Micotoxinas e produção animal

Nenhuma ração é totalmente inofensiva. Portanto, as substâncias que podem crescer nela, às vezes, podem ser prejudiciais ao animal que a consome.
Micotoxinas e produção animal

Última atualização: 17 novembro, 2020

Muitos fungos têm a capacidade de produzir metabólitos secundários tóxicos, conhecidos como micotoxinas. Essas substâncias podem crescer nos alimentos e representar um sério risco à saúde. As mais perigosas podem até colocar em risco a vida de animais e humanos.

Ao falar de micotoxinas e produção animal, existe alguma que tenha efeitos negativos na reprodução? Aqui estão algumas das micotoxinas mais relevantes para a saúde pública e animal e seus efeitos no sucesso reprodutivo dos rebanhos.

Como se produzem as micotoxicoses nos animais?

Primeiro, vamos definir o termo micotoxicose, que se refere ao envenenamento por inalação ou ingestão de alimentos contaminados com micotoxinas. No reino animal, esse envenenamento pode ocorrer de duas maneiras:

  • De forma direta, em herbívoros, ao consumir um vegetal contaminado pelo fungo.
  • De forma indireta, em carnívoros, ao consumir carne de um animal previamente intoxicado.

As micotoxinas secretadas por fungos colonizam todos os tipos de alimentos e forragens armazenados em más condições. Os três gêneros de fungos mais frequentemente relatados como produtores de micotoxinas são:

  • Aspergillus spp.
  • Penicillium spp.
  • Fusarium spp.

A capacidade de um fungo de produzir micotoxinas depende de muitos fatores, como umidade, temperatura, substrato/alimento ou oxigênio. Portanto, o aparecimento de uma micotoxicose pode variar dependendo das condições climáticas ou geográficas.

Como se produzem as micotoxicoses nos animais?
Um fungo produtor de micotoxinas sob o microscópio.

Micotoxinas e produção animal

As micotoxinas que causam mais problemas na produção animal, em geral, são as seguintes:

  • Aflatoxinas, produzidas por diferentes espécies de Aspergillus flavus e A. parasiticus.
  • Ocratoxina A, produzida por diferentes espécies de AspergillusPenicillium.
  • Tricotenos, zearalenona e fumonisinas, produzidas por fungos do gênero Fusarium.

A toxicidade desses metabólitos em animais pode incluir todos os tipos de órgãos, desde o desenvolvimento de efeitos carcinogênicos, teratogênicos ou mutagênicos, passando por alterações no fígado, rins e sistema digestivo, até a produção de distúrbios hormonais ou imunossupressores.

Seus efeitos podem comprometer o sucesso reprodutivo de uma fazenda?

Essa questão pode ser respondida usando o exemplo de uma fazenda de porcos e analisando o efeito de diferentes micotoxinas sobre eles. A seguir, desenvolveremos o tópico de acordo com o tipo de micotoxina estudada.

Zearalenona

É uma toxina hiperestrogênica. Ou seja, ativa o metabolismo dos estrogênios, o que altera o funcionamento normal do sistema reprodutor feminino.

Uma ingestão constante desse composto na dieta leva a sintomas como vulvovaginite, mastite, distúrbios do ciclo menstrual, falsa gravidez, aborto e infertilidade.

Em outras palavras, o curso normal da reprodução na fazenda será muito afetado e isso resultará em inúmeras perdas econômicas. Ainda assim, é verdade que seus efeitos são transitórios e desaparecem com uma mudança na dieta.

Aflatoxinas

Em suínos, essas micotoxinas deprimem o sistema imunológico e têm efeitos cancerígenos e mutagênicos. Além disso, são hepatotóxicos (fazem mal para o fígado), causam anemia, nefrose, sangramento sistêmico e morte. Ou seja, provavelmente são as micotoxinas mais problemáticas e perigosas.

Em relação à reprodução, podem causar abortos e agalactia, ou seja, ausência de leite durante a lactação. Por outro lado, podem ser transferidas para os leitões neonatos, afetando sua resposta imunológica.

Existe um método para controlar a ocorrência da micotoxicose em animais?

Atualmente, não é possível eliminar completamente alimentos e rações contaminados por micotoxinas. No entanto, existem várias maneiras de reduzir seus níveis e evitar exposições prolongadas ao longo do tempo. Na verdade, é esse tipo de consumo crônico que geralmente agrava os efeitos da micotoxicose.

Um dos métodos mais eficazes para reduzir os níveis de micotoxinas em rações é a aplicação do que é conhecido como “Boas Práticas Agrícolas”. Assim, durante o cultivo, a colheita e o transporte, os níveis de higiene devem ser mantidos ao máximo.

Essas práticas se tornam fundamentais quando se considera a cadeia agroalimentar como um todo integrado, no qual a nutrição animal é o primeiro elo.

Então, durante a transformação de matérias-primas em rações na indústria de ração animal, é importante aplicar Boas Práticas de Higiene, o que irá minimizar os níveis de micotoxinas no produto final.

É nesse ponto mencionado que, por exemplo, aumenta o perigo de contaminação cruzada, podendo contaminar outros alimentos, mesmo aqueles destinados ao consumo humano.

Contaminação em porcos

As micotoxinas são um problema para o sucesso reprodutivo

Qualquer exploração animal depende de um certo sucesso reprodutivo para poder se manter ao longo do tempo, sem falar naquelas que se dedicam exclusivamente à obtenção de novas gerações de animais ou ao aproveitamento do leite das fêmeas após o parto. Portanto, é essencial alcançar um estado fisiológico ideal para que a reprodução ocorra com sucesso.

O fato de os alimentos poderem transportar certas substâncias prejudiciais à reprodução é um problema, pois normalmente as quantidades são tão pequenas que os sintomas não são evidentes para que sejam combatidos.

This might interest you...
Camomila, uma planta medicinal para os animais de estimação
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Camomila, uma planta medicinal para os animais de estimação

A camomila é uma planta medicinal que podemos dar ao animal para aliviar certas doenças específicas, depois, é claro, de consultar o veterinário.