Escaravelho-vermelho em palmeiras: características e controle

Vários países classificam o escaravelho-vermelho das palmeiras como uma das pragas mais perigosas para as plantações. Portanto, é crucial conhecer essa espécie em profundidade.
Escaravelho-vermelho em palmeiras: características e controle
Cesar Paul Gonzalez Gonzalez

Escrito e verificado por o biólogo Cesar Paul Gonzalez Gonzalez.

Última atualização: 09 maio, 2024

O escaravelho-vermelho é um inseto conhecido por infectar palmeiras economicamente importantes. Por esse motivo, é considerado uma praga de risco para determinadas culturas. Apesar de seu tamanho, é um parasita voraz capaz de enfraquecer seu hospedeiro e se espalhar rapidamente. De fato, essa praga conseguiu chegar a outros países onde não se distribuía naturalmente.

O nome científico dessa espécie é Rhynchophorus ferrugineus. Pertence a uma família de insetos fitófagos, conhecida por conter espécies-praga como: a broca-da-bananeira (Cosmopolites sordidus), o coleóptero Curculio nucum e broca-do-café (Hypothenemus hampei). Saiba mais sobre esse inseto e como ele afeta as plantas no artigo a seguir.

Por que o escaravelho-vermelho é tão “perigoso”?

O escaravelho é um inseto que se alimenta de diversas plantas, principalmente da família das palmeiras (Arecaceae). Embora pareça inofensiva, essa praga se caracteriza por penetrar nas hastes de seu hospedeiro (planta) e se alimentar de seu interior. Isso faz com que a planta enfraqueça progressivamente.

De acordo com a ficha técnica do Serviço Nacional de Saúde, Segurança e Qualidade Agroalimentar, o maior problema enfrentado por esse besouro é a difícil detecção da sua presença. Ele desenvolve quase todo o seu ciclo de vida dentro de seu hospedeiro e só sai quando adulto. Além disso, durante os primeiros dias de infecção, as plantas não apresentam sintomas ou efeitos óbvios.

A maioria dos casos é detectada quando a infestação se torna grave.

Nesse ponto, o desenvolvimento e a reprodução do gorgulho já avançaram tanto que podem ter infectado palmeiras próximas. Além disso, danos internos aos hospedeiros atuais tendem a ser irreversíveis, tornando quase impossível salvá-los.

Besouro gorgulho vermelho sobre um fundo verde.
O escaravelho-vermelho tem asas que o ajudam a se dispersar facilmente em seu ambiente. Crédito: Luigi Barraco/Wikimedia Commons.

Espécie que infecta

Segundo o manual Manejo del picudo: Rhynchophorus palmarum L., (Manejo do escaravelho-vermelho: Rhynchophorus palmarum L.) publicado pela Produmedios, essa espécie não se alimenta apenas de palmeiras, mas de 31 espécies de plantas pertencentes a 12 famílias diferentes. Entre as mais importantes estão os seguintes:

  • Coco-de-espinho (Acromia aculeata)
  • Coqueiro (Cocos nucifera)
  • Dendezeiro (Elaeis guineensis)
  • Pupunheira (Bactris gasipae)
  • Buriti (Mauritia flexuosa)
  • Tamareira (Phoenix dactylifera)
  • Palmeira-imperial (Roystonea oleracea)
  • Mamoeiro (Carica papaya)
  • Cana-de-açúcar (Saccharum officinarum)
  • Banana-da-terra (Musa x paradisiaca),
  • Abacaxi (Ananas comosus)
  • Cacaueiro (Theobroma cacao)
  • Mangueira (Mangifera indica)
  • Abacateiro (Persea americana)

Embora o gorgulho-vermelho possa se alimentar de diversas plantas, apenas em palmeiras e cana-de-açúcar ele age como parasita. Nos casos restantes, ele se alimenta ocasionalmente dos frutos maduros, não causando efeitos significativos na produção.

Como é o Rhynchophorus ferrugineus?

O escaravelho-vermelho é um grande besouro medindo entre 2 e 5 centímetros de comprimento. O seu corpo é oval e se caracteriza por apresentar um “chifre” que se estende desde o centro da cabeça. Este, por sua vez, é dimórfico e nos machos também apresenta várias cerdas (pelos) que o fazem parecer uma escova, enquanto nas fêmeas é liso (sem cerdas).

Como o próprio nome indica, esse besouro apresenta uma coloração marrom-avermelhada, com ou sem manchas pretas em todo o corpo.

No entanto, de acordo com o manual técnico de  Control integrado del picudo rojo de las palmeras Rhynchophorus ferrugineus (Controle integrado do escaravelho-vermelho Rhynchophorus ferrugineus), essa coloração pode se tornar mais opaca ou mais clara, dependendo da população em questão.

Quanto à sua morfologia, segue o mesmo padrão dos outros besouros. De acordo com uma publicação na IDE@ Magazine, esse grupo de insetos possui três regiões diferentes:

  • Cabeça: parte apical do corpo, contém as antenas (em forma de clava), os olhos e o aparelho oral.
  • Tórax: é uma seção do corpo parcialmente coberta pelas “asas” (eltra) do espécime e à qual estão ligados todos os apêndices, tanto as pernas como as “asas”.
  • Abdômen: parte posterior do corpo. É a região mais longa e notável, que não possui apêndices e é responsável por proteger a maior parte dos órgãos, inclusive os reprodutivos.

