Doenças que os mosquitos transmitem aos cães

Os mosquitos usam sua saliva como anticoagulante para sugar mais sangue. Os contágios ocorrem durante esse tempo, pois a saliva contém os patógenos que entram no corpo do cão.
Doenças que os mosquitos transmitem aos cães

Última atualização: 12 Dezembro, 2021

Os mosquitos hematófagos são bastante conhecidos e repudiados pela sociedade. Isso porque suas picadas não só causam inflamação, mas também são capazes de transmitir patologias que colocam em risco a vida das pessoas. No entanto, os seres humanos não são os únicos afetados por isso, uma vez que animais de estimação, como os cães, também podem sofrer com essas doenças.

O problema dos cães é a dificuldade no diagnóstico, pois, por não serem capaz de descrever seu desconforto, torna-se complexo conhecer seus sintomas. Por essa razão, os tutores devem ficar atentos a qualquer mudança em seu comportamento ou físico. Continue lendo e descubra quais são as doenças que os mosquitos transmitem aos cães.

Por que os mosquitos transmitem doenças?

O termo mosquito refere-se a diferentes tipos de dípteros que pertencem às famílias Culicidae e Psychodidae. Esses artrópodes voadores geralmente se alimentam de sangue (são hematófagos) e o obtêm picando vários tipos de animais.

A picada envolve o contato entre os fluidos corporais de ambos os organismos. Portanto, é um meio muito útil para a proliferação de patógenos. Um grande número de parasitas se aproveita dessa situação e usa os mosquitos como meio de transporte (vetores) para chegar ao hospedeiro definitivo.

Um cachorro no verão com mosquitos

Doenças dos cães causadas por mosquitos

É normal pensar que os mosquitos se alimentam apenas de sangue humano. No entanto, muitos desses organismos podem picar diferentes tipos de mamíferos. Apesar disso, eles tendem a preferir peles sem pelos e fácil de perfurar (como a dos humanos).

Isso significa que os mosquitos não costumam picar os cães, mas podem fazer isso se necessário. Portanto, o animal também se torna suscetível a ser infectado por algumas doenças transmitidas por esses invertebrados. As patologias mais comuns em cães derivadas de picadas são descritas a seguir.

Leishmaniose canina

A leishmaniose é uma doença causada por diferentes protozoários do gênero Leishmania. Essa patologia é considerada uma emergência médica grave, uma vez que os caninos têm muitas restrições para o diagnóstico e o tratamento. Na verdade, em cidades onde o patógeno é muito abundante, às vezes é decidido sacrificar animais de estimação se eles estiverem infectados.

A infecção começa com a picada de mosquitos flebotomíneos, que pertencem aos gêneros Lutzomyia ou Phlebotomus. Graças a ela, o parasita entra no sangue do animal e começa a se multiplicar dentro das células. Nesse momento, a infecção invade o corpo do cão e migra para os diversos órgãos do corpo. A patologia costuma se manifestar com vários sintomas e quadros clínicos.

Os cães podem apresentar 2 variantes principais da leishmaniose: cutânea e visceral. A primeira causa ferimentos leves ao longo da pele do animal com alguns nódulos ou inflamação. A segunda, além das lesões cutâneas, também causa febre, emagrecimento, insuficiência renal, alopecia, lesões oculares e atrofia muscular.

Riscos de leishmaniose canina

A leishmaniose não é uma doença curável, pois o tratamento apenas ajuda a controlar o parasita. Portanto, o objetivo dos medicamentos é reduzir o número de patógenos no corpo, restaurar a capacidade do sistema imunológico, tratar os danos à pele e melhorar a qualidade de vida. No entanto, as recaídas são constantes e o protozoário frequentemente desenvolve resistência aos medicamentos.

Essa patologia é bastante perigosa para os caninos se não for detectada a tempo. O problema dessa situação é que em alguns países o principal medicamento para controlar a infecção não é distribuído comercialmente. Consequentemente, o prognóstico do animal de estimação geralmente não é positivo em regiões de baixa renda ou com infraestrutura veterinária deficiente.

Os humanos também podem pegar leishmaniose, mas não diretamente através dos cães. Isso significa que apenas os mosquitos podem transmitir a doença. No entanto, os tutores não estão isentos de perigo, pois se o animal estiver infectado, é maior a probabilidade de que flebotomíneos com o parasita sejam abundantes em seu ambiente.

Filariose ou dirofilariose

Essa doença é causada pelo nematoide Dirofilaria immitis. Trata-se de um patógeno que se mobiliza através de mosquitos da família Culicidae, os quais se distribuem em quase todos os continentes. Portanto, tornou-se uma importante patologia na medicina veterinária.

A filariose é contraída pela picada do vetor, permitindo a entrada do nematoide na corrente sanguínea do cão. Após 2 a 4 meses, o parasita é transportado até o coração para finalizar sua maturação e iniciar a infestação. Durante esse tempo, o músculo cardíaco começa a ser danificado e aparecem os sintomas mais graves da doença.

