O comportamento do lince-ibérico

Para além das necessidades biológicas, estudar o comportamento do lince-ibérico é fundamental para recriar as condições necessárias à sua conservação ex situ. Aqui você poderá conhecer esse aspecto um pouco mais a fundo.
O comportamento do lince-ibérico

Última atualização: 02 Agosto, 2021

O animal em questão, o felino mais ameaçado do mundo, precisa de toda a ajuda possível para se recuperar. O estudo do comportamento do lince-ibérico tem a mesma importância que todas as outras áreas da sua vida no que diz respeito à revitalização das populações da espécie.

Muitas vezes, as espécies próximas são as mais desconhecidas, o que nos leva a ignorar pequenas ações que poderiam ser tomadas para ajudá-las. Portanto, neste artigo você poderá aprender sobre o comportamento e os hábitos desse incrível animal.

Características do lince-ibérico

O lince-ibérico (Lynx pardinus) é uma espécie de mamífero da família Felidae endêmica da Península Ibérica. São animais de pequeno porte em relação às demais espécies de lince: sua altura média não ultrapassa 55 centímetros e seu peso gira em torno de 10 quilos.

Das 4 espécies de lince que existem, o ibérico tem a distribuição mais restrita. Habita principalmente matagais e formações rochosas ou montanhosas com altitudes inferiores a 1300 metros. Geralmente, refugia-se em cavernas.

É um animal estritamente carnívoro, cuja dieta se baseia praticamente em coelhos selvagens. Por isso, durante as duas epidemias que esses lagomorfos encararam na década de 1950, a população de lince-ibérico correu perigo junto com eles, já que esses carnívoros não tinham o que comer.

Esse felídeo tem um dimorfismo sexual acentuado em termos de tamanho: os machos são muito maiores que as fêmeas.

 

Lince-ibérico de boca aberta

O caráter do lince-ibérico

É um felino de hábitos crepusculares, cujos picos de atividade coincidem com os de suas presas: ao entardecer e ao anoitecer. Entre ambos os períodos, ele fica mais ativo no segundo e durante as primeiras horas da noite. Diferenças na atividade também são observadas de acordo com o sexo: os machos são muito mais ativos do que as fêmeas.

Os linces-ibéricos são solitários. São animais que se procuram apenas para acasalamento e os grupos são formados apenas por mães e filhotes. Em raras ocasiões, mais de um adulto pode ser encontrado alimentando-se de presas grandes.

Comportamento do lince-ibérico

A maior parte dos estudos etológicos efetuados no lince-ibérico foram em cativeiro. Foram obtidas dessas investigações informações valiosas para sua conservação que podem ser comparadas com estudos in situ, que avançam mais lentamente devido à dificuldade de observação dos espécimes em seu ambiente natural.

Comportamento social

Como a maioria dos felinos, o comportamento do lince-ibérico costuma ser solitário e territorial. Em geral, sua área pode chegar a 30 quilômetros quadrados, dependendo da disponibilidade de presas e água, além de abrigos e da presença de competidores.

Territórios de machos e fêmeas podem se sobrepor. No entanto, o dos machos costuma ser mais amplo. Ambos os sexos, no entanto, estabelecem os limites de sua área de forrageamento por meio da urina e de marcas de garras nas árvores e no solo.

A urina também fornece informações sobre a saúde, o sexo e o estado reprodutivo dos linces.

Comportamento alimentar

90% da dieta do lince-ibérico é baseada em coelhos selvagens (Oryctolagus cuniculus), embora também possa se alimentar de outras presas: lebre-ibérica (Lepus granatensis), diferentes espécies de aves, roedores e, raramente, filhotes de cervos.

O comportamento do lince-ibérico durante a caça segue uma estratégia de emboscada típica, semelhante ao resto dos felinos. Quando a presa é pequena, o lince geralmente a transporta para um local seguro para comê-la. Quando, por outro lado, a vítima é maior que o felino, ele a mata com uma mordida na garganta, pressionando a traqueia para interromper sua respiração.

Em raras ocasiões, o comportamento cooperativo pode ser observado entre pares reprodutores para a caça. Quando se trata de alimentação, os machos têm preferência sobre as fêmeas, a menos que a fêmea tenha filhotes em fase de amamentação. Dentro dos espécimes jovens, a hierarquia também é observada na alimentação, já que os maiores são os primeiros a se alimentar.