Aparecimento das larvas e pupas

O escaravelho-vermelho é um organismo holometábolo que passa por diferentes estágios (fases) antes de atingir a idade adulta. Isso significa que ele sofre uma metamorfose completa e, portanto, durante uma infestação, nem sempre é possível vê-lo na forma descrita na seção anterior. O aparecimento dessas fases “pré-adultas” é detalhado a seguir:

Larva

A larva é em forma de verme (vermiforme) e de cor branca, mas torna-se amarelada à medida que cresce. É ápode (sem pernas), possui 13 segmentos (divisões) e uma cabeça dura vermelha ou marrom na ponta do corpo.

Conforme mencionado em uma publicação da revista Agrària, Comunitat Valenciana, essa fase dura um tempo variável (entre 70 e 200 dias) e atinge 5 centímetros de comprimento.

Larva de besouro gorgulho vermelho sobre fundo verde.
As larvas são a fase em que está presente por mais tempo. Crédito: Luigi Barraco/Wikimedia Commons.

Pupa

A pupa é uma etapa que consiste no envoltório do corpo principal com fibras do interior da palmeira. Como resultado, forma-se um “casulo” que abriga a larva enquanto ela sofre a reestruturação de todo o seu corpo (metamorfose).

Conforme mencionado no Dossier informativo sobre el Picudo Rojo del Gobierno de Canarias (Dossiê Informativo sobre o Gorgulho-Vermelho do Governo das Canárias), essa fase é a última antes da idade adulta e dura em média entre 15 e 30 dias.

Onde o escaravelho-vermelho pode ser encontrado?

Embora ainda não haja certeza absoluta sobre sua origem, vários especialistas sugerem que o escaravelho-vermelho seja originário do continente asiático. De acordo com o livro Handbook of Major Palm Pests: Biology and Management, alguns estudos genéticos da espécie sugerem que ela é originária da região indo-malaia.

Independente de sua origem, a presença desse besouro já foi relatada em diversos países e ilhas da Europa, África, América, Oceania e Ásia. Em primeiro lugar, isso se deve à exportação de palmeiras infectadas, que disseminam o besouro e permitem a colonização de lavouras.

A única coisa que o escaravelho-vermelho precisa para sobreviver é um clima temperado e a presença de seus hospedeiros (palmeiras). No entanto, de acordo com um artigo publicado na revista Phytoma España, esses insetos podem suportar uma variação de temperatura entre 15 e 38 °C.

Sintomas de infecção em palmeiras

Embora a infecção pelo escaravelho-vermelho não seja muito óbvia, existem vários sintomas que podem sugerir a presença desse inseto. Claro, é necessário fazer uma inspeção minuciosa da palmeira e ficar atento aos seguintes sinais:

  • Feridas em folhas novas.
  • Deslocamento de folhas jovens e maduras (perda de simetria nas folhas).
  • Danos na base das palmeiras.
  • Presença de serragem.
  • Presença de larvas ou besouros adultos.

Deve-se notar que esses sintomas não são gerais e variam dependendo da espécie de palmeira afetada. No entanto, é sempre bom estar atento a qualquer anomalia na planta para proceder à erradicação do problema.

Estratégias de controle

O manejo e a erradicação do escaravelho-vermelho pode ser realizado com uma das três principais estratégias, que são mencionadas a seguir:

Controle cultural (práticas agrícolas comuns)

No caso das palmeiras, a poda provoca a liberação de feromônios que atraem o besouro. Portanto, é aconselhável evitar podas intensas e selar os cortes com óleo mineral.

Controle biológico

Existem vários tipos de nematóides e bactérias que atuam como agentes de controle atacando larvas de besouros. No entanto, como menciona um artigo publicado na revista Insects, esse método depende de vários fatores para ser bem-sucedido.

Portanto, a eficácia de campo dos controladores biológicos ainda é bastante limitada.

Controle químico

Consiste na injeção de inseticidas diretamente no tronco das palmeiras. A eficácia dos produtos químicos varia em cada caso, já que alguns são focados em destruir uma fase específica da vida do besouro (larva, adulto ou ovos).

Além disso, de acordo com um artigo do International Journal of Agriculture and Biology, o besouro demonstrou desenvolver resistência a vários inseticidas.

O que fazer em caso de infestação?

A principal recomendação antes da infestação do gorgulho vermelho em palmeiras é pedir ajuda a profissionais. O manejo de pragas não é complexo, mas é preciso ser diligente, constante e agir no momento certo. Da mesma forma, a população desse besouro pode gerar resistência se os seguintes inseticidas forem mal utilizados:

  • Carbaril.
  • Fipronil.
  • Imidacloprid.

Os profissionais costumam combinar mais de uma estratégia para erradicar os besouros dentro da palmeira. Depois disso, o espécime infectado é removido, triturado e queimado para reduzir a possibilidade de contágio para o restante das lavouras.

Vale ressaltar que vários países possuem alertas fitossanitários específicos para quando o escaravelho-vermelho é detectado em lavouras. Se você confirmar a presença deles, entre em contato com as autoridades de saúde correspondentes em sua comunidade.

O impacto do escaravelho-vermelho

Como se pôde notar, o escaravelho-vermelho é uma espécie perigosa para as plantações de palmeiras. Mesmo se detectado precocemente, as perdas podem chegar facilmente a mais de um quarto de todas as safras. Portanto, você deve estar atento a qualquer sinal de infestação e contatar um profissional especialista em pragas para erradicá-lo.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.



Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.