10 curiosidades sobre os piolhos

Os piolhos são animais que têm a reputação de serem irritantes e problemáticos, mas várias coisas interessantes também podem ser contadas sobre eles. Você quer conhecê-los?
10 curiosidades sobre os piolhos

Última atualização: 06 Outubro, 2021

As curiosidades sobre os piolhos são múltiplas, mas poucos querem conhecê-los em um nível biológico. Só nos Estados Unidos, de 6 a 12 milhões de pessoas são infectadas a cada ano com o invertebrado parasita da cabeça Pediculus humanus capitis, especialmente entre as idades de 3 e 11 anos. Embora não seja um quadro grave, é muito desagradável e fácil de transmitir.

Ninguém gosta de sentir o crescimento de uma população de piolhos na cabeça, mas é preciso reconhecer que existem muitas outras espécies dentro desse grupo no planeta que não nos afetam e relatam um conhecimento biológico inestimável. Se você quiser descobrir mais curiosidades sobre esses insetos invertebrados, continue lendo.

1. Não existe apenas uma espécie de piolho

Os humanos estão familiarizados com a espécie Pediculus humanus e suas duas subespécies (capitis e humanus), mas a realidade é que existem muitos outros piolhos. Todos eles pertencem à ordem de insetos Phthiraptera, que inclui cerca de 5 mil espécies diferentes de hexápodes sem asas.

Todos os piolhos são parasitas obrigatórios, exigindo um hospedeiro para se alimentar e se desenvolver. Além disso, são capazes de parasitar todas as espécies de aves e mamíferos, exceto pangolins, monotremados (ornitorrincos e equidnas) e morcegos. Sem dúvida, sua estratégia evolutiva é baseada em tirar vantagem dos outros.

Existem mais de 5 mil espécies de piolhos, mas os humanos estão mais familiarizados com o Pediculus humanus.

2. Tipos de piolhos

Os piolhos podem ser classificados em 2 grupos com base em seus hábitos de vida. São os seguintes:

  • Piolhos sugadores: esses insetos obtêm seu alimento sugando as secreções sebáceas, sangue e outros fluidos produzidos pelo corpo do hospedeiro.
  • Piolhos mastigadores: são necrófagos e se alimentam de restos de matéria orgânica secretada pelo hospedeiro durante sua vida normal. Isso inclui descamação da pele, fragmentos de pelos e penas e detritos encontrados na superfície.

Alguns piolhos são altamente especializados e vivem apenas na superfície do hospedeiro, enquanto outros podem colonizar vários sistemas biológicos. Deve-se notar também que certas espécies limitam seu campo de ação a uma única parte do corpo, mas outras podem parasitar toda a superfície do animal, desde que haja alimento disponível.

Um piolho visto ao microscópio.

3. Um pequeno olhar

Conforme indicado pela Aragonese Entomological Society, a maioria das espécies de piolhos são minúsculas. A média é de 2 a 3 milímetros de comprimento em adultos, embora alguns exemplares excepcionais possam atingir quase um centímetro. Além disso, suas cabeças são ovais e o corpo é estreito, semitransparente e muito achatado no nível dorso-ventral.

Esses insetos não têm ocelos e seus olhos compostos são de tamanho reduzido (ou ausentes). As antenas também são muito básicas, então podemos presumir que eles não especialistas na navegação no espaço tridimensional. Sua cor é geralmente pálida ou acinzentada, mas escurece com o tempo nas espécies que se alimentam do sangue de seu hospedeiro.

O tórax desses insetos tem 3 segmentos fundidos e eles têm 6 patas que terminam em garras para se prenderem ao hospedeiro.

4. Especificidade ou generalismo?

Uma das curiosidades dos piolhos é que tendem a ser altamente especializados nas espécies que parasitam. Por essa razão, o estado de conservação de cada espécie depende de seu hospedeiro: se o hospedeiro se extingue, o piolho também se extingue. Esses insetos são excelentes modelos para explicar os processos de coevolução, ou seja, como parasite e parasitado evoluíram no tempo para se adaptarem à natureza um do outro.

