Demodicose canina: sintomas, diagnóstico e tratamento

julho 24, 2019
Também chamada de sarna, a demodicose canina é causada por um ácaro do gênero Demodex.

Quando falamos de sarna, pensamos em um processo preocupante para o nosso animal de estimação, que pode ser contagioso. A demodicose canina, ou sarna demodécica, é um fenômeno relativamente comum que, a priori, é tratável.

Neste artigo, vamos falar das causas, do diagnóstico e dos tratamentos disponíveis.

O que causa a demodicose canina?

O causador desta doença é um ácaro do gênero Demodex, mais especificamente o Demodex canis. Em condições normais, estes seres microscópicos vivem nos folículos e em diferentes áreas da pele de muitos mamíferos.

Nos cachorros, mais especificamente, estes ácaros são encontrados de forma habitual e o sistema imunológico do cão se encarrega de manter o seu número sob controle.

Quando, por diversas razões – sistema imunológico deficiente, por exemplo – a população destes ácaros aumenta descontroladamente, surge uma infestação, o que provoca uma série de danos na pele que, finalmente, desencadeiam a demodicose canina.

Tratamento da demodicose canina

Sintomas da demodicose

Esta doença pode afetar tanto cachorros jovens quanto adultos. Portanto, podemos falar de demodicose localizada quando ela afeta filhotes ou cães com menos de dois anos. Os sintomas mais comuns são a queda do pelo, juntamente com a inflamação da pele, sobretudo na cabeça e nas patas.

Nosso amigo pode sofrer com o chamado prurido, que nada mais é do que a coceira contínua e incessante. Essa variedade de demodicose canina é menos agressiva e costuma ceder com o tempo.

Em contrapartida, a demodicose generalizada é bem mais grave e afeta cães adultos. A infecção começa a se alastrar por várias regiões do corpo do animal, e chega inclusive às unhas e à base das patas.

Sintomas da demodicose canina

Neste caso, as lesões que afetam a pele são mais virulentas e podem aparecer feridas profundas e supurativas. Todos estes sintomas costumam ser acompanhados de febre, mal-estar generalizado e lambidas incessantes nas regiões afetadas.

Diagnóstico

Felizmente, o diagnóstico da demodicose canina é simples. Basta fazer um exame raspando a pele do cachorro para confirmar a presença do ácaro causador. Normalmente, o veterinário vai raspar a pele nas zonas afetadas profundamente para confirmar o diagnóstico de forma precisa.

Neste momento, deve-se destacar que, se observarmos quaisquer dos sintomas descritos anteriormente no nosso animal de estimação, devemos levá-lo rapidamente ao veterinário, para que o tratamento comece o mais cedo possível.

Tratamento da demodicose canina

Considerando-se as doenças subjacentes, o tratamento desta doença pode variar. O fato de a doença ser localizada ou generalizada também influencia.

No caso da demodicose localizada, ainda que seja comum ela ceder com o passar do tempo, o veterinário pode receitar algum tipo de xampu, combinado com um tratamento acaricida.

Cachorro com demodicose canina

Se a doença for generalizada, geralmente a solução é recorrer aos banhos de Amitraz. De fato, este medicamento antiparasitário pode ajudar a curar os sintomas, mas pode ter efeitos colaterais adversos.

Os produtos que costumam ser aplicados nos animais com demodicose generalizada são focados em curar os sintomas, já que alguns animais sofrerão com a doença de maneira crônica. Assim, este fenômeno costuma estar associado a um sistema imunológico comprometido.

É importante não interromper o tratamento e fazer exames periódicos para confirmar se a presença do ácaro diminuiu. Como prevenir esta doença é uma tarefa difícil, devemos buscar uma qualidade de vida adequada para o nosso cachorro: alimentação saudável, exercício diário e companhia.

Para finalizar, devemos nos lembrar de que, diante de qualquer dúvida, o veterinário especialista é a melhor pessoa para consultar quando algo não estiver bem com os nossos animais de estimação.

  • Sivajothi, S., Reddy, B. S., & Rayulu, V. C. (2015). Demodicosis caused by Demodex canis and Demodex cornei in dogs. Journal of parasitic diseases39(4), 673-676.
  • Saló, E. (2011). Formas clínicas de la demodicosis canina. No todo son alopecias. Clínica veterinaria de pequeños animales: revista oficial de AVEPA, Asociación Veterinaria Española de Especialistas en Pequeños Animales31(1).
  • Fondati, A., De Lucia, M., Furiani, N., Monaco, M., Ordeix, L., & Scarampella, F. (2010). Prevalence of Demodex canis‐positive healthy dogs at trichoscopic examination. Veterinary dermatology21(2), 146-151.