Metoclopramida para cães: dosagem e contraindicações

A metoclopramida para cães é frequentemente usada para prevenir e controlar vômitos e náuseas. Conheça a dosagem segura e suas contraindicações.
Metoclopramida para cães: dosagem e contraindicações

Última atualização: 21 Novembro, 2021

A metoclopramida para cães é comumente administrada em xarope, ao contrário da apresentação comum (que é em comprimidos). É um fármaco que também é usado na medicina tradicional para humanos, mas não da mesma forma que em cães. Se esse medicamento tiver sido prescrito aos seus animais de estimação, aqui você encontra do que se trata, para que é utilizado e quais efeitos secundários pode causar.

Lembre-se de que, mesmo que você tenha metoclopramida prescrita para humanos em casa, nunca deve dar a um ser vivo não humano, pois para isso existe uma versão de uso exclusivamente veterinário. Além disso, você deve ter a aprovação do profissional responsável pelo tratamento, nunca devendo medicar seu peludo sem autorização do veterinário.

O que é a metoclopramida para cães?

A metoclopramida é um medicamento que faz parte das ortopramidas. De acordo com a Clínica da Universidade de Navarra, na medicina humana esse medicamento é utilizado na prevenção e tratamento de náuseas e vômitos, gastroparesia diabética e refluxo gastroesofágico.

Em cães, a metoclopramida tem efeitos semelhantes e vamos nos aprofundar neles mais tarde. Além disso, deve-se notar que este medicamento é apresentado em diferentes apresentações: comprimidos, xarope ou solução oral e injeções.

Você sabe para que serve Procox para cães?

Para que serve?

Como você pode suspeitar, a metoclopramida para cães é usada para controlar o vômito causado por diferentes estímulos, como os que ocorrem no pós-operatório ou após a ingestão de outros medicamentos. É necessário controlar a êmese excessiva do paciente canino, pois pode causar desidratação em longo prazo.

Por ser um medicamento de rápida absorção, também é prescrito como tratamento para aliviar a redução da motilidade gastrointestinal em cães. Também é indicado para canídeos com diagnóstico de gastrite, intolerâncias digestivas e nefrite crônica (inflamação dos rins que afeta o sistema digestivo).

Quando o vômito é crônico, esse medicamento faz parte de um tratamento abrangente que, além de interromper os episódios, busca recuperar o organismo dos efeitos da desidratação provocados por essa condição. Em casos muito graves, a metoclopramida é administrada junto com fluidos hidratantes por via intravenosa.

Dosagem de metoclopramida para cães

A dosagem de metoclopramida para cães depende do diagnóstico e do peso do animal. A apresentação geralmente prescrita para tratamentos caseiros é o xarope ou a solução oral. A dosagem varia de 0,5 miligramas a 1 miligrama para cada quilo de peso por dia, quantidade que geralmente é dividida em 2 ou 3 doses em 24 horas.

A dose exata é determinada pelo profissional após pesar o cão em tratamento. É importante não dar uma dose antes de 6 horas da última dose nem repeti-la quando o peludo vomitar o medicamento. Nesse último caso, você deve esperar pela próxima dose e tentar evitar que ele a vomite.

Devido à dificuldade que os cães têm para ingerir comprimidos, essa apresentação não é comum, já que o xarope tem o mesmo efeito e é mais fácil de administrar. Quanto à solução injetável, seu uso é mais delicado e deve ficar a cargo de um profissional, que fará o cálculo da dose de acordo com o peso.

O formato injetável só foi concebido no âmbito médico. Nunca deve ser aplicado em casa.

Contraindicações da metoclopramida em cães

De acordo com a ficha técnica do medicamento, existem algumas contraindicações que devem ser consideradas, embora o uso da metoclopramida em cães seja bastante seguro. Os seguintes grupos de canídeos que não estão aptos ao tratamento são listados a seguir:

  • Hipersensibilidade à substância ativa do medicamento ou a qualquer excipiente. Isso se manifesta como sintomas do tipo alérgico de gravidade variável.
  • Obstrução ou perfuração gastrointestinal.
  • Hemorragia gastrointestinal. Isso se manifesta como sangue enegrecido nas fezes ou vômito com sangue.
  • Epilepsia.
  • Alterações no fígado e rins.

O uso desse medicamento não é recomendado em cadelas gestantes ou lactantes. Em qualquer caso, será o veterinário que avaliará a pertinência de seu uso após avaliar as vantagens e desvantagens. Às vezes, é mais importante salvar a vida da mãe, mesmo que os filhotes corram algum risco no processo.

Efeitos colaterais da medicação

Os efeitos colaterais do uso da metoclopramida em cães não são comuns, mas é necessário que o responsável saiba identificar os sintomas em seu animal. Entre eles estão os seguintes:

  • Agitação.
  • Ataxia ou dificuldade de coordenação dos movimentos.
  • Movimentos corporais anormais
  • Prostração.
  • Sonolência.
  • Tremores
  • Comportamentos agressivos
  • Vocalização.
  • Hipertensão.

Esses efeitos colaterais são considerados temporários, pois desaparecem assim que o medicamento é interrompido. Felizmente, a metoclopramida é eliminada do corpo tão rapidamente quanto é absorvida, ou seja, 24 horas após a ingestão.

Um cachorro olhando para uma pílula.

A metoclopramida é um antiemético eficiente

A metoclopramida para cães atua como um eficiente antiemético, pois previne vômitos e náuseas. Sua ação ocorre porque o medicamento atravessa a barreira hematoencefálica, bloqueando a dopamina e reduzindo a necessidade de devolver alimentos ou fluidos gástricos.

Não administre esse medicamento ao seu animal de estimação sem a supervisão de um profissional e não ofereça a apresentação de uso humano. Caso contrário, você pode causar intoxicações graves no animal.

Pode interessar a você...
Eliminar carrapatos em cães com remédios naturais
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Eliminar carrapatos em cães com remédios naturais

Carrapatos em cães causam grande preocupação pelos danos que podem causar à saúde animal. Sua picada geralmente gera coceira intensa e pode causar ...



  • EMEPRID (Metoclopramida). Agencia española de medicamentos y productos sanitarios.
  • Metoclopramida. Clínica de la Universidad de Navarra.