9 curiosidades sobre o choco

Os chocos são animais tão distantes dos humanos (biologicamente falando) que toda a sua natureza é uma curiosidade atrás da outra. Aqui contamos mais detalhes.
9 curiosidades sobre o choco

Última atualização: 27 junho, 2022

Os cefalópodes são muito mais interessantes de se estudar do que comer. Se você não acredita nisso é porque ainda não leu todas as curiosidades sobre o choco apresentadas neste espaço. São animais surpreendentes, quase tirados de romances de ficção devido à natureza especial de seus mecanismos de adaptação.

Especificamente, os chocos são moluscos cefalópodes cuja principal característica é ter uma dura casca interna. Vamos conhecê-los melhor nas linhas a seguir, onde você poderá encontrar suas características como espécie e as curiosidades prometidas. Vamos lá!

Características do choco

Como foi dito, o choco é um molusco cefalópode que pertence à ordem Sepiida. Todas as espécies têm 8 braços e 2 tentáculos retráteis que são usados para capturar presas. Os discos de sucção estão localizados nos braços e nas pontas dos tentáculos.

Assim como seus parentes próximos, como o polvo, é capaz de produzir tinta que expelirá para dispersar sua fuga em caso de perigo.

Os chocos habitam todos os oceanos do mundo, mas geralmente são encontrados em águas temperadas e tropicais. Existe uma grande variedade, como espécies bênticas, outras que vivem em águas profundas e algumas que são solitárias, enquanto há espécies que nadam em cardumes, etc.

Quanto à dieta, é um animal estritamente carnívoro. Costumam se alimentar de pequenos moluscos e peixes presentes em seu ambiente. Para pegá-los, geralmente se camufla em uma superfície e espera para emboscar sua presa prendendo-a com seus tentáculos. Os chocos também são presas e seus caçadores incluem golfinhos, tubarões, focas e até outros chocos.

Curiosidades sobre o choco

Um choco.

Em uma descrição geral, as incríveis características desses animais não são completamente apreciadas. Por isso, aqui estão algumas curiosidades que vão ajudar você a conceituar melhor o tanto que os chocos são seres especiais. Não perca nada.

1. Os chocos não nadam, apenas flutuam

A rigidez de sua concha interna não lhes permite realizar movimentos de natação, por isso geralmente aproveitam sua capacidade de flutuar, assim como as correntes subaquáticas, para se mover e se equilibrar com sua barbatana. Eles também expelem água através do sifão para se dar impulso.

2. Mudam o espectro de cores da sua visão

Originalmente, acreditava-se que os polvos e seus primos marinhos não detectavam cores, apenas luz polarizada. No entanto, um estudo revelou que o que eles realmente fazem é alterar seu espectro visível de cores para se adequar à profundidade em que nadam.

Nas áreas litorâneas, sua visão é predominantemente verde, que gradualmente muda para azul à medida que mergulham nas profundezas, onde a luz é mais escassa.

Diferenças entre lula e choco

Você conhecia todas essas curiosidades do choco? Quanto mais se investiga, mais dados surpreendentes aparecem. Por esse motivo, a partir daqui, recomendamos que você não se restrinja apenas a esses dados e busque se atualizar com os novos estudos que estão surgindo a esse respeito. Tenha certeza de que o choco continuará a surpreender os humanos por muito tempo.

Pode interessar a você...
Nectocaris pteryx: o avô dos cefalópodes há 500 milhões de anos
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Nectocaris pteryx: o avô dos cefalópodes há 500 milhões de anos

Nectocaris pteryx é um dos cefalópodes mais antigos. E a sua reclassificação mudou a percepção da evolução que temos dos moluscos.



  • Chung, W. S., & Marshall, N. J. (2016). Comparative visual ecology of cephalopods from different habitats. Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences283(1838), 20161346.
  • Feord, R. C., Sumner, M. E., Pusdekar, S., Kalra, L., Gonzalez-Bellido, P. T., & Wardill, T. J. (2020). Cuttlefish use stereopsis to strike at prey. Science advances6(2), eaay6036.
  • Chung, W. S., Kurniawan, N. D., & Marshall, N. J. (2020). Toward an MRI-based mesoscale connectome of the squid brain. Iscience23(1), 100816.