Curiosidades sobre os porquinhos-da-índia

· abril 21, 2019
Os porquinhos-da-índia se tornaram populares entre a aristocracia europeia há mais de 300 anos.

Os porquinhos-da-índia são animais de estimação comuns no mundo ocidental. No entanto, esses animais têm algumas características que não são muito conhecidas, mas que podem ser a chave para o seu cuidado adequado.

Os porquinhos-da-índia são conhecidos no campo científico como Cavia porcellus. Eles pertencem à família dos cavídeos, caracterizada por sua proeminente cabeça retangular e sua cauda praticamente imperceptível. Nos últimos anos, este animal de origem peruana/boliviana se tornou um animal de estimação popular entre as crianças.

Algumas das características mais curiosas desta espécie são:

  • Na América do Sul, os porquinhos-da-índia recebem tradicionalmente o nome de cuy em alusão ao breve e agudo ruído que emitem para se comunicar. A razão para o ruído é variada, mas geralmente coincide com situações que geram algum estresse, tais como fome ou medo.
  • São animais gregários que tendem a ser encontrados na natureza em grupos de cinco ou mais indivíduos. Este fator pode ser levado em consideração ao tê-los no ambiente doméstico, já que é aconselhável adquirir pelo menos dois deles para sua maior satisfação. No entanto, independentemente de comprar vários exemplares ou não, os porquinhos-da-índia exigem o carinho do seu dono.
  • Estes animais são herbívoros estritos. Na natureza, eles se alimentam de todos os tipos de sementes, frutas, legumes e hortaliças. No ambiente doméstico, a sua dieta é baseada em rações ricas em vitamina C porque ela é crucial, entre outras coisas, para uma boa condição da sua pele. No entanto, eles não são capazes de sintetizá-la sozinhos.
Porquinhos-da-índia comendo alface

  • Eles fazem parte da gastronomia popular andina. Eles são servidos assados, assim como o típico leitão espanhol, ou em forma de espetinhos em barracas de comida de rua. Seu perfil nutricional é equilibrado, com 20% de proteína e 7% de lipídios.
  • Embora nos pet shops os porquinhos-da-índia mais comuns sejam os de pelo curto e com um peso aproximado de um quilograma, existem outras raças nas quais as dimensões do corpo, a cor e o tipo de pelagem são diferentes. Entre elas, se destacam o porquinho-da-índia skinny, sem pelos, exceto por uma mecha frontal na cabeça, e o porquinho-da-índia rex, que pode chegar a dois quilos.
  • Embora tenham o sentido da visão bem desenvolvido, apresentam certas limitações quanto a questões de perspectiva. Essa dificuldade em calcular distâncias e profundidades geralmente causa acidentes frequentes quando correm.
  • Costumam ser amplamente usados em pesquisas científicas. Além da sua aplicação no setor da saúde para testar novos tratamentos médicos, sua alta capacidade de aprendizagem serve para estudar processos cognitivos.
Os porquinhos-da-índia são amplamente utilizados em pesquisas científicas

  • Eles praticam a coprofagia. Assim como coelhos e muitos outros animais, eles precisam ingerir as próprias fezes para incorporar uma série de nutrientes essenciais, tais como a vitamina B e certos minerais. Além disso, dessa forma eles também podem recuperar parte da flora bacteriana, importante para a digestão da sua dieta rica em fibras.
  • Seus dentes crescem durante a vida toda. Por isso é essencial, principalmente no ambiente doméstico, onde eles geralmente são alimentados à base de rações, que tenham outros tipos de objetos ou então alimentos ‘duros’, que permitam desgastar os dentes.
  • Entre a comunidade de língua inglesa, eles são conhecidos como guinea pigs porque, a partir do século XVIII, os mercadores holandeses e ingleses os levaram da América do Sul para a Europa, parando na Guiné. Assim, foi difundida a falsa crença de que este era o seu local de origem.

Os porquinhos-da-índia, que se tornaram animais de estimação populares desde que os aristocratas europeus começaram a adquiri-los há mais de 300 anos, são uma escolha frequente entre o público infantil. No entanto, as suas necessidades alimentares, de saúde e emocionais exigem maturidade e responsabilidade por parte dos seus donos.

  • Ateuves. (2018). La cobaya y la vitamina C. Recuperado de https://ateuves.es/la-cobaya-y-la-vitamina-c/
  • Clínica Manescania Veterinaris. (2016). Cobayas, mansos y siempre alerta. Recuperado de https://veterinariosmolletvalles.com/cobayas-mansos-y-siempre-alerta/
  • Hogarmanía. Cobaya, cuy o cuyo: un roedor de origen andino. Recuperado de https://www.hogarmania.com/mascotas/otras/roedores/200902/cobaya-cavia-porcellus-6511.html