2008) Husbandry Guidelines for Arabian Camel. Recuperado el 3 de marzo de 2022, disponible en: https://aszk.org.au/wp-content/uploads/2020/05/Mammals.-Arabian-Camel-2009JM.pdf
  • Ji, R., Cui, P., Ding, F., Geng, J., Gao, H., Zhang, H., … & Meng, H. (2009). Monophyletic origin of domestic bactrian camel (Camelus bactrianus) and its evolutionary relationship with the extant wild camel (Camelus bactrianus ferus). Animal genetics, 40(4), 377-382.
  • Kadim, I. T., & Sahi, A. B. A. (2018). Health aspects of camel meat: a review of literature. Adv Anim Vet Sci, 6(7), 271-272.