As complicações dessa patologia são diversas e dependem da gravidade do caso. Da mesma forma, os parasitas podem migrar para outros órgãos, o que causa quadros clínicos diferentes entre cada paciente. Apesar disso, os sinais de alerta mais frequentes são os seguintes:

  • Tosse seca após o exercício.
  • Dispneia (falta de ar).
  • Intolerância ao exercício (recusa de movimento).
  • Perda de peso.
  • Letargia
  • Apatia.
  • Desconforto abdominal (inflamação).

Riscos da filariose

O risco da doença está no tempo de incubação, pois se a infestação piorar, os danos aos órgãos do cão podem ser fatais. O veterinário responsável pelo paciente fará os exames necessários para identificar o nível de risco do cão. Dependendo dos resultados, o tratamento pode consistir em medicamentos ou cirurgias.

É importante lembrar que o nematoide se aloja no músculo cardíaco, então há uma grande probabilidade de o cão sofrer de uma obstrução cardíaca. Consequentemente, a intervenção veterinária deve ser rápida para evitar um desfecho fatal. O tratamento ajuda a eliminar todos os parasitas do corpo, mas danos aos órgãos podem deixar sequelas que devem continuar a ser controladas.

Recomendações para evitar doenças causadas por mosquitos em cães

As patologias acima tendem a ter uma baixa incidência na população canina, o que não significa que todos os cães estejam isentos de apresentá-las. Portanto, é melhor tomar certas medidas que ajudem a prevenir as picadas de mosquitos em todos os casos. Aqui estão algumas recomendações principais:

  1. Impedir que o cão durma ao ar livre: o objetivo é que os cães tenham menor probabilidade de serem picados por mosquitos a qualquer hora do dia, mas principalmente à noite. Os invertebrados são mais ativos à noite.
  2. Aplique repelentes de mosquitos: tanto no cão como nas áreas onde ele passa a maior parte do tempo. Para isso, existem várias marcas comerciais de coleiras antiparasitárias que auxiliam o animal de estimação.
  3. Vacine seu cão: vacinas para filariose e leishmaniose já estão disponíveis em alguns países. Ambas são doenças recorrentes, por isso é necessário aplicá-las de vez em quando no cão.
  4. Uma excelente qualidade de vida: dieta, exercícios e visitas ao veterinário são necessários para evitar que o seu animal de estimação tenha problemas de saúde. Um cão com bom estado imunológico tem mais chance de resistir à ação de várias patologias.
  5. Evite o acúmulo de água parada: os dípteros usam corpos d’água em seu ciclo de vida. Portanto, é melhor evitar que se formem e limpar qualquer acúmulo de água perto de casa.
  6. Cuidado com a umidade e o calor: os mosquitos se reproduzem mais em ambientes quentes e temperados, por isso é melhor reforçar as medidas de prevenção durante o verão.
Quais doenças os mosquitos transmitem aos cães?

Geralmente não é fácil evitar o contágio em animais de estimação. Na verdade, mesmo algumas vacinas não são 100% eficazes contra parasitas. Por isso, preste muita atenção à saúde e ao comportamento do seu animal, pois qualquer mudança pode significar que algo está errado. Dê ao seu cão a atenção que ele merece e não economize nas despesas.

Pode interessar a você...
Por que os mosquitos picam algumas pessoas e outras não?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Por que os mosquitos picam algumas pessoas e outras não?

Existem certos fatos que ajudam a entender por que os mosquitos picam algumas pessoas e não outras. Não deixe de conferir aqui!



  • Rodríguez, P. R., García, E., Santos, M. C., Burgos, B. P., Valladolid, G. O., Ruiz, P. H., & Ponce-Covarrubias, J. (2019). Prevalencia de Dirofilaria immitis en caninos domésticos de dos municipios del trópico de Guerrero, México. Abanico veterinario, 9(1), 15.
  • Carretón Gomez, E., Montoya Alonso, J. A., Falcón Cordón, Y., Falcón Cordón, S., Diosdado, A., Gómez, P. J., … & Morchon Garcia, R. (2017). Sintomatología, diagnóstico, tratamiento y control de la dirofilariosis cardiopulmonar. Argos (Zaragoza).
  • Acero P, V., Ángel B, P., Fonseca B, E., Ferrer, L., & Roura, X. (2015). Canine Leishmaniosis: tools for diagnosis in veterinary practice in Colombia. Revista MVZ Córdoba, 20(3), 4822-4842.
  • Castrejón, O. V., Sánchez, B. R., Saldaña, A. M., & Hobart, O. (2009). Leihmaniasis cutánea de perros en México. Enfermedades Infecciosas y Microbiología, 29(4), 135-140.
  • Iniesta-Romero, M. G., Guzmán, L. F. D. J., Pérez-Enriquez, J. M., Castañeda-Corral, J. J., Mendez-Bernal, A., & Vazquez-Briones, D. B. (2019). Leishmaniasis canina: diagnóstico y manejo terapéutico. Clínica veterinaria: abordaje diagnóstico y terapéutico, 5.
  • Sánchez Klinge, M. E., Calvo Robayo, P., & Mutis Barreto, C. A. (2011). Dirofilaria immitis: a zoonoses present on a global level. Revista de Medicina Veterinaria, (22), 57-68.