Macaco-de-Gibraltar: características, comportamento e habitat

junho 19, 2018
É um primata que reside na Ásia, África e Espanha. Ele é muito perigoso, por causa de seu comportamento quando se sente ameaçado. Além disso, pode nos infectar com uma doença mortal, o herpes vírus B. Destaca-se por ser uma espécie muito adaptada a diferentes alturas e temperaturas, de zero a mais de 40ºC.

Além disso, o macaco-de-Gibraltar reside na África e em Gibraltar. Ele é a exceção dentro dos macacos. O nome científico da espécie, Macaca sylvanus, refere-se à relação que este animal mantém com as florestas do norte da África.

Características do macaco-de-Gibraltar

Esse é um macaco de tamanho médio, que não tem cauda. Além disso, tem um espesso casaco castanho que lhe permite suportar temperaturas frias. Como a maioria dos primatas, tem unhas e polegares opostos. Além disso, seus rostos são reconhecíveis por outros membros do grupo.

Como muitos outros primatas, os macacos de Gibraltar são onívoros, embora uma imensa porcentagem de sua dieta seja de vegetais. Entre esses vegetais, estão folhas, ervas e outras partes das plantas, além de frutas, sementes e mesmo cogumelos. Em relação a porção de carne, esses animais consomem invertebrados e pequenos répteis.

Sua dieta varia durante o ano, especialmente quando há escassez de frutas. Em populações em semi-liberdade e cativeiro, há registros da caça de esquilos e pássaros. Sob cuidados humanos, normalmente a dieta consiste em vegetais variados, com algumas frutas. Além disso, podem ser oferecidos alimentos como legumes, tenébrios ou alguma carne durante o inverno.

Comportamento do macaco-de-Gibraltar

O macaco-de-Gibraltar é um animal diurno, que vive em grupos que atingem até 100 indivíduos. Além disso, normalmente são vistos grupos de entre 10 e 30 animais. É uma das espécies em que as fêmeas mandam: a estrutura social é matriarcal.

Comportamento do macaco-de-gibraltar

Os machos participam ativamente no cuidado das crias e passam longas horas brincando e cuidando dos animais mais jovens.

De fato, os machos se divertem muito cuidando dos filhotes. Eles podem chegar a cuidar, inclusive, de filhotes que não sejam seus. Acredita-se que isso ocorre porque as fêmeas selecionaram durante séculos machos que são melhores pais.

Os macacos se comunicam através de gestos faciais e sons. É importante notar que os macacos e humanos compartilham o uso da expressão facial. Entretanto, nossas expressões são muito diferentes daquelas produzidas por esses animais.

Quando um macaco de Gibraltar parecer estar dando um beijo ou sorrindo, ou seja, quando nos mostrar todos os dentes, isso significa que algo os incomoda. Muitos desses comportamentos são ameaças feitas amigavelmente para nos afastarmos. Afinal, se não os deixarmos em paz, esses animais não hesitarão em seguir em frente e nos atacarem.

Isso acontece também com outros primatas. Por isso, é importante que não os imitemos no caso de estarmos em um zoológico, santuário ou em seu habitat natural. Afinal, isso será o equivalente a provocá-los. Na verdade, os macacos são um dos animais que mais mordem as pessoas.

Habitat do macaco-de-Gibraltar

Todos os macacos vivem na Ásia, exceto o macaco-de-Gibraltar. Por algum tempo, ele viveu em muitas áreas da Europa. Atualmente, é encontrado apenas na Espanha e em áreas montanhosas e florestais do Marrocos e da Argélia.

Habitat do macaco-de-gibraltar

Seu grande refúgio são as florestas de cedro espalhadas pelo planeta, além da pequena população de Gibraltar. É um dos primatas melhor adaptados a uma ampla faixa de temperaturas, pois podem viver a mais de 2 mil metros de altura. Por isso, no inverno, resistem a temperaturas abaixo de zero, ou sob o sol escaldante da África, a mais de 40ºC.

As ameaças ao macaco-de-Gibraltar são a destruição do seu habitat e sua exploração como animais de estimação. Você não pode ter um macaco como animal de estimação. Entretanto, ainda assim, muitos são capturados ilegalmente em seu habitat para serem enviados para a Europa. A Espanha é um dos países mais responsáveis pelo comércio dos macacos-de-Gibraltar.

O macaco-de-Gibraltar também é muito perigoso. Ele incuba doenças mortais para os humanos que não o afetam, como o herpes vírus B. Além disso, têm grande força e presas enormes que eles não hesitarão em usar, caso se sintam ameaçados. Portanto, o melhor lugar para um macaco-de-Gibraltar é seu habitat natural.