Doenças mais comuns em cães chihuahua

A moda do cão pequeno fez com que alguns criadores tentassem produzir exemplares menores de algumas raças. Consequentemente, esses animais são suscetíveis a condições cada vez mais graves.
Doenças mais comuns em cães chihuahua

Última atualização: 10 março, 2022

O cão chihuahua é uma das menores raças de cães que existe, por isso costuma ser uma excelente opção para tutores que têm pouco espaço em casa. Caracteriza-se por ter uma pelagem curta e uma aparência esguia. Ele também costuma ser bastante nervoso e agressivo, mas com uma boa educação pode se tornar um ótimo animal de estimação.

Esses cães passaram por um processo de miniaturização que lhes causou vários problemas. Por isso, é normal que apresentem algumas patologias ao longo da vida. Continue lendo aqui e descubra quais são as doenças comuns que os cães chihuahua apresentam.

Por que o chihuahua pode ficar doente?

Os cães podem contrair qualquer patologia, embora certos aspectos os deixem mais suscetíveis do que o normal. No caso do chihuahua, os principais motivos pelos quais ele pode adoecer são os seguintes:

  • Má higiene física: incentiva fungos, vírus e bactérias a terem maior chance de infectar o cão. Além disso, os cães não podem ser banhados continuamente, por isso pode ser difícil mantê-los limpos.
  • Má higiene do habitat: a sujeira provoca o surgimento de fontes de infecção que ameaçam a saúde do cão.
  • Desnutrição: não é um problema frequente, pois está associada a cães que se alimentam de comida normal e não comercial. Isso ocorre porque é difícil equilibrar os nutrientes na dieta. Consequentemente, o corpo não consegue lidar com as patologias de forma eficiente.
  • Genética: no caso do chihuahua, o processo de transformá-lo em uma raça pequena (miniaturização) causou o surgimento de doenças congênitas. Geralmente são degenerativas e não há cura para nenhuma delas.
  • Estresse: os cães desenvolvem estresse quando algumas de suas necessidades não são totalmente atendidas. A longo prazo, o sistema imunológico fica deprimido e deixa o espécime mais suscetível a doenças. O chihuahua é mais propenso a isso devido à sua natureza nervosa.

Doenças comuns em cães chihuahua não podem ser completamente evitadas. No entanto, com os devidos cuidados, é possível reduzir a probabilidade de que sejam afetados. Lembre-se de que a prevenção é sempre a melhor ferramenta para manter a saúde do seu cão em excelentes condições.

A diferença entre pinscher e chihuahua é muito óbvia.

Doenças comuns em cães chihuahua

As patologias que afetam os cães chihuahua podem ter diferentes origens. Em geral, elas podem ser classificadas em 3 grupos: infecciosas, genéticas e neoplasias. Cada uma possui características particulares e representam um risco diferente para o cão.

As doenças de origem infecciosa são reconhecidamente contagiosas. Isso significa que os cães as transmitem entre si por contato direto ou indireto. Elas podem ser divididas de acordo com o agente que as causa em virais, bacterianas e fúngicas.

As condições genéticas são causadas pelo processo de reprodução seletiva. Existem vários tratamentos usados para reduzir a gravidade dos sintomas, mas não têm uma cura definitiva. O melhor método de diagnóstico é por meio da análise de DNA. No entanto, testes desse tipo não são comuns.

Por outro lado, as neoplasias referem-se ao crescimento anormal de células no corpo. Os sintomas são altamente variáveis e dependem da região que os tumores afetam. As causas dessas condições são incertas, uma vez que existem muitos fatores envolvidos.

