Neosporose canina: causas, sintomas e tratamento

A neosporose canina é uma doença infecciosa que muitas vezes se apresenta de forma assintomática. Porém, às vezes, ela pode se tornar fatal.
Neosporose canina: causas, sintomas e tratamento

Última atualização: 19 Fevereiro, 2021

A neosporose canina é uma doença infecciosa causada pelo Neospora caninum, um parasita coccidiano que tem como hospedeiros cavalos, animais de fazenda e outros mamíferos. O cachorro é o seu único hospedeiro definitivo, por isso o patógeno é especializado em se alojar na sua musculatura, na forma de cistos teciduais.

Em geral, muitos dos cães infectados são assintomáticos, mas os filhotes afetados têm um prognóstico muito mais complicado. Se você quiser saber mais sobre a neosporose canina e como identificá-la, continue lendo.

O que é a neosporose canina?

Conforme já dissemos, essa infecção é causada pelo coccídeo N. caninum, um microrganismo parasita intracelular obrigatório. Até recentemente, acreditava-se que o cachorro fosse o seu único hospedeiro definitivo, mas foi descoberto que outros canídeos, tais como coiotes, lobos cinzentos e dingos, também o são.

Portais veterinários profissionais estimam que a prevalência do parasita – o número de cães infectados em uma determinada população – varia de 0 a 100% dependendo da região. Nos Estados Unidos, por exemplo, estima-se que aproximadamente 7% dos cães estejam infectados em determinadas áreas. Na Inglaterra, estima-se uma prevalência de 5,5-23,6%.

Cães de rua e aqueles que têm contato com animais de fazenda têm maior probabilidade de serem infectados.

O parasita tem 3 formas, de acordo com as fases do seu ciclo de vida, que são as seguintes:

  1. Oocistos: análogos dos ovos, que se formam no trato intestinal do cachorro e são expelidos para o ambiente juntamente com as fezes.
  2. Taquizoítos: são as formas infecciosas que se proliferam a partir dos oocistos uma vez que estes são ingeridos por um cachorro.
  3. Bradizoítos: formam cistos nos músculos do animal.

Neosporose canina

Sintomas

Conforme já dissemos, muitos dos cães infectados nunca apresentam sintomas. Infelizmente, alguns adultos e os filhotes são mais propensos a apresentar certos sinais clínicos. Esses sinais são produto dos taquizoítos, causando inflamação e necrose nos tecidos afetados.

Assim, os sintomas mais comuns são de natureza neuromuscular. Entre eles, encontramos os seguintes:

  • O sintoma característico da infecção ocorre em filhotes com menos de 6 meses de vida, os quais podem apresentar uma paralisia das patas traseiras, que segue um padrão ascendente. Essa evidência clínica geralmente começa a aparecer quando o animal tem de 3 a 9 semanas de vida.
  • Ocorre uma atrofia muscular generalizada em um padrão ascendente. Os membros posteriores geralmente ficam mais comprometidos no início do que os torácicos.
  • Depois disso, pode aparecer dificuldade para engolir, paralisia da mandíbula e uma fraqueza cervical acentuada.
  • Outras complicações são o aparecimento de pneumoniaconvulsões, anorexia, fraqueza, inflamação do músculo cardíaco e até mesmo a morte.

Em filhotes sintomáticos, essa atrofia muscular é progressiva e resulta na contração contínua dos músculos afetados. Quando esse quadro clínico aparece, o prognóstico do animal afetado é muito ruim.

Tratamento

Devemos ter em mente que atualmente não há um tratamento eficaz para 100% dos casos. Alguns antibióticos têm sido usados ​​em filhotes com algum sucesso, mas a medicação não garante a sobrevivência do animal de forma alguma. A clindamicina é o medicamento de escolha durante um período de 3 semanas a 2 meses, em quase todos os casos.

Em geral, os cães adultos normalmente respondem melhor ao tratamento do que os filhotes. Uma vez que os sintomas clínicos neuromusculares aparecem no animal, o prognóstico se torna bastante ruim.

Se o tratamento for rápido e administrado antes do aparecimento da paralisia, o prognóstico melhora ligeiramente.

Prevenção da neosporose canina

Uma vez que não existe um tratamento definitivo, a melhor medida que pode ser tomada é prevenir a doença de forma eficaz. Portais veterinários  informam que cadelas grávidas podem transmitir o patógeno para os filhotes por via transplacentária, por isso devemos ter muito cuidado com as fêmeas gestantes.

Os cães geralmente se infectam a partir do contato próximo com carne ou tecidos de animais de fazenda que tenham cistos de bradizoítos. Ainda não é totalmente conhecido se, além disso, os oocistos no ambiente também são infecciosos para os cães – embora sejam para os animais de interesse pecuário. Portanto, a melhor medida é limitar o contato entre cães e animais de fazenda tanto quanto possível.

Neosporose canina

Assim, como você pode ver, a neosporose canina muitas vezes passa despercebida, mas, quando se manifesta, pode ser fatal. Se houver sinais da doença na sua região, limite o contato do seu cachorro com animais de fazenda e ambientes ruraisDiante de doenças infecciosas, é sempre melhor prevenir do que remediar.

Pode interessar a você...
A toxoplasmose e os gatos
Mis AnimalesLeerlo en Mis Animales
A toxoplasmose e os gatos

A toxoplasmose é causada por um dos parasitas mais comuns no mundo: o Toxoplasma godii. Pode infectar todos os mamíferos.



  • Neosporosis, capcvet.org. Recogido a 21 de diciembre en https://capcvet.org/guidelines/neosporosis/
  • Dubey, J. P., & Lindsay, D. S. (1996). A review of Neospora caninum and neosporosis. Veterinary parasitology, 67(1-2), 1-59.
  • Dubey, J. P., Schares, G., & Ortega-Mora, L. M. (2007). Epidemiology and control of neosporosis and Neospora caninum. Clinical microbiology reviews, 20(2), 323-367.
  • McAllister, M. M., Dubey, J. P., Lindsay, D. S., Jolley, W. R., Wills, R. A., & McGuire, A. M. (1998). Rapid communication: Dogs are definitive hosts of Neospora caninum. International journal for parasitology, 28(9), 1473-1479.