Garça-pequena: habitat e características

Entre as massas de caniços de uma infinidade de corpos d'água, uma diversa avifauna oculta se esconde e a garça-pequena é um de seus membros de maior destaque. Você quer saber mais?
Garça-pequena: habitat e características

Última atualização: 19 Junho, 2021

Perto dos corpos d’água do Velho Mundo, submersa em meio à vegetação pantanosa, é possível encontrar uma garça minúscula e misteriosa: a garça-pequena, de nome científico Ixobrychus minutus.

Apesar de sua distribuição extraordinariamente ampla e de suas cores elegantes, essa ave muitas vezes passa despercebida devido aos seus hábitos discretos. Com um pouco de paciência, a garça-pequena pode ser avistado na Espanha, por exemplo, entre os meses de Abril e Setembro, perto das bacias hidrográficas mais proeminentes. Se você quiser saber mais sobre essa curiosa espécie, que conta com 3 subespécies diferentes, continue lendo.

Habitat e distribuição da garça-pequena

A garça-pequena tem uma vasta distribuição, abrangendo a maior parte da Europa, a Ásia Ocidental e quase toda a África Subsaariana. Algumas populações também aparecem nas coisas mediterrâneas da África.

Algumas de suas populações fazem longas viagens migratórias, enquanto outras são sedentárias. Os espécimes dessa espécie que vivem na Eurásia viajam para o hemisfério norte no verão a fim de se reproduzir. Terminada a estação reprodutiva, essas aves voltam para a África, onde passam o inverno.

Em contrapartida, as populações africanas são residentes. Elas não migram e passam o ano todo nos mesmos territórios.

Essas garças habitam todos os tipos de áreas úmidas, de preferência formadas por água doce. Elas podem ser encontradas em rios, lagoas, marismas, reservatórios, cascalheiras renaturalizadas, plantações de arroz, etc. Essas aves ocupam tais espaços principalmente quando apresentam abundante vegetação pantanosa, como caniços ou taboas. Elas também se beneficiam da presença de árvores decíduas próximas, como salgueiros (Salix) ou amieiros (Alnus).

 

O rosto de uma garça-pequena.

Características da garça-pequena

A garça-pequena é a menor garça da Europa. Com cerca de 33 a 38 centímetros de comprimento e 49 a 88 centímetros de envergadura, é realmente pequena para uma ave da família Ardeidae.

Além de seu pequeno tamanho, sua aparência é muito representativa. Seu pescoço é mais curto e mais grosso do que o de outras garças. Geralmente, fica recolhido para que a cabeça descanse perto dos ombros. No entanto, pode ser esticado até o comprimento aproximado do resto do corpo.

A cabeça é grande, estreita lateralmente e apresenta um bico forte, longo e pontiagudo. As patas são curtas e largas, e terminam em grandes ‘mãos’. O corpo é pequeno e compacto.

Em relação à plumagem, existem 3 tipos de coloração nos exemplares, dependendo do sexo e da idade. Os machos adultos são os que mais chamam atenção. Sua plumagem é preta no dorso, na parte superior da cabeça e nas asas, que possuem uma faixa branca. As bordas da cabeça são cinza claro e as penas ventrais são de cor creme.

As fêmeas têm uma coloração parecida, porém menos definida. Os tons são menos vivos e menos contrastados. Em geral, elas são mais castanhas e têm mais listras. Por outro lado, a plumagem dos espécimes jovens pode lembrar a das fêmeas, mas é ainda mais opaca, mais castanha e mais listrada.

Comportamento, alimentação e reprodução

Essa ave tem atividade crepuscular, embora também possa ser vista durante o dia. Vive escondida entre o caniço, o que dificulta relativamente sua observação. Com os seus longos dedos, agarra-se e desliza pela vegetação pantanosa. Também pode andar e correr no chão.

Sua dieta consiste em pequenos vertebrados encontrados nesses habitats semiaquáticos, como peixes, anfíbios, répteis e outras aves. Inclui também um grande número de invertebrados, entre os quais se encontram crustáceos, aracnídeos, moluscos e insetos variados (adultos e larvas de grilos, gafanhotos, besouros e outros).

A garça-pequena costuma ser solitária, embora também possa ser encontrada em pares ou pequenos grupos. Na estação reprodutiva, os espécimes adultos constroem ninhos com galhos e caniços. Os ninhos ficam escondidos em massas de vegetação pantanosa ou em árvores e arbustos, acima da superfície da água.

Ameaças e estado de conservação

O estado de conservação desse animal ainda é bastante desconhecido. No momento, sua área de distribuição é muito extensa e sua população continua numerosa. Portanto, é considerado ‘pouco preocupante’ pela União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN).

Apesar disso, e embora a informação disponível seja limitada, parece que as populações de Ixobrychus minutus estão em declínio. No momento, essa diminuição não é muito acelerada, então a espécie não corre perigo imediato.

As causas desse declínio não estão totalmente elucidadas. Alguns responsáveis podem ser a destruição, a poluição e o ressecamento cada vez mais severo dos pântanos de que esse animal precisa para viver.

Por outro lado, a desertificação das áreas de invernada na África pode ser especialmente relevante no declínio das populações europeias. Outra possível ameaça é a mudança nos usos da água. Como você pode ver, todas essas ameaças são uma causa ou consequência direta da atividade humana.

 

Uma garça-pequena em vegetação úmida.

A garça-pequena é uma garça muito curiosa, bem diferente de seus parentes maiores. Felizmente, ainda é abundante, mas isso pode mudar à medida que as zonas úmidas do planeta continuem a ser degradadas. Se ainda quisermos contar com a presença dessas aves no futuro, devemos proteger esses ecossistemas tão valiosos e maltratados.

Pode interessar a você...
Habitat e características da garça-da-mata
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Habitat e características da garça-da-mata

A garça-da-mata é uma ave única que habita as florestas baixas e pantanosas da América Central e do norte da América do Sul.