Instinto de sobrevivência no reino animal

· julho 11, 2018

Dizem que o mais forte é o que sobrevive na selva. Existe uma cadeia alimentar que faz com que alguns animais comam outros, e assim por diante, até parecer que o único que sobrevive é aquele no topo da cadeia alimentar. Toda essa situação tornou o instinto de sobrevivência muito desenvolvido nos animais. Contaremos tudo a esse respeito!

O instinto de sobrevivência animal e suas formas

Para qualquer animal, sua maior prioridade é obter o alimento necessário para sobreviver, bem como, ao mesmo tempo, evitar ser comido por um predador que está um degrau acima dele na cadeia alimentar. No mundo selvagem, na natureza, você tem que ser um ágil corredor, voar rápido, saber se esconder, nadar habilidosamente e tudo isso sempre com a capacidade de sempre manter um olho aberto para os perigos.

Mesmo assim, isso não é fácil e nem sempre é possível sobreviver sob circunstâncias hostis. E mesmo que seja possível se defender uma vez, nunca se sabe quando será o próximo ataque e qual será o resultado dele.

Fonte: Marcos Andr

O instinto de sobrevivência é um reflexo ativado diante das situações mais adversas e que desperta toda a força do animal para salvar sua vida. Todos parecem se comportar de forma constantemente ativa, como se tivessem sido programados para agir automaticamente. Isso é o que se chama instinto de sobrevivência.

Como nós, quando o animal sente medo, seu corpo reage a isso procurando o momento, a ocasião e o lugar mais adequado para fugir.

Comportamentos resultantes do instinto de sobrevivência

Cada animal e cada espécie tem seus comportamentos instintivos. Estes são alguns:

  • Incubação. As aves que põem ovos incubam os de outras em seus ninhos, se não houver ninguém para protegê-los. Essa é uma maneira não só de cuidar um do outro, mas também de proteger as espécies.
  • Bebês órfãos. Em muitas ocasiões, já vimos como animais de espécies muito diferentes se comportaram como mãe e filho. Esta é uma ação instintiva por parte do bebê para sobreviver. Ele se vê sozinho no mundo, sem uma mãe protetora, e aceita qualquer pessoa que o faça se sentir seguro.
  • Esconder-se. Quando há um perigo ou uma sensação de serem observados, muitos animais se escondem, e, mesmo antes de isso acontecer, eles já têm um lugar para fugir em caso de perigo.
  • Comer e olhar para a frente. Estar em alerta constante é uma maneira de sobreviver na selva. Uma leve distração pode custar a um animal sua vida, então eles sempre comem olhando ao seu redor.
  • Dormir à espreita. O mesmo ocorre quando eles dormem. Os animais que são presas aprenderam a dormir apenas com o consciente e não com o subconsciente. Dessa forma, eles não entram na fase mais profunda do sono e despertarão ante o menor barulho, com a possibilidade de salvarem suas vidas.
  • Enrolarem-se. Este ato de entrarem debaixo da carapaça ou da couraça é outra maneira de se protegerem contra ataques.
  • Emitir sons. Há animais, como a cascavel, que emitem sons que assustam seus predadores. Quando eles sentem que algo está se aproximando, elas começam a emitir tais sons, e, como consequência, há muitas ocasiões em que o predador foge sem lutar pela presa.

O instinto animal

A verdade é que o instinto ligado à sua orientação permite que os animais salvem suas vidas. Você se lembra quem foram os primeiros a saltarem do Titanic? Os ratos! Mesmo antes de a água começar a entrar no navio.

A natureza e os animais não deixam de nos dar lições a partir das quais podemos aprender, não só para lutar pela nossa vida, mas para ajudar a salvar a de outros e a preservar a espécie.

Fonte da imagem principal: Sebastián Dario