5 curiosidades sobre os pica-paus

Ao contrário dos pássaros canoros, os pica-paus se comunicam batendo na madeira das árvores. Descubra mais aspectos interessantes dessa popular espécie aviária no conteúdo a seguir.
5 curiosidades sobre os pica-paus
Sebastian Ramirez Ocampo

Escrito e verificado por veterinário e zootécnico Sebastian Ramirez Ocampo.

Última atualização: 27 abril, 2023

Os pica-paus pertencem à família Picidae, um grupo de aves que abriga cerca de 300 espécies que se caracterizam principalmente por perfurar e tamborilar nas árvores. O tamanho médio desses exemplares varia entre 20 e 60 centímetros de comprimento. Da mesma forma, destacam-se pelas cores fortes e marcantes de sua plumagem.

Curiosidades sobre os pica-paus

Com distribuição cosmopolita, ou seja, distribuindo-se por quase todo o planeta, os pica-paus têm despertado a curiosidade de diversos pesquisadores ao longo dos anos. E é que essa espécie em particular não apenas suporta fortes acelerações em sua cabeça durante a perfuração, mas também desenvolveu um sistema de comunicação completamente diferente da maioria das aves. Continue lendo e conheça os aspectos mais interessantes desses animais.

1. Uma conformação excepcional do crânio

Os pica-paus perfuram as árvores por diferentes razões. Quer seja para cavar ninhos, procurar comida ou guardá-la, estas aves são constantemente encontradas nesta atividade. É por isso que a natureza lhes forneceu certas habilidades especiais para suportar essa atividade diária. Por exemplo, uma vantagem dessas aves é que seus cérebros são pequenos em comparação com outras espécies.

Em termos mais exatos, sua massa cerebral pesa apenas 2 miligramas, então a aceleração de seu cérebro durante a batida é mínima. Somado a isso, ao ter sua cavidade craniana preenchida com líquido cefalorraquidiano, o risco de o cérebro se mover em qualquer direção é reduzido.

pica-paus
Picidae.

Por outro lado, ao bicar obliquamente e não diretamente, a força do impacto é recebida com menor intensidade. Da mesma forma, a estrutura de seu crânio é única. Por um lado, a parte externa é feita de osso duro, enquanto a parte interna é feita de um tecido mais poroso. Portanto, ao bicar, a força exercida e recebida é distribuída ao redor do crânio em direção ao osso mais resistente, evitando lesões intracranianas.

Por fim, de acordo com um artigo publicado na revista Plos One, os pica-paus possuem uma estrutura óssea e muscular chamada aparelho hioide, que ajuda a proteger o cérebro desses impactos.

2. Os pica-paus têm uma língua muito comprida

A dieta dos pica-paus é baseada principalmente no consumo de insetos como cupins, formigas ou larvas de besouros. Essas presas são obtidas bicando a casca das árvores e expondo-as ao exterior. Contudo, sua principal arma de caça é a língua, que é usada como se fosse um tamanduá.

Esse longo órgão pode medir entre 15 e 35 centímetros, dependendo da espécie de pica-pau. Além disso, para evitar lesões durante a perfuração, a língua fica atrás do crânio em uma estrutura localizada na cavidade nasal.

3. Possuem uma linguagem única entre as aves

Ao contrário dos pássaros canoros, os pica-paus se comunicam batendo na madeira das árvores. Por meio desses sons, os pássaros podem marcar seu território, bem como chamar parceiros em potencial para acasalar.

Por outro lado, de acordo com um documento divulgado na revista científica Scientific Reports, os pica-paus têm a capacidade de distinguir o chamado entre um pássaro conhecido e um desconhecido. Da mesma forma, eles podem diferenciar se é macho ou fêmea pela intensidade da batida. De acordo com o exposto, os pica-paus usam apenas as batidas como fonte de comunicação entre sua própria espécie.

pica-paus
Picidae.

4. Os pica-paus aprendem a tamborilar

Enquanto alguns pássaros nascem com a habilidade inata de cantar, existem outras espécies que devem aprender com seus pais. É o caso dos pica-paus, cujo aprendizado não era claro até recentemente. No entanto, um artigo publicado na revista Plos One, concluiu que essa espécie usa os mesmos métodos neurais que os pássaros canoros para aprender a tocar tamborilar.

Ou seja, os pica-paus aprendem padrões de bicadas em vez de cantar melodias. Além disso, de acordo com essa pesquisa, o cérebro dessas aves expressa um gene chamado parvalbumina. Este também foi encontrado em pássaros canoros e humanos durante o processo de aprendizado da vocalização.

5. A relação entre bicar e a capacidade de reproduzir

Por fim, de acordo com o que foi dito em um artigo da revista Royal Society Open Science, existe uma relação entre a coloração da plumagem e a velocidade do tamborilar nas árvores. De acordo com os achados dessa investigação, espécimes com cores mais fortes e marcantes apresentaram maior velocidade no ato de bicar. Tais características se traduzem em maior probabilidade de reprodução. Por sua vez, as fêmeas tendem a se sentir mais atraídas por machos que exibem esse tipo de característica.

É incrível como a evolução deu aos pica-paus as habilidades ideais para evitar danos ao atingir superfícies duras. Da mesma forma, toda a sua natureza é baseada no tamborilar, pois como visto anteriormente, eles a utilizam para alimentação, reprodução e comunicação com seus pares.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Cárdenas-Posada G, Fuxjager MJ. Correlated evolution between colour conspicuousness and drum speed in woodpeckers. 2022;9(10):221096.
  • Schuppe ER, Cantin L, Chakraborty M, Biegler MT, Jarvis ER, Chen C-C, et al. Forebrain nuclei linked to woodpecker territorial drum displays mirror those that enable vocal learning in songbirds. PLOS Biology. 2022;20(9):e3001751.
  • Wang L, Cheung JT-M, Pu F, Li D, Zhang M, Fan Y. Why Do Woodpeckers Resist Head Impact Injury: A Biomechanical Investigation. PLOS ONE. 2011;6(10):e26490.
  • Węgrzyn E, Węgrzyn W, Leniowski K. Contact calls in woodpeckers are individually distinctive, show significant sex differences and enable mate recognition. Scientific reports. 2021;11(1):22769.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.