Comportamento reprodutivo

O sistema de acasalamento mais comum no Lynx pardinus é a poliginia, uma estratégia em que o macho copula com o máximo de fêmeas que puder. Normalmente, isso está sujeito à disponibilidade de fêmeas que têm territórios sobrepostos ao do macho.

O lince-ibérico atinge a maturidade reprodutiva aos 2 anos. No entanto, apenas após ter um território próprio estabelecido que as fêmeas começam a estar sexualmente disponíveis. O estro é sazonal e geralmente ocorre no inverno.

Durante a temporada de acasalamento, as fêmeas começam a vocalizar com chamados específicos para indicar o cio. Os machos disponíveis entram no território das fêmeas, espaço que compartilharão por 2 ou 3 semanas até a cópula.

Após o acasalamento, as fêmeas procuram um refúgio que lhes ofereça proteção contra predadores e intempéries. A gestação dura entre 63 e 66 dias, e os partos geralmente ocorrem no final de março. Podem dar à luz de 2 a 4 filhotes que serão cuidados apenas pela mãe, pois o macho abandona o território após a cópula.

Durante a lactação, que dura entre 5 e 6 meses, a fêmea pode trocar de abrigo. Os filhotes permanecem com a mãe até que o período de dispersão comece após seu primeiro ano de vida, que é quando os filhotes gradualmente se separam da progenitora à medida que se tornam independentes.

Estado de conservação do lince-ibérico

O lince-ibérico está em perigo de extinção. Suas maiores ameaças são a perda de habitat por exploração madeireira indiscriminada e pela urbanização, bem como pela caça furtiva. Atropelamentos acidentais também foram documentados onde foram construídas estradas em seus locais de passagem.

Felizmente, a população dessa espécie está aumentando graças aos esforços de conservação de várias organizações. Os programas de reprodução em cativeiro e a proteção de seus territórios estão dando pequenos e promissores frutos para esses felinos.

 

Um lince-ibérico em um tronco.

No entanto, essas vitórias são conquistadas apesar das adversidades, com cortes no orçamento, caçadores que fogem impunemente e construtoras que invadem seus territórios. Apoiar essas organizações, mesmo que seja com a divulgação através das redes, é também um trabalho fundamental para que esses maravilhosos felinos continuem a povoar a Península Ibérica.

Pode interessar a você...
Enriquecimento ambiental para grandes felinos
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Enriquecimento ambiental para grandes felinos

O enriquecimento ambiental para grandes felinos é muito diversificado. Varia desde melhorias nas instalações até a aplicação de jogos.



  • Aldama, J. J., Delibes, M. (1991a). Observation of feeding groups in the Spanish Lynx (Felis pardina) in the Doñana National Park, SW Spain. Mammalia, 55: 143-147.
  • Lince ibérico – Lynx pardinus – Comportamiento. (2021). Vertebrados Ibéricos. http://www.vertebradosibericos.org/mamiferos/comportamiento/lynparco.html
  • Rodríguez, A. & Calzada, J. 2015. Lynx pardinus (errata version published in 2020). The IUCN Red List of Threatened Species 2015: e.T12520A174111773. https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2015-2.RLTS.T12520A174111773.en. Downloaded on 06 July 2021.
  • Penabad, L. et al. (2012). Ritmos de actividad del lince ibérico (Lynx pardinus) en cautividad. Galemys, 24: 57-63.
  • Yerga Rufo, F. J. (2015). Ontogenia del comportamiento del lince ibérico (Lynx pardinus) en cautividad (Tesis). Universidad de Huelva, Huelva.
  • Cabezas-Díaz, S., Lozano, J., & Virgós, E. (2009). The declines of the wild rabbit (Oryctolagus cuniculus) and the Iberian lynx (Lynx pardinus) in Spain: redirecting conservation efforts. Handbook of nature conservation: global, environmental and economic issues, 283-310.
  • Lynx pardinus (Spanish lynx). (2021). Animal Diversity Web. https://animaldiversity.org/accounts/Lynx_pardinus/