Infecções bacterianas

As infecções bacterianas geralmente apresentam pus e inflamação na área afetada, embora esses sintomas também apareçam para outras condições diferentes. Seu tratamento consiste no uso de antibióticos, que devem ser prescritos por um médico veterinário. As doenças infecciosas mais comuns em cães chihuahua são as seguintes:

  • Conjuntivite bacteriana: é uma infecção que afeta a pálpebra e certas partes do olho. Causa inflamação, irritação, lacrimejamento, coceira, manchas e secreções pegajosas.
  • Uveíte: é uma inflamação da úvea (a camada média do olho), que afeta a córnea, o nervo óptico e a retina. Pode ser causada por outra infecção, como a conjuntivite.
  • Leptospirose canina: é causada por bactérias do gênero Leptospira que são transmitidas pela ingestão de água contaminada pela urina de um animal infectado. Os sintomas são leves e incluem febre, gastroenterite, letargia, urina escura e, em casos raros, insuficiência renal aguda.
  • Brucelose canina: infecção causada por Brucella canis, que pode causar aborto ou morte fetal em fêmeas grávidas. Nos machos, causa inflamação dos testículos e esterilidade.
  • Gengivite: os chihuahuas tendem a formar placas tártaro nos dentes facilmente, causando o acúmulo de bactérias e a inflamação das gengivas. Se isso não for corrigido, é provável que o problema piore e cause periodontite.

Infecções virais

Os vírus causam infecções muito semelhantes às infecções bacterianas, apenas um pouco mais contagiosas. Isso porque esses patógenos conseguem sobreviver por mais tempo, aumentando a possibilidade de contágio. No caso dos cães chihuahua, as doenças mais comuns desse tipo são as seguintes:

  • Parvovírus: é uma doença que costuma afetar mais os filhotes do que os adultos. Os principais sintomas são diarreia, febre, vômito e letargia.
  • Cinomose: essa patologia é muito contagiosa e afeta o sistema respiratório do cão. À medida que o quadro piora, também ataca os sistemas digestivo e nervoso, causando sintomas variados e letais.

Os cães que sofrem de uma infecção viral têm prognósticos variados e diferentes, pois isso depende muito de cada caso. No entanto, essas doenças podem ser prevenidas por meio de vacinas. Isso não impede completamente que o animal seja infectado, mas reduz a gravidade dos sintomas.

Infecções fúngicas

Essas doenças são consideradas oportunistas porque afetam o cão apenas se seu sistema imunológico estiver deprimido. Por esse motivo, geralmente aparecem quando há outra condição preexistente que está fazendo mal ao cão. As partes do corpo mais suscetíveis à invasão por fungos são a pele, as unhas e os órgãos reprodutivos, por serem os mais expostos aos esporos.

A condição mais comum em chihuahua é a dermatite causada por Malassezia pachydermatis. Esse patógeno já se encontra na pele do cão naturalmente, mas não cresce porque o sistema imunológico o mantém sob controle. No momento em que as defesas do animal são reduzidas, o fungo começa a se desenvolver, provocando coceira na área afetada.

Doenças genéticas

Existem várias doenças genéticas comuns em cães chihuahua. Segundo artigo da revista científica BMC Veterinary Research, essa raça tem predisposição a contrair pelo menos 21 doenças diferentes. Entre elas, as mais frequentes são as seguintes:

  • Doença valvar degenerativa: provoca alterações na estrutura das válvulas que controlam a passagem do sangue para o coração, causando insuficiência cardíaca.
  • Luxação patelar (patela): deslizamento (luxação) do pequeno osso que estabiliza a articulação do joelho (patela). O chihuahua é mais propenso do que outros cães a ter uma leve malformação óssea que causa essa luxação.
  • Hidrocefalia: aumento da pressão do líquido craniano que pode causar danos graves e letais. Os sintomas mais leves são mudança de comportamento, convulsões, surdez e cegueira, enquanto os graves incluem coma e morte.
  • Úlcera da córnea: é um defeito que causa uma lesão degenerativa na córnea do cão. Geralmente é doloroso e, se não for tratado, leva à perda total da visão.
  • Colapso da traqueia: doença degenerativa que causa fraqueza da cartilagem que mantém a traqueia aberta. Consequentemente, ela começa a se esmagar e a obstruir as vias aéreas. Esse problema geralmente é comum em raças braquiocefálicas.
  • Distocia (fêmeas): assim é conhecida a dificuldade que as fêmeas têm para dar à luz. Isso é causado pelo pequeno tamanho dos ossos das cadelas, produto da miniaturização da raça.
  • Epilepsia: provoca convulsões frequentes sem causa aparente.
  • Retenção dentária: geralmente ocorre quando os dentes demoram para sair ou não saem completamente. É causada pelo formato do crânio do chihuahuas que não permite a movimentação natural dos dentes, o que provoca desalinhamento e favorece o acúmulo de tártaro.
  • Hipoglicemia: se não se alimentarem bem, os cães dessa raça estão propensos a ter níveis de açúcar muito baixos. Os sintomas observados são cansaço, fraqueza e recusa a se movimentar. É importante que o cão não coma muito, pois também é suscetível a desenvolver obesidade.

