Febre Q: uma possível arma biológica

A Febre Q se juntou ao conjunto de doenças que devem ser monitoradas na pecuária em todo o planeta.
Febre Q: uma possível arma biológica

Última atualização: 24 Fevereiro, 2021

A Febre Q é uma doença causada por Coxiella burnetti, uma bactéria parasita intracelular. Essa patologia afeta todos os tipos de mamíferos domésticos e silvestres, mas seus principais reservatórios são da espécie bovina, ovina e caprina. Por esse motivo, a bactéria está bem espalhada pelo mundo todo, com maior prevalência em áreas de pecuária.

O problema dessa patologia reside no fato de ser uma zoonose grave que pode afetar humanos. Na verdade, em algumas regiões, é considerada uma doença ocupacional para quem trabalha com animais que podem ser portadores.

Visão geral da doença conhecida como Febre Q

Embora a infecção de mamíferos seja uma preocupação no âmbito doméstico, eles não são os únicos animais que podem ser portadores. Vários tipos de pássaros, répteis e até artrópodes podem abrigar a bactéria e transmiti-la. Claro, a gravidade aparece quando ocorre o salto de espécie e são os seres humanos que adoecem.

A verdade é que os animais raramente apresentam sintomas e, pelo menos, a maioria dos sinais clínicos não é grave. Os ruminantes domésticos apresentam, quando muito, uma doença leve. Durante esse período, ocorrem abortos e mortes pré-natais de filhotes ainda no útero. 

Uma ovelha feliz com um bebê.

Como a Q Fever se espalha?

A Coxiella burnetii é excretada no leite, na urina e nas fezes regularmente, mas as concentrações mais altas são encontradas nos restos abortivos das fêmeas infectadas. É aqui que a transmissão é mais provável, quando um indivíduo suscetível entra em contato com a placenta ou o líquido amniótico .

Além disso, essa bactéria se mostra muito resistente às condições ambientais. Assim que o meio está contaminado, ele assume a forma de um esporo, que se caracterizam por serem formas habituais de resistência dos microrganismos às adversidades do meio ambiente. Nesse formato, eles se misturam à poeira e são transportados pelo vento.

A Coxiella burnetti em sua forma esporulada é tão infecciosa que a inalação de um único espécime pode causar a doença em humanos.

Outras formas de transmissão da doença

Existe outra modalidade de propagação, talvez mais comum no ciclo selvagem da doença, ou seja, com a intervenção de roedores silvestres e lagomorfos como reservatórios, em vez do gado doméstico. É uma transmissão vetorial, por meio de carrapatos.

Por último, uma vez que a bactéria também é eliminada no leite, os humanos podem se infectar ao consumir laticínios mal pasteurizados. Portanto, não é apenas a via inalatória que está envolvida no aparecimento dessa zoonose. Assim, devem ser tomadas precauções extremas contra todas as vias possíveis de contágio.

Um problema emergente para a saúde pública global

As autoridades sanitárias da Organização Mundial da Saúde Animal há muito nos alertam sobre a importância dessa zoonose. Na verdade, a própria Organização inclui a Febre Q em sua Lista Única de Doenças de Notificação Obrigatória.

Isso porque se trata de uma patologia de tão alta infecciosidade que ameaça todos os profissionais que trabalham com animais. Veterinários, trabalhadores de laboratórios e matadouros, criadores e até mesmo caçadores podem ser expostos à infecção durante suas horas de trabalho.

A Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA) também alerta para o risco de transmissão através do consumo de alimentos contaminados. Até a data, publicou várias recomendações sobre as particularidades da Febre Q que mostram o seu impacto na saúde animal e na saúde pública.

Ambas as instituições recomendam uma combinação de medidas para o controle dessa doença. Por um lado, o estudo dos fatores de risco para manter a propagação sob controle. De outro, a vacinação preventiva dos animais portadores. Esta última foi a medida que se mostrou mais eficaz.

A Febre Q como uma arma biológica potencial

Os especialistas acreditam que a Coxiella burnetti pode ser usada como uma arma biológica devido a vários fatores:

  • Seu alto potencial infeccioso.
  • Sua grande resistência em um ambiente desfavorável.
  • A possibilidade de propagação eólica, pois pode ser transportada pelo vento para regiões distantes do foco primário.

Na Alemanha, por exemplo, o aparecimento de uma ovelha infectada em uma exposição pecuária desencadeou um surto que afetou 300 pessoas em 2003.

Felizmente, a forma grave da doença – que costuma ser fatal – é diagnosticada em uma baixa porcentagem dos casos humanos . As pessoas mais vulneráveis parecem ser aquelas que têm distúrbios do sistema imunológico ou problemas cardíacos graves.

A vacina da febre Q.

Como você pode evitar que essa doença se torne um grave problema de saúde global?

Como qualquer outra zoonose, o ponto-chave para evitar que a Febre Q se torne uma emergência para a saúde humana é clara: devem ser tomadas ações no reino animal. O método mais eficaz de controle já provou ser a vacinação de animais com probabilidade de serem transmissores.

Por isso, são realizadas campanhas de vacinação em vacas, ovelhas e cabras em regiões onde a infecção é muito comum. Caso não tenha sido possível evitar a infecção e ela já esteja presente no gado, existem outros métodos que podem reduzir o risco.

Por exemplo, medidas de higiene aplicadas durante o parto e o puerpério das fêmeas das criações reduzem a capacidade infecciosa da bactéria. Qualquer coisa que elimine as secreções vaginais, bem como a desinfecção do local do parto, dificultará a propagação da doença.

Pode interessar a você...

O que são as zoonoses?
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
O que são as zoonoses?

As zoonoses são doenças comuns e transmissíveis entre animais e humanos. Leia mais e saiba como se prevenir.