Juba-de-leão: a maior água-viva do mundo

abril 27, 2019
Além de ter um tamanho enorme, seus tentáculos são dotados de células urticantes que paralisam os peixes que se emaranham entre eles, e é assim que ela obtém alimentos.

A juba-de-leão é a maior água-viva que existe. Este enorme invertebrado vive nas profundezas do oceano mas, quando se aproxima das costas, pode espalhar o caos, embora não seja mortalmente tóxica. Descubra tudo sobre esse gigante a seguir.

Características da juba-de-leão

A juba-de-leão é a maior água-viva conhecida. O maior exemplar já visto tinha mais de dois metros de diâmetro e tinha tentáculos de quase 37 metros de comprimento.

No entanto, geralmente elas não são tão grandes. As que se deslocam em direção ao sul e alcançam o litoral não costumam medir mais de 50 centímetros de diâmetro, e os tentáculos não atingem mais de 30 metros de comprimento. Entretanto, o tamanho dessas águas-vivas varia de acordo com a área em que elas crescem e se desenvolvem.

Assim como todas as águas-vivas, no corpo da juba-de-leão podemos distinguir entre o guarda-chuva (corpo) e os tentáculos. O corpo é formado por oito aglomerados, dos quais surgem entre 70 e 100 tentáculos. Ao redor do corpo, há um órgão que as ajuda a se orientar para que saibam para onde nadar.

Os tentáculos deste animal são muito pegajosos para que possam capturar as suas presas. Nos tentáculos, há milhares de células urticantes que paralisam os peixes que se emaranham entre eles; desta forma, a juba-de-leão consegue praticamente todos os alimentos de que precisa.

Características da água-viva juba-de-leão

Em termos de cores, a juba-de-leão tem uma grande variedade: parece que, quanto maior é cada espécime, mais escura é a sua cor. Assim, os exemplares menores são quase transparentes; os adultos de tamanho médio têm uma cor entre amarelo e laranja, enquanto os espécimes gigantes têm cores entre vermelho e roxo.

Habitat 

A juba-de-leão vive nas águas mais frias do hemisfério norte: elas se distribuem principalmente pelas águas do Ártico, embora também possam ser encontradas nos oceanos Pacífico e Atlântico. As encontradas no Ártico geralmente são maiores do que aquelas que se deslocam em direção ao sul.

Por isso, as áreas nas quais elas geralmente aparecem estão próximas da Escandinávia ou da Groenlândia. No entanto, elas estão sendo cada vez mais vistas em direção ao sul. Supõe-se que, como não são grandes nadadoras, elas sejam arrastadas pelas correntes marítimas: estão aparecendo cada vez mais no litoral do Reino Unido e da França.

São animais das profundezas, que vivem abaixo de 3.000 metros de profundidade, onde não há luz e a pressão é muito maior. Elas não são capazes de viver na superfície, e quando se aproximam do litoral, ou estão doentes ou já estão mortas.

Toxicidade 

A juba-de-leão tem seus milhares de tentáculos impregnados com veneno, com o qual ela paralisa os peixes que se emaranham neles para poder comê-los. No entanto, o seu veneno não é mortal para os seres humanos.

Toxicidade da água-viva juba-de-leão

Porém, já houve casos de águas-vivas-juba-de-leão que chegaram ao litoral e envenenaram seres humanos. Os sintomas causados são muito dolorosos, mas não são fatais: coceira, ardor e irritações na pele.

As medusas que chegam ao litoral geralmente já são cadáveres quase decompostos, que pegam os banhistas de surpresa. Há tantos tentáculos e eles são tão longos que, quando há um acidente assim, pode haver até 100 pessoas afetadas.

Alimentação da juba-de-leão

As águas-vivas-juba-de-leão são predadoras, mas não ativas. Uma de suas técnicas é esperar que as suas presas fiquem emaranhadas nos seus tentáculos, onde o veneno as atordoa e então elas podem aproximá-las de sua boca.

Por isso, ela não é seletiva com a sua dieta: se alimenta de todos os peixes ou águas-vivas que encontrar. No entanto, outros seres vivos podem viver entre os seus tentáculos, como os camarões, por exemplo, que não são afetados pelo veneno e, dessa forma, estabelecem uma relação simbiótica. Além disso, ela também se alimenta de plâncton.

A água-viva-juba-de-leão é considerada o animal mais comprido do planeta, até mesmo mais do que a baleia jubarte. Felizmente para os banhistas, embora não seja mortal, é um animal abissal que vive nas profundezas e que só aparece na superfície muito raramente.