Os golfinhos sentem empatia?

Esses seres maravilhosos nos surpreendem a cada nova descoberta que fazemos sobre eles. O estudo sobre a empatia nesses mamíferos está apenas começando, mas os resultados já são incríveis.

Última atualização: 25 Janeiro, 2021

Na cultura popular, existem inúmeras histórias sobre golfinhos salvando náufragos, pescando e vindo para a costa em busca de companhia humana. Tudo isso levanta uma questão lógica: nós realmente significamos algo para eles? O fato de esses animais salvarem alguém que está se afogando na água significa que os golfinhos sentem empatia?

A empatia é um processo mental complexo que requer um alto desenvolvimento cognitivo – evolutivamente falando – e uma mente social. Os golfinhos, apesar de atenderem a esses requisitos, têm a reputação de não serem tão amigáveis ​​quanto os zoológicos nos fazem acreditar. Se você tiver interesse em desvendar essa questão, continue lendo.

Empatia e teoria da mente

Podemos definir a empatia como a capacidade cognitiva de um indivíduo para compreender e participar dos sentimentos do outro. Você já bocejou? Talvez um amigo tenha dito para você “Não chore, se não também vou chorar”. Tudo isso é empatia: sentir o que o outro está sentindo.

A empatia surge como um processo adaptativo nas espécies sociais, visto que é um dos mais sofisticados mecanismos de coexistência entre os indivíduos. Sem ele, a coesão do grupo é impossível de alcançar. Além disso, os requisitos para a empatia também incluem a autoconsciência e que seja generalizável para os outros membros da associação.

Essa projeção de autoconsciência é conhecida como teoria da menteUm bom exemplo seria colocar uma canção específica para um amigo que está passando por momentos difíceis porque nos lembramos que ela nos ajudou a melhorar nosso ânimo: estamos assumindo que o mesmo processo que ocorreu na nossa mente ocorrerá na mente dele.

Os golfinhos e a teoria da mente

Os golfinhos mais do que demonstraram sua capacidade de se reconhecer no espelho, de ter um sistema social complexo e uma comunicação altamente sofisticada. Mas e quanto à teoria da mente? Os golfinhos atribuem seus estados mentais a outras pessoas?

A resposta é sim. Em 2010, Uwano e seu grupo de pesquisadores demonstraram isso em um experimento no qual os golfinhos, treinados para seguir uma série de comandos por meio de gestos, estavam mais inclinados a responder à direção do olhar do tratador do que ao próprio gesto.

Em outras palavras, os golfinhos prestaram mais atenção ao que acreditavam que seu tratador queria do que à própria ordem. Diante de tudo isso, é possível dizer que os golfinhos sentem empatia? A resposta é sim. Veja a seguir como esse fato foi comprovado.

Os golfinhos sentem empatia e agem de acordo

A empatia é um processo já demonstrado nas mais diversas espécies não humanas, de pequenos ratos a elefantes, mas não há escolha a não ser estudá-la através de observações indiretas, ou seja, a partir de suas consequências. Como mostrar empatia? A resposta é muito simples: por meio de comportamentos de ajuda.

Antes de realizar qualquer experimento, já haviam sido levantadas várias suspeitas de que os golfinhos têm empatia. Mostraremos algumas evidências bastante claras disso:

  • Mergulhar em áreas onde existem golfinhos é relativamente perigoso, mas não porque eles podem atacar: os golfinhos sabem que os humanos não respiram embaixo d’água e tentam salvar os mergulhadores pensando que estão se afogando. A mudança repentina na pressão por vir à superfície muito rapidamente pode causar danos ao corpo.
  • Os golfinhos defendem outras espécies de tubarões: esses peixes grandes são inimigos naturais dos golfinhos e há várias histórias que contam como eles defendem os nadadores dos ataques de tubarões ou agem como isca para mantê-los longe dos grupos de baleias.
  • Os golfinhos ajudam sua espécie: quando um golfinho do grupo está muito fraco ou ferido, os outros membros do grupo nadam ao redor dele para protegê-lo e ajudá-lo a subir à superfície para que possa respirar.

Mais alguns dados…

Por outro lado, em ambientes controlados e condições experimentais, os seguintes marcos em relação à empatia foram descobertos nesses animais:

  • A enorme complexidade de seu sistema social é o terreno fértil para a empatia: os grandes cérebros dos golfinhos e sua longa infância criam condições perfeitas para desenvolver um senso de coesão de grupo e como agir de acordo.
  • A relação entre mãe e filho é fundamental para o desenvolvimento da empatia nos golfinhos: as mães ensinam os filhos a se comportarem no grupo por meio de seus comportamentos, mas também com suas próprias palavras, visto que eles se comunicam com assobios e conversam uns com os outros.
  • Sua capacidade de imitar comportamentos faz parte do desenvolvimento da empatia: em estudos comparativos de psicologia, observou-se que o golfinho bebê desenvolveu empatia pelos outros membros do grupo, imitando os comportamentos da mãe.

Para concluir, citaremos o famoso antropólogo e ecologista Loren Eiseley. Ele falou em “acabar com a longa solidão”, momento em que a espécie humana se livraria, depois de milhares de anos, do sentimento de isolamento que vem com a crença de que somos os únicos seres inteligentes que existem. E você, o que acha?

Pode interessar a você...
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
O que um cachorro sente quando olha para você?

Quando um cachorro olha no seu rosto, ele pode estar tentando entender seus sentimentos, para poder reagir a eles de acordo.