Ciclo de vida dos piolhos

Os piolhos são insetos que variam na alimentação e, portanto, na sua classificação. Aqui você pode descobrir mais sobre esse aspecto de sua biologia.
Ciclo de vida dos piolhos

Última atualização: 03 novembro, 2021

Conhecer o ciclo de vida dos piolhos é uma das tarefas dos pais quando os filhos entram na escola. Esses invertebrados conquistaram má fama pelo fato de parasitarem a cabeça do seres humanos, gerando uma rejeição e uma aversão mais do que justificadas.

Por esse mesmo motivo, poucos dados são conhecidos sobre esses pequenos insetos que habitam diferentes regiões do corpo dependendo da espécie. Da mesma forma, eles não são apenas um problema humano, mas também podem estar presentes em nossos animais de estimação. A melhor defesa é sempre um bom ataque: acompanhar o ciclo de vida dos piolhos e enfrentar!

Características dos piolhos

Os piolhos são insetos hemimetabólicos pertencentes à ordem Phthiraptera e conhecidos mundialmente por serem ectoparasitas obrigatórios. Especificamente, eles parasitam certas espécies de pássaros e mamíferos. Além disso, seu mecanismo de transmissão é muito específico, já que não “pulam” de uma cabeça para outra de forma simples como se costuma pensar.

Espécies de piolhos

Para diferenciar as espécies de piolhos, é necessário distinguir entre mastigadores e sugadores. A principal divergência entre as duas subordens é o tipo de alimentação realizada por seus membros.

Os piolhos mastigadores, pertencentes à subordem Mallophaga, se alimentam de flocos dérmicos e penas de seus hospedeiros. Por outro lado, os sugadores são classificados na subordem Anoplura e seguem uma dieta muito especial. Eles são identificados em termos ecológicos como hematófagos e são caracterizados por se alimentarem do sangue de seus hospedeiros.

Em ambas as subordens, o sexo do indivíduo pode ser determinado pela observação da extremidade do abdômen. No entanto, esse traço de dimorfismo sexual não só nos permite diferenciar machos de fêmeas, mas também entre as espécies. Para diferenciar entre piolhos mastigados e sugadores, existem certas características físicas que devem ser levadas em consideração:

  • A forma e o tamanho da cabeça em relação ao tórax.
  • O tipo de antenas.
  • Aparelho oral especializado: pode ser do tipo mastigador (subordem Mallophaga) ou do tipo sugador (subordem Anoplura).
  • Um tórax unido ou segmentado.
  • A forma dos órgãos genitais.
Os piolhos têm muitas curiosidades.

Ciclo de vida dos piolhos

A espécie selecionada para explicar o ciclo de vida dos piolhos é a Pediculus humanus capitis. Em primeiro lugar, deve-se destacar que a patologia causada por esse animal é denominada pediculose e ocorre exclusivamente na cabeça do ser humano.

Como são ectoparasitas obrigatórios, os piolhos não sobrevivem mais do que 24 horas longe do seu hospedeiro, principalmente porque lhes falta a temperatura adequada e uma fonte de alimentação. No entanto, se ficarem na cabeça, podem viver entre 22 e 35 dias e produzir cem ovos antes da morte.

O ciclo de vida dos piolhos é composto pelas seguintes etapas:

  1. Lêndea: é o que identificamos como o ovo do piolho e está presente durante os primeiros 6-7 dias do ciclo. A lêndea se fixa ao couro cabeludo e tem uma alta taxa de sobrevivência. 60% dos ovos sobrevivem até a eclosão.
  2. Ninfa: durante os próximos 9 a 10 dias ocorre o desenvolvimento da ninfa, que emerge do ovo e é invisível ao olho humano. Ao longo de seu crescimento, a ninfa experimenta até 3 mudas diferentes de seu exoesqueleto.
  3. Piolho adulto: após a última muda da ninfa, o piolho adulto emerge, sobrevivendo por 15-16 dias. Cada fêmea põe entre 4 e 8 ovos por dia, separados uns dos outros, mas todos eles ficam presos aos fios de cabelo com uma substância pegajosa e insolúvel em água que os impede de cair. No total, as fêmeas podem produzir entre 100 e 200 ovos durante sua vida.

Quando os piolhos picam o couro cabeludo para chegar ao sangue, eles causam a coceira típica dessa condição. Em alguns casos, surgem úlceras derivadas do ato de coçar, pois nem todas as pessoas têm a mesma tolerância a esse parasita.

Os piolhos dos animais de estimação podem ser transmitidos aos humanos?

Como mencionado acima, existem diferentes espécies de piolhos que atacam os mamíferos. A questão que surge ao saber disso é se os piolhos podem ser transmitidos de animais de estimação para humanos e vice-versa. No entanto, a resposta é não.

Os piolhos que parasitam animais domésticos e humanos pertencem a espécies diferentes. Um alto nível de especificidade tem sido observado entre os piolhos e seus hospedeiros, ou seja, cada espécie desse grupo parasita um único tipo de mamífero ou ave.

Doenças provocadas pelos piolhos

As espécies de piolhos que parasitam cães e gatos estão localizadas na subordem Mallophaga. Por serem mastigadores, esses invertebrados se alimentam de restos epiteliais de animais de estimação. Portanto, estão relacionados a certas doenças de pele, como dermatites, presença de crostas, alopecia e anemia (somente quando a parasitização é muito intensa).

Mamíferos com sistema imunológico comprometido, idosos ou muito jovens têm maior probabilidade de desenvolver infecções mais graves causadas por piolhos. Em qualquer caso, o contágio pode ocorrer naturalmente entre espécimes da mesma espécie, independentemente de sua condição.

Um piolho visto ao microscópio.

Concluindo, queremos enfatizar a importância de conhecer esse tipo de artrópode e saber como identificá-los. Em qualquer caso, lembre-se de que este artigo é apenas indicativo. Portanto, se você suspeitar de uma infecção por piolho, deve ir ao médico.

Conhecer o ciclo de vida dos piolhos é necessário em termos patológico e biológico. Esses invertebrados são de grande interesse, e aprender sobre sua biologia nos permitirá combatê-los de forma mais eficaz no futuro.

Pode interessar a você...
10 curiosidades sobre os piolhos-de-cobra
Meus Animais
Leia em Meus Animais
10 curiosidades sobre os piolhos-de-cobra

As curiosidades sobre os piolhos-de-cobra vão muito além de seus corpos alongados e suas cores. Conheça mais sobre eles junto com a gente.