Incrível: um golfinho preso na praia é salvo por uma cadela

Com o tempo, os cãezinhos resgataram todos os tipos de seres vivos. Conheça uma nova história heroica.
Incrível: um golfinho preso na praia é salvo por uma cadela

Última atualização: 16 Setembro, 2021

Ao longo de cada ano, um grande número de golfinhos saudáveis pode ficar preso na praia. Isso ocorre devido a fatores como intensidade da maré, ventos fortes ou poluição sonora que gera desorientação.

Essa situação angustiante também ocorre quando os golfinhos desenvolvem uma doença ou apresentam uma ferida em alguma parte do corpo.

Porém, muitos desses seres conseguem ser encontrados com o tempo, e é possível que eles retornem ao seu habitat para continuar vivendo. Neste artigo contamos a vocês outro caso em que uma cadela se tornou uma heroína ao salvar a vida de um pequeno golfinho.

O resgate de Leia, a cadela salva-vidas

Os eventos ocorreram em uma das praias do País de Gales, no Reino Unido. No começo tudo estava normal. Leia, a cadela, tinha chegado ao setor costeiro com seu tutor para desfrutar de uma tarde refrescante no meio da água e da areia.

O homem estava fotografando a paisagem maravilhosa à sua frente, e Leia estava dando uma volta por toda a área para ver com o que ela poderia brincar. Porém, seu olfato acabou levando-a ao local onde um filhote de golfinho estava encalhado.

Naquele momento, a cadela cocker spaniel começou a latir continuamente até alertar seu tutor de que algo estranho estava acontecendo. Foi assim que o homem decidiu ir ver o que seu animal de estimação queria mostrar a ele.

“Eu ouvi Leia latir lá embaixo na praia e sabia que ela tinha encontrado algo”, afirmou o tutor da cadela. Então, naquele instante, ambos perceberam o problema do golfinho e iniciaram o resgate.

Cachorro no mar.



O homem rapidamente pegou o golfinho e com cuidado o levou a uma área aquática onde ele poderia nadar sem problemas. No entanto, nem tudo acabou aí porque junto com Leia ele ficou observando para garantir que a situação ficasse em ordem.

Dessa forma, só iniciaram a viagem de volta quando se certificaram de que o golfinho não voltaria àquele lugar incômodo. Além disso, antes de ir embora, o tutor relatou a situação à guarda costeira.

A história viralizou nas redes quando o homem gravou um dos momentos do resgate e compartilhou em seu canal no YouTube. Com isso, a gravação passou a ter um grande número de telespectadores e foi compartilhada nas redes sociais.

O sentido do olfato nos cães

O olfato é o sentido mais desenvolvido de um cão, por isso eles o utilizam para analisar todo o ambiente que os cerca. Por esse motivo, em muitas ocasiões, esses incríveis animais de estimação podem alertar para uma situação de emergência antes dos humanos.

Os especialistas já afirmaram que genericamente o olfato dos cães é superior ao dos humanos. Dessa forma, muitos desses animais fazem parte de equipes especiais de busca da polícia.

Cachorro farejador

O caso de Leia se soma ao grande número de feitos que os cães protagonizaram graças ao seu olfato. Isso, levando em consideração que ao longo do tempo já descobriram carregamentos de drogas, malas com explosivos e até crianças abandonadas.



Os cães e seu grande espírito de cooperação

Essas séries de casos mostram que os cães têm um instinto biológico que lhes permite ajudar outros seres vivos necessitados. Portanto, ninguém está errado em dizer que esses animais têm um dos corações mais bondosos do mundo.

Os cães significam amor incondicional, compreensão e lealdade. A seguir deixamos para você o maravilhoso resgate de Leia e seu tutor:

Pode interessar a você...
Cão salva outro de sua espécie, impedindo que ele se afogue num rio
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Cão salva outro de sua espécie, impedindo que ele se afogue num rio

A história que vamos contar hoje se trata disso; de um cachorro que salva outro de sua espécie do afogamento. Veja no vídeo.



  • Méndez Pardo, Luisa Fernanda, Pérez-Acosta, Andrés M., DETECCIÓN DE EXPLOSIVOS CON LA AYUDA DE ANIMALES: UNA REVISIÓN DE LA LITERATURA CIENTÍFICA. Revista Logos, Ciencia & Tecnología [Internet]. 2009; 1 (1): 107-117.