Curiosidades sobre os roedores extintos e sua contribuição para a sociedade atual

Os roedores extintos, embora não estejam mais entre nós, ainda têm muitas coisas para contar. Aqui você poderá conhecê-los.
Curiosidades sobre os roedores extintos e sua contribuição para a sociedade atual

Última atualização: 26 junho, 2022

Os animais que não andam mais na Terra também têm seu valor. Há muitas lições que podem ser aprendidas com eles e, principalmente, com os roedores extintos. Seus sinais perduram e, às vezes, por milhões de anos, sua mensagem permanece escrita.

Por isso, neste espaço trazemos algumas curiosidades sobre esses pequenos mamíferos que não estão mais entre nós. Através deles se desenham paisagens antigas e o que existe hoje pode ser melhor compreendido. Por isso, não perca nada.

Algumas curiosidades sobre os roedores extintos

Os roedores são uma daquelas famílias que, graças à sua capacidade de adaptação e ao seu pequeno tamanho, se distribuíram por praticamente todo o globo. Por essa razão, foi possível extrair dados muito valiosos sobre os ecossistemas de outrora, então abaixo você encontra uma amostra desse conhecimento em forma de curiosidades.

Você sabe quais são as diferenças entre rato e rato?

1. O mais útil de seus fósseis são os dentes

Os roedores exploram seu ambiente, se alimentam e até se comunicam com a boca. Por esse motivo, essa parte do corpo geralmente contém informações sobre praticamente tudo o que estava ao seu redor, como sedimentos, condições climáticas, dieta e até o clima.

A morfologia dentária de Golunda aouraghei, por exemplo, indica que sua dieta era mais abrasiva que a de seu ancestral devido ao aumento da aridez no final do Plioceno.

2. Estudos de sua configuração óssea

O resto de seu corpo também fornece informações importantes. Justamente pela grande adaptabilidade desse gênero, o estudo de seus vestígios revela em quais ambientes ele se desenvolveu. O formato dos ossos e seu arranjo permitiram encontrar os ancestrais dos roedores atuais que se movem em ambientes semiaquáticos, arbóreos, desérticos, etc.

3. O efeito Lázaro

Embora geralmente não haja fósseis envolvidos nesse caso, sabe-se que as espécies ressurgem após um tempo sem avistamentos. Um dos casos mais recentes é o de Pseudomys glaucus, um camundongo australiano cuja última evidência física remonta a 1910. Contudo, em 1956 um desses roedores foi pego em uma armadilha de fazenda junto com um grande número de camundongos domésticos.

O rato-de-gould (Pseudomys gouldii) é outro caso famoso. Ele foi considerado extinto por mais de 100 anos, mas mais tarde se descobriu que ele havia movido seu nicho milhares de quilômetros de seu local de distribuição original.

4. O roedor mais velho do mundo

No rio Ucayali, no Peru, foi descoberto em 2011 um depósito com fósseis de roedores. Os restos, principalmente dentes, datam de 41 milhões de anos atrás. Além disso, sua semelhança com roedores africanos confirma que aqueles do outro lado do Atlântico são seus descendentes.

A utilidade dos roedores extintos para a era atual

Sempre é necessário olhar para o passado e aprender com ele. Esse conselho, tão comum quando se fala de história humana e política, também se aplica à Mãe Terra. Se você conversar com qualquer especialista da área, ele poderá dar argumentos relacionados a essa importância, como os seguintes:

  • Os roedores extintos são um exemplo da evolução das espécies: embora não seja fácil, é possível reunir todos os elos da cadeia evolutiva de uma espécie. Dessa forma, as mudanças físicas estão ligadas às ambientais ao longo da história do planeta.
  • Estudar as causas da extinção: saber o que causou o desaparecimento de uma espécie é uma informação muito valiosa para os dias de hoje. De fato, parte da tarefa de conservar a biodiversidade do planeta envolve extrair essas informações de tempos passados.
  • Entender melhor os ecossistemas: cada vez que uma espécie se extingue, o bioma que ela habita é modificado em menor ou maior grau. Estudar essas mudanças após a extinção de um roedor (ou de qualquer outra espécie) é essencial para antecipar os problemas que a perda de indivíduos com as mesmas características acarretaria.
  • Conhecer as espécies de roedores que habitavam a Terra: esse ponto é o mais óbvio, pois saber quais animais habitaram o planeta há milhões de anos tem sido a preocupação de muitos cientistas desde os primórdios da humanidade.

A sexta extinção em massa

Embora as notícias da extinção das espécies cheguem uma a uma, até o momento você já pôde entender a importância de levar a sério que existem tantas. De fato, a União Internacional para a Conservação da Natureza divulgou um relatório que lista 617 espécies de vertebrados extintas, a maioria delas no século passado.

Essas ausências, aceleradas artificialmente pelo homem, têm um enorme impacto nos ecossistemas, cujo desequilíbrio leva inevitavelmente a mais extinções. É por isso que é garantido que os humanos causarão o que é conhecido como a sexta extinção em massa.

De fato, o que realmente confirmou que estamos caminhando para essa catástrofe foi a inclusão de espécies vegetais e invertebrados na contagem, já que são as que compõem a maior parte da biodiversidade.

Por isso, seja sobre roedores extintos ou qualquer outro ser vivo, muito do progresso para salvar o planeta depende de seu estudo. Nunca nos esqueçamos de que só temos uma casa e é necessário uma convivência conjunta e pacífica para preservá-la.

Pode interessar a você...
Por que o panda-vermelho está em perigo de extinção?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Por que o panda-vermelho está em perigo de extinção?

O panda-vermelho está em perigo de extinção devido ao desmatamento, à caça e à captura de espécimes para tráfico no mercado negro.



  • Smith, A. P., & Quin, D. G. (1996). Patterns and causes of extinction and decline in Australian conilurine rodents. Biological conservation77(2-3), 243-267.
  • Ceballos, G., Ehrlich, P. R., Barnosky, A. D., García, A., Pringle, R. M., & Palmer, T. M. (2015). Accelerated modern human–induced species losses: Entering the sixth mass extinction. Science advances1(5), e1400253.