5 curiosidades sobre o piolho da carpa

Os piolhos não são encontrados apenas em animais terrestres. Existem também espécimes que parasitam hospedeiros aquáticos, como peixes. Assim, temos os piolhos da carpa. Conheça aqui algumas curiosidades desses seres.
5 curiosidades sobre o piolho da carpa
Georgelin Espinoza Medina

Escrito e verificado por a bióloga Georgelin Espinoza Medina.

Última atualização: 30 janeiro, 2023

O piolho da carpa é um parasita que, como o próprio nome indica, afeta a carpa-comum ou Cyprinus carpio, tanto na sua forma silvestre como ornamental. Também é chamado de piolho dos peixes de água doce, pois pode prejudicar outras espécies (como esgana-gato ou perca, entre outras) e até mesmo alguns anfíbios. É pequeno em tamanho, mas pode ser visto a olho nu.

Pertence ao grupo dos crustáceos. Em particular, à ordem Arguloida, família Argulidae e ao gênero Argulus. É de grande importância econômica, pois parasita espécimes de interesse na piscicultura. Continue lendo até o final e descubra algumas curiosidades sobre esse tipo de artrópode.

O que é o piolho da carpa?

Este piolho tem um corpo segmentado. Sua morfologia é ovoide e achatada. Tem uma cabeça oval com 4 antenas, 4 maxilas, 2 mandíbulas e um par de olhos compostos. Além disso, possui um tórax com apêndices natatórios e um abdome curto de dois lóbulos. Os apêndices têm cerdas longas.

A cabeça é coberta por uma carapaça, que em alguns tipos de argulídeos pode se estender até o tórax ou abdômen.

As antenas possuem ganchos que ajudam a fixá-las. Da mesma forma, o segundo par de maxilas possui ganchos em sua extremidade distal, embora sua aparência seja mais como apêndices. Por sua vez, o primeiro par maxilar é especializado, na forma de discos de sucção em formato de taça ou ventosas para aderir ao hospedeiro. Ele também possui um estilete oco e retrátil que perfura a pele para sugar  comida, muco, células epiteliais e sangue.

Tem um tamanho pequeno. Em geral, não ultrapassa 10 milímetros. No entanto, alguns espécimes têm proporções maiores. Por exemplo, Argulus foliaceus pode atingir 15 ou 22 milímetros de comprimento. Quanto à sua coloração, podemos dizer que é variável, embora seja comum que seja transparente com tons esverdeados.

Curiosidades sobre o piolho da carpa

Os piolhos dos peixes de água doce causam danos consideráveis, principalmente quando há um grande número de indivíduos causando a infestação. Aqui separamos 5 aspectos curiosos e interessantes desses temíveis e pequenos crustáceos.

1. Os machos são menores que as fêmeas

Embora os sexos neste gênero sejam separados, ou seja, existam indivíduos de ambos os tipos (dioicos), os machos são menores que as fêmeas. Elas ganham tamanho, o que aumenta sua fertilidade. Por sua vez, os piolhos machos sacrificam essa característica para investir energia na busca de uma parceira. Desta forma, eles garantem a reprodução.

Em um estudo realizado no Uruguai, em 2017, foi encontrada uma população desses piolhos em bagres. Foi possível determinar as medidas entre machos e fêmeas. Assim, os espécimes masculinos tiveram média de 3,8 milímetros, com uma variação que passou de 2 a 5,7. No caso das fêmeas, resultaram em valores superiores, com média de 4,1 e valor máximo de 6,4.

2. São parasitas não permanentes

Outro fato interessante sobre esses organismos é que eles são parasitas não permanentes. Além disso, os adultos periodicamente deixam os peixes hospedeiros para nadar livremente. Por um lado, as fêmeas os abandonam após a cópula, para depositar seus ovos, enquanto os machos devem fazer isso para encontrar uma parceira.

Esses piolhos podem sobreviver por algum tempo fora de seus hospedeiros. Estima-se que esse período na espécie A. foliaceus seja em torno de 15 dias. Embora eles só possam estar em plena capacidade e atividade para procurar um novo hospedeiro por metade desse período.

3. Cada fêmea pode colocar até 200 ovos

Os piolhos da carpa realizam a cópula nos hospedeiros. Após esse processo, a fêmea, com o tórax cheio de ovos, se desprende para botar ovos. Isso pode ser realizado em substratos como rochas, vegetação aquática ou superfícies planas.

A fertilidade é alta, pois as fêmeas podem colocar até 200 ovos em formato ovoide de 0,3 a 0,6 mm de comprimento. Elas também os cobrem com uma massa gelatinosa que serve para adesão ao substrato. Assim, eles ficam agrupados e bastante compactados. O tempo de eclosão das larvas varia com a temperatura da água.

4. Apresenta uma glândula na base do estilete

Cyprinus carpio.

O estilete do piolho da carpa é delicado e oco. Além de seu poder penetrante, é dotado de uma glândula em sua base. Esta é pequena, mas tem a capacidade de secretar um líquido que contribui para a digestão. Também tem ação anticoagulante, ou seja, impede a coagulação do sangue. A referida substância sai por uma das duas aberturas localizada na ponta desta estrutura.

5. O piolho da carpa causa perda de condição corporal

A maioria dos parasitas adere ao tegumento do hospedeiro. No entanto, também invadem suas brânquias ou o interior de sua boca. Apesar de produzirem maior mortalidade nos alevinos, os danos aos adultos podem ser consideráveis, tudo depende do tamanho do peixe e da quantidade de parasitas.

Geram perda da condição corporal geral, diminuem o ritmo de crescimento, causam fraqueza e alterações de comportamento. Da mesma forma, causam danos ao tegumento, podendo ser observadas algumas alterações na coloração habitual dos peixes. Isso também produz úlceras. Esse dano à pele é muito perigoso, pois cada ferimento pode servir de porta de entrada para outros patógenos, complicando o quadro.

Como você pôde notar, o piolho da carpa é um inseto muito bem dotado para a sua vida à custa dos outros, com ventosas, ganchos e um estilete perfurante. Além disso, injeta substâncias digestivas e anticoagulantes, que também prejudicam o hospedeiro. São armas que o tornam um parasita ousado e eficaz que você não deseja em seu koi ou em qualquer outro peixe.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Casas G., & López, J. (2017). Estudio del parasitismo de una población de bagre negro, Rhamdia quelen, quoy & gaimard, 1824, (Osteichthyes, Heptapteridae), por Argulus sp. (Crustacea, Argulidae) en una laguna artificial de Ciudad de la Costa, Canelones. [Tesis de Grado, Universidad de la República]. https://www.colibri.udelar.edu.uy/jspui/bitstream/20.500.12008/24937/1/FV-33042.pdf
  • Fernández, R., & Corrada, R. (2015). Nueva especie de Argulus (Branchiura: Argulidae), parásito de Chromis cyanea (Pisces: Actinopterygii), para aguas cubanas. Serie Oceanológica, 14, 38-45.
  • Sten, O. (2006). Argulus foliaceus. En: Woo, P., & Buchmann, K. (Eds). Fish Parasites: Pathobiology and Protection (pp.337-346).
  • Sten, O. (2015). Clase Branchiura. Orden Arguloida. Revista IDE@ – SEA, 103A, 1-8.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.