Infecções oculares em cães

dezembro 22, 2019
Para evitar infecções oculares, é essencial manter uma higiene e limpeza diárias, bem como visitas ao veterinário quando a aparência dos olhos do seu animal de estimação mudar.

As infecções oculares em cães podem ser causadas por muitos organismos. Além disso, elas podem derivar de outras doenças sistêmicas que causam uma infecção ocular.

O olho é um órgão muito complexo e sensível que, devido a pequenas alterações dentro ou fora do corpo, pode sofrer danos facilmente. A saúde ocular do seu animal de estimação deve ser mantida através da limpeza diária com produtos específicos ou solução salina, bem como removendo as remelas que se formam ao longo do dia.

Neste artigo, falaremos sobre as infecções oculares em cães, algumas mais comuns do que outras, mas todas igualmente importantes. Antes de qualquer alteração na aparência dos olhos do seu cão, você deve consultar um veterinário o mais rápido possível.

Toxocaríase ocular

Toxocaríase ocular

A toxocaríase é uma infecção parasitária causada pelo nematoide Toxocara canis em cães e seres humanos, por isso estamos falando de uma zoonose.

Um cão é infectado com a toxocaríase ao comer carne ou alimentos infectados com ovos desse parasita. Os ovos, ao atingirem o intestino, passam através da parede e chegam ao fígado por meio do sangue.

No entanto, às vezes eles podem superar a barreira do fígado e alcançar o cérebro – onde causam meningite – ou os olhos. Aqui, uma única larva pode desenvolver e destruir várias estruturas do globo ocular, que provoca granulomas e endoftalmite crônica, que é a inflamação dos tecidos dentro do olho.

Conjuntivite devido a infecções oculares em cães

A conjuntivite é um dos problemas mais comuns em clínicas veterináriasNa maioria dos casos, ela é causada por infecções oculares em cães. Essas infecções podem ser virais, bacterianas, ou até mesmo devido a uma reação alérgica.

A conjuntivite é uma camada translúcida e muito fina que cobre o olho e o interior das pálpebras. Devido às suas características, esse tecido não é visível, a menos que haja um problema. Os sintomas mais comuns da conjuntivite são:

  • A esclera ou parte branca do globo ocular fica avermelhada por um aumento no suprimento sanguíneo.
  • Lacrimejamento excessivo.
  • Muitas remelas esverdeadas podem aparecer.
  • O cão pode não abrir os olhos. Isso acontece devido à dor que sente.
  • As pálpebras parecem inflamadas, o que é conhecido como blefarite.
  • O olho tem a sensibilidade aumentada, então a luz incomoda excessivamente.
Conjuntivite devido a infecções oculares em cães

Conjuntivite canina imunomediada

Ocasionalmente, a conjuntivite pode ser imunomediada e relacionada à raça. As raças mais afetadas incluem o pastor alemão, o dachshund de pelo comprido e o poodle miniatura.

Nestes tipos de cães, pode ocorrer uma infiltração de células plasmáticas através da membrana nictitante ou da terceira pálpebra, o que causa a blefarite.

Erliquiose canina

A erliquiose canina é uma doença causada pela bactéria Ehrlichia canis que pode ser transmitida por carrapatos infectados. Essa patologia pode ser fatal porque afeta principalmente o sangue, seus componentes e o sistema imunológico.

Os principais sintomas observados são a anemia e a leucopenia, ou redução dos glóbulos brancos.

Na maioria dos cães, há inflamação ocular e palpebral durante o início e subsequente desenvolvimento da doença. Finalmente, a doença afeta outras regiões do olho, como a retina, o que causa dor e afeta severamente a visão.

Infecções oculares: vermes oculares

A telaziose canina é causada pelo verme Thelazia callipaeda. Este parasita é nativo da Ásia, mas já atingiu diferentes regiões da Europa.

Tanto a forma adulta desses parasitas quanto a larva vivem no globo ocular de carnívoros domésticos – gatos e cães – e carnívoros selvagens. Eles são transmitidos pelos artrópodes.

A presença desses vermes nos olhos dos animais pode causar diferentes graus de danos:

  • Lacrimejamento excessivo.
  • Conjuntivite
  • Ceratite ocular.
  • Epífora ou obstrução dos canais lacrimais.
  • Edema, inflamação ou excesso de líquido nas pálpebras.
  • Úlceras na córnea.
  • Cegueira.
  • Bloom, J. D., Hamor, R. E., & Gerding, J. P. (1996). Ocular blastomycosis in dogs: 73 cases, 108 eyes (1985-1993). Journal of the American Veterinary Medical Association, 209(7), 1271-1274.
  • Panciera, R. J., Ewing, S. A., & Confer, A. W. (2001). Ocular histopathology of ehrlichial infections in the dog. Veterinary pathology, 38(1), 43-46.
  • Peña, M. T., & Leiva, M. (2008). Canine conjunctivitis and blepharitis. Veterinary Clinics of North America: Small Animal Practice, 38(2), 233-249.
  • Peña, M. T., & Leiva, M. (2012). Claves clínicas para el diagnóstico y tratamiento de las úlceras corneales en el perro. Clínica Veterinaria de Pequeños Animales, 32, 15-26.
  • Shields, J. A. (1984). Ocular toxocariasis. A review. Survey of ophthalmology, 28(5), 361-381.