O jaburu, uma enorme cegonha tropical

Os jaburus são aves com grande tamanho e comportamentos únicos. Descubra as características e o comportamento dessas cegonhas sul-americanas, também conhecidas como tuiuiús.
O jaburu, uma enorme cegonha tropical
Luz Eduviges Thomas-Romero

Revisado e aprovado por a bioquímica Luz Eduviges Thomas-Romero.

Última atualização: 27 dezembro, 2022

O jaburu é uma ave extraordinária que habita o continente americano. É também a ave voadora mais alta da América do Sul, já que tem um tamanho médio de aproximadamente 130 centímetros e uma envergadura de mais de dois metros.

Pertence à família das cegonhas, Ciconiidae (ordem Ciconiiformes), seu nome científico é Jabiru mycteria e é a única espécie do gênero Jabiru. O nome dado a essa cegonha, Jaburu, deriva de uma palavra na língua tupi-guarani que significa ‘pescoço inchado’.

Características do jaburu

Essas cegonhas são reconhecidas por apresentarem uma plumagem branca, a base do pescoço vermelha e a parte superior do pescoço, a cabeça e o bico pretos. A cabeça é coberta por pele nua.

O bico preto é extraordinariamente pesado e ligeiramente curvado para cima. Na ave adulta, o bico mede cerca de 30 cm de comprimento. Essas aves têm um pequeno moicano branco no topo da cabeça, e os machos têm o bico mais reto do que as fêmeas.

Tanto os machos quanto as fêmeas têm patas pretas. Contudo, a espécie exibe dimorfismo sexual, pois os machos são claramente maiores que as fêmeas. Curiosamente, há outra cegonha que também é chamada de jaburu: trata-se da Xenorhyncus asiaticus, que habita da Índia até a Austrália.

Distribuição geográfica e habitat

O Jabiru mycteria vive na região neotropical, desde o sul do México, passando pela América Central e norte da América do Sul até o norte da Argentina. Embora o jaburu seja encontrado em todos esses países, é mais comum nas regiões de pântano da Venezuela, do Brasil e do Paraguai.

O jaburu

Embora o jaburu prefira zonas alagadas, ele também pode ser visto em pântanos de água doce e áreas inundadas. É válido destacar que, nas estações mais secas, ele pode ser encontrado em águas rasas.

Alimentação e reprodução

Em geral, o jaburu usa o seu pesado bico para encontrar e capturar suas presas. Ele se alimenta de todos os tipos de animais aquáticos, principalmente peixes e moluscos. Também se alimenta de répteis, tais como sapos e cobras, e até mesmo de insetos e pequenos mamíferos.

Durante a estação seca, o jaburu pode comer carniça e peixes mortos. Os jaburus se alimentam em grupos e geralmente procuram comida em águas rasas.

As cegonhas jaburu se reproduzem de maneira monogâmica, mantendo o parceiro durante a vida toda e se reproduzindo anualmente, já que são reprodutoras sazonais. Uma grande população delas nidifica sazonalmente nas grandes planícies da América do Sul.

Entre os seus habitats preferidos para a reprodução estão as planícies da Venezuela e da Colômbia e as planícies de Beni e Moxos, na Bolívia. Além disso, geralmente são encontrados no pantanal brasileiro e nas áreas úmidas do Chaco, na Argentina.

Os machos constroem ninhos de gravetos que ficam de 15 a 30 metros acima do chão, na copa das árvores, e que são ocupados pelas fêmeas. As fêmeas geralmente põem três ou quatro ovos, cuja incubação dura cerca de um mês, e ambos os pais cuidam dos filhotes.

O jaburu

Comportamento do jaburu

Ao contrário de outras aves, o jaburu não emite sons. Esse é um fato interessante, pois eles se comunicam através da linguagem corporal e pela batida do bico contra a madeira.

Além disso, essas aves podem ser bastante sociais em seu comportamento, pois têm uma maneira agradável de se cumprimentar.

Quando se cumprimentam, elas ficam de frente uma para a outra com o pescoço na vertical e a cabeça erguida. Ao mesmo tempo, agitam os bicos de forma muito rápida e com força, enquanto movem o pescoço de um lado para o outro e a cabeça para cima e para baixo.

Quando a bolsa da garganta se expande, isso mostra aos outros pássaros que eles estão ansiosos e animados. Geralmente, eles se alimentam no mesmo local, de acordo com a abundância de presas existentes.

Conservação na América Central e a importância de Belize

Atualmente, o Jabiru mycteria  não é considerado ameaçado, mas a sua população é muito pequena na América Central. A ave ganhou status de proteção em Belize em 1973. No México, a população também diminuiu por causa do desenvolvimento humano, da caça, das perturbações e da perda de habitat.

O jaburu

Como boa notícia, essa ave ainda está presente em números significativos no Brasil, Paraguai e Argentina.

Existe um estudo recente que define a população de Belize como a população reprodutora mais saudável do jaburu em toda a América Central. Geralmente, as aves migram do México, chegando a Belize em novembro e fazendo ninhos nos altos pinheiros das savanas e marismas das planícies de Belize.

O jaburu fica em Belize até junho ou julho e parte após as primeiras chuvas para continuar sua migração em direção ao norte.

Contribuição do jaburu para a ecologia e a economia

Uma vez que o jaburu come peixes mortos e carniça, ele trabalha limpando os corpos das águas após as secas. E essa atividade evita a propagação de doenças.

O Jabiru mycteria também desempenha um papel importante no aspecto financeiro para os seres humanos. Antes de serem protegidos, os humanos os caçavam por causa de sua carne e suas penas. No entanto, agora que eles estão protegidos em regiões como Belize, as pessoas podem se beneficiar financeiramente ao vê-los como uma grande atração turística.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Sánchez Soto, S., Zavala Cruz, J., & Castillo Acosta, O. (2011). Observación de la cigüeña jabirú (Jabiru mycteria) en un humedal del oeste del estado de Tabasco, México. Huitzil, 12(2), 28-31.
  • Orias, J. V. (2016). El jabirú (Jabiru mycteria) en Costa Rica: población y conservación. Biocenosis, 22(1-2).
  • Barnhill, R. A., Weyer, D., Young, W. F., Smith, K. G., & James, D. A. (2005). Breeding biology of Jabirus (Jabiru mycteria) in Belize. The Wilson Journal of Ornithology, 117(2), 142-154.
  • Villarreal-Orias, J., & Orocú-Arias, A. (2018). Comportamiento humano en un sitio de anidación de jabirú (Jabiru mycteria) en Costa Rica. Zeledonia, 22(2).

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.