5. Um ciclo de vida mais simples do que parece

Os piolhos são insetos hemimetabólicos, sofrem metamorfose incompleta e os recém-nascidos são mais ou menos semelhantes aos adultos. Suas fases são muito fáceis de citar: ovo, 3 estágios como ninfa e adulto. Para atingir a maturidade sexual, a ninfa deve passar por 3 mudas de exoesqueleto.

É curioso saber que 38% das ninfas da espécie Pediculus humanus capitis morrem nos primeiros dois dias após o nascimento em cativeiro. Estima-se que a taxa de mortalidade no ambiente natural seja muito maior, de modo que esses insetos dependem mais do número de ovos que produzem do que da qualidade de sua prole.

Um piolho fêmea põe em média 6 ovos por dia e vive 30 dias. Para que não se desprendam, ela os cola com sua saliva à superfície do hospedeiro.

6. Quais espécies afetam os humanos?

Os humanos são afetados por apenas 2 espécies de piolhos entre as mais de 5 mil descritas. São Pthirus pubis (piolho-da-púbis) e Pediculus humanus. Deve-se notar que este último está dividido em mais 2 subespécies de acordo com sua área de distribuição: P. humanus capitis (cabeça) e P. humanus humanus (corpo). Sem dúvida, em países de alta renda, a subespécie da cabeça é mais comum.

7. O inseto com o menor genoma do mundo

O piolho do corpo humano é o inseto com o genoma mais básico que existe. O comprimento de seu DNA é de 108 megabases (Mb), enquanto o do ser humano é de 3200 Mb. Isso significa que ele tem muito pouca informação genética para codificar proteínas. No entanto, estudos indicam que esse inseto mantém uma quantidade notável de DNA, apesar de ser um parasita obrigatório.

Seu baixo número de genes fez com que o piolho do corpo humano fosse usado como modelo em várias investigações.

8. Dados epidemiológicos

A partir daqui, vamos nos concentrar um pouco mais nas espécies que afetam os humanos. Outra curiosidade sobre os piolhos (principalmente os da cabeça) é que eles geram ondas epidemiológicas em determinadas épocas do ano em crianças entre 3 e 11 anos. Sem muitos detalhes, nos Estados Unidos, de 6 a 12 milhões de casos são notificados anualmente.

A prevalência varia de 0,7% a 59%, dependendo da área geográfica analisada. Em qualquer caso, é um parasita que atinge mais as mulheres do que os homens, porque elas têm mais pelos, o que dificulta a identificação das larvas e dos ovos para se livrar deles.

9. Os piolhos não podem voar

Os piolhos não têm asas, por isso não podem voar de cabeça em cabeça para colonizar um novo hospedeiro. No entanto, eles são capazes de “pular” de humano para humano quando veem uma oportunidade favorável. Isso geralmente ocorre quando uma pessoa infectada toca com a cabeça uma pessoa saudável ou quando alguém não infectado usa produtos de limpeza de outra pessoa.

Além disso, é necessário ressaltar que a presença ou ausência de piolhos no corpo do ser humano não depende de sua higiene. Embora a falta de higiene possa favorecer o crescimento das ninfas e a carga de ovos seja maior, no final a infecção é arbitrária e basta ter estado perto o suficiente de alguém infectado.

10. Outros animais não vão te contaminar com seus piolhos

Como indica a Biblioteca Nacional dos Estados Unidos, quase todo piolho é específico de sua espécie hospedeira, pelo menos até o nível de gênero. Portanto, se o seu cão ou seu coelho estiver com piolhos, pode ter certeza de que ele não vai saltar para a sua cabeça e começar a viver aí. Como já dissemos, a coevolução parasita-hospedeiro é forte e requer que ambos se especializem nessa relação.

O que você achou dessas curiosidades sobre os piolhos? Embora esses invertebrados sejam parasitas bastante incômodos para os humanos, eles também representam uma excelente oportunidade para explorar a relação hospedeiro-patógeno e os sacrifícios que este último deve fazer para se adaptar à vida parasitária. Embora não gostemos deles na nossa cabeça, no laboratório podem nos dar muitas respostas.

Pode interessar a você...
10 curiosidades sobre os piolhos-de-cobra
Meus Animais
Leia em Meus Animais
10 curiosidades sobre os piolhos-de-cobra

As curiosidades sobre os piolhos-de-cobra vão muito além de seus corpos alongados e suas cores. Conheça mais sobre eles junto com a gente.