Lampreia marinha: habitat e morfologia

março 6, 2019

A lampreia do mar é um desses exemplos do mundo animal com o qual a vasta biodiversidade que nos cerca fica evidente. Esta espécie de peixe com mandíbula ausente é muito fácil de ser reconhecida.

Sua temível aparência e dieta hematófaga lhe valeram o apelido de “vampiro-marinho”. Sua boca é cercada por uma espécie de disco circular que funciona como uma ventosa.

Com ela, ela fica do lado de sua presa para arranhar a pele e comer a carne que fica por baixo. As fileiras de dentes e sua língua são a característica mais marcante deste peixe em particular.

É um peixe anádromo, o que significa que podemos encontrá-lo no início de sua vida nos rios. Então, mais tarde, eles migram para o mar para viver seu estágio adulto e, finalmente, retornam ao rio para desovar seus filhotes.

Como é o habitat da lampreia do mar?

Este espécime peculiar prefere a atmosfera do Atlântico Norte, embora às vezes também possa ser encontrado no mar Báltico. Sua existência ocorre em mares e rios de acordo com a fase da vida em que se encontra.

Há alguns anos, era até mesmo possível encontrar a lampreia do mar em Andaluzia, na Catalunha, Aragão e Extremadura.

No entanto, a exploração comercial reduziu seu habitat e hoje em dia é mais comum encontrar este peixe nas águas da Galiza. Existem 40 espécies que estão distribuídas nos mares e rios de várias maneiras.

No entanto, no início de sua vida, as larvas subsistem enterradas no fundo dos rios. Lá elas obtêm nutrientes e se alimentam da matéria orgânica que se infiltra em seu nicho.

Elas permanecem como larvas por três a cinco anos até sofrerem uma metamorfose que lhes permitirá se adaptar ao ambiente marinho.

A lampreia do mar é um tipo de peixe semelhante a uma enguia, e é uma espécie anádroma, capaz de viver em águas frescas e salgadas.

A forma alongada de seu corpo e a boca circular com a forma de ventosa lhe dão uma aparência surpreendente e assustadora. 

Lampreias do mar

Uma vez que todas as mudanças fisiológicas tenham se manifestado para esse novo estágio, elas se movem para as profundezas do mar. 

Então, poderão ser localizadas entre 300 e 600 metros de profundidade e lá permanecem por cerca de quatro anos.

Durante esse período, ocorre a segunda metamorfose, que vai forçá-las a abandonar os mares e voltar para o rio, para começar um novo ciclo de vida das lampreias.

Em geral, a lampreia prefere os rios caudalosos, mas com pouca rapidez em suas águas, e escolhe as profundidades medianas. Sua vida no Atlântico Norte foi diminuída pela poluição e pelo aumento das barreiras artificiais.

Morfologia da lampreia marinha

Este é um tipo de peixe primitivo sem mandíbula e muito semelhante às enguias, pelo menos em aparência.

Na fase larval, podem medir até 20 centímetros de comprimento e, ao migrar para o oceano na idade adulta, atingem um metro de comprimento e pesa entre dois e três quilos.

As larvas diferem drasticamente em sua morfologia das lampreias adultas. Elas não têm dentes, são cegas e têm um mecanismo para se alimentar que funciona de forma diferente.

Possuem uma faixa de minúsculos tentáculos semelhantes a uma barba que utilizam para capturar outras minúsculas formas de vida, que lhes servem como alimento.

Na conclusão da fase larval, elas migram para as águas profundas do oceano e, em seguida, as típicas alterações morfológicas desse período são evidentes.

Grandes olhos com tons de vermelho, um par de barbatanas dorsais, sete aberturas branquiais e uma nasal, corpo cilíndrico de cor cinza esverdeado ou terroso, e a característica ventosa bucal com dentes pequenos, afiados e pontiagudos.

Lampreia

Outras características físicas

Não tem escamas, seu corpo é liso e gelatinoso, com uma cauda que termina em um ponto.

Seu esqueleto é cartilaginoso e não possui partes ósseas. Com um ciclo de vida muito completo, retornam aos canais fluviais para se reproduzir; e é aí que podem ser pescados para o consumo.

A lampreia do mar é uma das espécies menos evoluídas do mundo animal já encontrada, com uma idade de cerca de 500 milhões de anos. Seu parasitismo causou estragos na população marinha de espécies como o bacalhau e a merluza.

A migração de volta aos rios implica em outras alterações morfológicas que incluem a atrofia do sistema digestivo, aparecimento de sinais sexuais secundários e degeneração dos órgãos visuais.

Mesmo assim, conseguem superar o fluxo fluvial, usam o aspirador de boca para arrastar as pedras que usarão para o ninho de seus filhotes e, depois disso, procedem à desova, que dará início a um novo ciclo de vida.

A colocação de redes alinhadas ao curso da água provoca a captura das lampreias quando elas sobem o rio para a desova.

Há também uma técnica que envolve pregar um tridente amarrado a uma longa vara no corpo da lampreia, enquanto o pescador fica no barco ou nas margens dos rios.

Esta espécie é usada para preparar a conhecida lampreia à bordalesa, na qual o peixe é cozido em seu próprio sangue, que se tornou um prato típico da Galiza.

https://es.wikipedia.org/wiki/Petromyzon_marinus