O método do besouro para proteger sua comida

Os besouros são os insetos e animais mais numerosos da Terra. Devido à grande quantidade de espaços que habitam, desenvolveram muitas estratégias para salvaguardar a sua alimentação.
O método do besouro para proteger sua comida
Cesar Paul Gonzalez Gonzalez

Escrito e verificado por o biólogo Cesar Paul Gonzalez Gonzalez.

Última atualização: 01 fevereiro, 2023

Os besouros são um grupo de insetos muito popular devido à sua forma e coloração. No entanto, eles também exibem comportamentos peculiares que os tornam espécimes surpreendentes. Exemplo disso é o subgrupo do besouro enterrador, pois exibe um comportamento curioso ao tentar proteger seus alimentos.

Esses organismos pertencem à família Silphidae, que é composta por besouros com hábitos necrófagos. Por sua vez, apenas dois gêneros específicos, Silpha e Nicrophorus, são conhecidos como besouros enterradores. Se você quiser saber o que esses organismos fazem para proteger seus alimentos, continue lendo este artigo.

Quem são os besouros enterradores?

O corpo desses besouros é bastante pequeno, pois seus tamanhos variam entre 4 e 40 milímetros de comprimento. Além disso, a aparência desses insetos é achatada e levemente alongada. Por sua vez, as cores que exibem combinam um fundo preto com um padrão diversificado, com manchas vermelhas ou amarelas.

Além disso, esses insetos possuem 3 pares de patas com garras no final de cada uma, o que os ajuda a movimentar diferentes porções de comida. Isso é muito útil para eles, pois sua dieta é baseada no consumo de restos de animais em decomposição (são necrófagos). Em outras palavras, eles precisam de uma boa pegada para carregar sua comida.

Como se isso não bastasse, esses besouros têm uma excelente capacidade de localizar seus alimentos, pois detectam cadáveres mesmo a grandes distâncias. Para isso, possuem um olfato apurado, com o qual registram as partículas químicas que são liberadas pela decomposição da matéria. Graças a isso, os besouros identificam facilmente os restos de animais e começam a se alimentar.

No entanto, a característica mais marcante desse inseto é sua capacidade de proteger seu alimento. Isso porque ele usa uma estratégia semelhante à do escaravelho, mas com algumas modificações que o diferenciam de qualquer outro escaravelho.

Um sílfide em um fundo branco.

Como os besouros protegem seus alimentos?

Os besouros enterradores processam seus alimentos antes de se alimentarem, pois precisam remover penas e pelos superficiais. Além disso, todos esses restos são compactados em uma espécie de bola que facilita muito o transporte. Desta forma, os besouros movem a enorme massa de carniça rolando-a para o seu esconderijo, obtendo assim uma grande reserva para durar por um longo período.

Esse processo exige um esforço titânico, pois o besouro produz uma substância antibacteriana que retarda a taxa de decomposição. Um estudo da Universidade de Connecticut mostrou que esse curioso inseto faz isso para evitar que a carniça atraia outros competidores. Graças a isso, o besouro não precisa se preocupar com o roubo de suas reservas de alimentos.

Além disso, essa estratégia também tem outro objetivo, pois no caso de Nicrophorus orbicollis, o processo permite que ele armazene parte da comida para seus filhos. Um artigo publicado na revista científica Animal Behavior menciona que o besouro deposita seus filhotes sob a carniça para que se alimentem dela ao nascer.

Desta forma, os pais dedicam-se totalmente a cuidar dos filhos, pois têm uma enorme reserva de alimentos para eles.

Como conseguem comer os restos de animais?

Para se alimentar de carcaças de animais, esses insetos tiveram que se adaptar de maneira incrível. Ao contrário do que acontece com os urubus, a estratégia dos besouros é usar substâncias antimicrobianas. Graças a isso, evitam contrair qualquer tipo de doença ou toxina que possa ser letal.

Em poucas palavras, o sistema digestivo desses organismos é especializado em destruir bactérias nocivas. Para fazer isso, eles secretam substâncias e enzimas semelhantes a antibióticos que destroem qualquer composto tóxico. No entanto, eles só fazem isso formando uma aliança com as bactérias benéficas, leveduras e outros microrganismos que vivem em seu intestino.

Isso significa que as substâncias antibacterianas servem como uma espécie de conservante, pois com elas os besouros evitam a deterioração dos alimentos.

Unidos contra os invasores

As incríveis estratégias desses besouros não terminam aqui, pois eles também usam a ajuda de outros artrópodes para proteger seus alimentos. Alguns espécimes de besouros enterradores associam-se a ácaros (Poecilochirus carab i), gerando, assim, uma relação simbionte mutualística.

Os ácaros são transportados pelos besouros para sua carniça e se alimentam de quaisquer ovos de moscas ali presentes. Graças a isso, a comida dos besouros é desinfectada de alguns inimigos em potencial, enquanto os pequenos ácaros se alimentam dos filhotes de mosca. Desta forma, conseguem limpar melhor a reserva alimentar.

Como você pode ver, os besouros enterradores fazem um trabalho incrível para proteger seus alimentos. Isso se deve aos grandes desafios que eles devem resolver, pois lutam contra outros organismos para acumular seus alimentos. Dessa forma, não apenas os adultos acabam se beneficiando, mas também garantem a sobrevivência de sua prole. Sem dúvida, os pequenos insetos são mais incríveis do que você pensa.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Nehring, V., Müller, J. K., & Steinmetz, N. (2017). Phoretic Poecilochirus mites specialize on their burying beetle hosts. Ecology and evolution, 7(24), 10743-10751.
  • Trumbo, S. T. (2017). Feeding upon and preserving a carcass: the function of prehatch parental care in a burying beetle. Animal Behaviour, 130, 241-249.
  • Vogel, H., Shukla, S. P., Engl, T., Weiss, B., Fischer, R., Steiger, S., … & Vilcinskas, A. (2017). The digestive and defensive basis of carcass utilization by the burying beetle and its microbiota. Nature communications, 8(1), 1-15.
  • Trumbo, S. T., Philbrick, P. K., Stökl, J., & Steiger, S. (2021). Burying beetle parents adaptively manipulate information broadcast from a microbial community. The American Naturalist, 197(3), 366-378.
  • Galindo-Rojas, D. V., Carrasco, M. G. V., & López, J. A. ABUNDANCIA DEL ESCARABAJO ENTERRADOR Nicrophorus mexicanus, Matthews (COLEOPTERA: SILPHIDAE) EN LA SIERRA DEL NAYAR, DURANGO, MÉXICO.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.