Neoplasias

Essas condições também são conhecidas como tumores ou cânceres, mas seus aspectos clínicos são totalmente diferentes. Tumores ou neoplasias são crescimentos celulares anormais que podem ser benignos ou malignos. Enquanto o câncer é sempre maligno e tem a capacidade de invadir outros tecidos (metástase), o tumor benigno é autolimitado. Algumas das mais frequentes no chihuahua são as seguintes:

  • Tumores testiculares: crescimento de caroços nos testículos de machos. Geralmente são benignos e com monitoramento adequado não causam muitos problemas ao cão.
  • Melanomas malignos: tumores que crescem na pele, na boca ou entre os dedos. Os chihuahuas têm maior predisposição para apresentá-los nos lábios.
  • Cistos aracnóides: afetam uma das camadas internas do crânio, denominadas aracnóides. Os sintomas mais graves são mudança de comportamento e convulsões. Na maioria dos casos, são assintomáticos.
Um chihuahua tomando comprimido.

Embora as doenças acima sejam as mais comuns em cães chihuahua, elas não são as únicas que podem prejudicar a saúde desses cães. Se você detectar algum sinal de alerta em seu cão, leve-o imediatamente a um veterinário.

Pode interessar a você...
Com que idade um cão chihuahua para de crescer?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Com que idade um cão chihuahua para de crescer?

Saiba tudo sobre o crescimento do chihuahua: até que idade ocorre, seu peso ideal e os sinais que indicam distúrbios de desenvolvimento.



  • Navarrete-Méndez, R., Rodríguez-Huitrón, A., Hernández-Ballesteros, J., Benítez-Meza, A., & Orozco-Benítez, G. (2015). Tumores testiculares en el perro. Abanico veterinario, 5(2), 49-57.
  • de la Cruz Hernández, N. I., Monreal García, A. E., Carvajal de la Fuente, V., Barrón Vargas, C. A., Martínez Burnes, J., Zarate Terán, A., … & Rangel Lucio, J. A. (2017). Frecuencia y caracterización de las principales neoplasias presentes en el perro doméstico en Tamaulipas (México). Revista de Medicina Veterinaria, 1(35), 53-71.
  • Gómez-Duarte, L. (2011). Degenerative valve disease in dogs: update on diagnosis, treatment and prognosis. Revista Colombiana de Ciencias Pecuarias, 24(2), 201-208.
  • O’Neill, D. G., Packer, R. M., Lobb, M., Church, D. B., Brodbelt, D. C., & Pegram, C. (2020). Demography and commonly recorded clinical conditions of Chihuahuas under primary veterinary care in the UK in 2016. BMC veterinary research, 16(1), 1-14.
  • Núñez Bustamante, A. H. (2009). Asociación entre dermatitis atópica canina y Malassezia pachydermatis. (Tesis de grado, Universidad de Chile).
  • Prochazka, M. A. (2016). Estudio seroepidemiológico de la brucelosis canina en el partido de Bahía Blanca (Doctoral dissertation, Universidad Nacional de La Plata).