O experimento de inteligência em que os cães falham

· outubro 29, 2018

A domesticação dos cães após muitas gerações levou-os a perder o instinto de cooperação para resolver problemas com outros cães.

Entretanto, isso não significa que não consigam ou que não possam conviver com outros animais. O que acontece é que eles se tornaram mais dependentes das pessoas.

Entenda, a seguir, o experimento de inteligência animal que os cães não conseguem solucionar.

Os cientistas nunca param de fazer experimentos para conhecer melhor a inteligência dos animais. Sabemos que os cães estão entre os animais mais inteligentes que existem.

No entanto, eles têm falhado num experimento que os lobos e, inclusive, os pássaros têm superado sem problemas.

O que medem os testes de inteligência animal?

Embora os chamemos de testes de inteligência animal, na realidade esses experimentos examinam muitas outras coisas.

Algumas delas podem ter relação com a inteligência tal e como conhecemos nos humanos. Obviamente, não são experimentos de matemática ou de lógica.

Por outro lado, eles buscam comprovar certas capacidades e comportamentos dos animais, como a cooperação, o altruísmo, a consciência de justiça, etc.

Um dos experimentos mais famosos dos últimos anos mediu essa última variável: dois macacos tiveram que fazer o mesmo exercício para obter um prêmio.

De novo e de novo, um dos macacos recebeu um prêmio com muito mais valor do que o outro e eles observaram o que estava acontecendo.

Após algumas repetições, o macaco que recebia o prêmio de menor valor começou a se aborrecer, até o ponto de recusar o prêmio por completo.

No entanto, observaram que seu aborrecimento estava dirigido à pessoa que dava os prêmios, não a seu companheiro símio.

Além disso, em alguns grupos, foi percebido que alguns macacos tentavam dividir seu prêmio com seu companheiro.

O teste em que os cães falham

O experimento de inteligência animal que os cães falham intentava descobrir até onde chega a cooperação entre dois animais da mesma espécie. Com isso, vários animais foram testados por muito tempo.

No experimento há uma plataforma com rodas e, em cima dela, há vários prêmios muito atraentes. Entretanto, essa plataforma está atrás de uma cerca e os animais precisam arrastá-la por meio de cordas.

As cordas, por sua vez, devem ser puxadas uma de cada vez, para que possam chegar aos prêmios.

Cachorros brincando com uma corda

Após um tempo com esse experimento em marcha, foi descoberto que os elefantes são capazes de resolver o problema em muito pouco tempo.

Além disso, os papagaios e corvos também conseguiram resolver como conseguir a comida.

A surpresa veio com os lobos, pois foram capazes de encontrar a solução rapidamente. Eles demonstraram um grande domínio da cooperação, inclusive quando chegavam em momentos diferentes às cordas.

Com isso, o primeiro que chegava esperava pelo segundo chegar para começar a puxar.

No entanto, os cães não se saíram tão bem. Eles demoraram a descobrir que a corda servia para puxar.

Logo, não eram capazes de se coordenar para puxar os dois extremos de uma vez. Os cães sempre acabavam sem seus prêmios.

Em alguns experimentos, foi descoberto que os cães muito treinados, como cães de resgate, conseguiram resolver esse quebra-cabeça após um tempo.

No entanto, apenas os cães realmente treinados conseguiam. Os cães que não tiveram adestramento prévio não souberam colaborar entre si.

Explicações possíveis

Após cada experimento de inteligência animal, busca-se explicar os resultados. Antes de desenvolver as conclusões, os cientistas esperavam que os cães conseguissem superar o desafio. Porém, surpreendentemente, como não conseguiram, foi preciso encontrar uma explicação.

Relataram que era esperado que os animais, como papagaios e corvos, conseguissem os prêmios, já que na natureza eles se veem obrigados a colaborar mutuamente.

Além disso, sabe-se que os corvos se comunicam entre si. Dessa forma, se um precisa de proteção, o resto do bando o ajuda e o acompanha.

O mesmo vale para os elefantes, já que levam uma vida nômade em manada. E, é claro, em sua vida eles precisam enfrentar problemas muito mais desafiadores do que puxar uma corda de cada vez.

Um vídeo foi feito no qual vários elefantes colaboravam para tirar um filhote de uma lagoa que não conseguia sair de lá sozinho.

inteligência animal: lobos uivando

Mas e os cães?

Os cães evoluíram para depender dos seres humanos. Os cães começaram a se diferenciar dos lobos quando rondavam os primeiros assentamentos humanos.

Eles se alimentavam de lixo, e portanto não precisavam mais colaborar para conseguir comida.

Portanto, os cães se tornaram mais dependentes dos humanos do que de outros caninos. Há muitas gerações que não necessitam da ajuda de outros de sua espécie para sobreviver.

Dessa forma, sua capacidade de cooperação foi esquecida. Entretanto, isso não significa dizer que não possam conviver e ser amigos de outros cães! O problema é que não estão acostumados a resolver problemas sozinhos.

Os experimentos de inteligência animal são muito variados e, apesar de não medirem o nível de inteligência da mesma maneira que nos humanos, nos permitem descobrir facetas surpreendentes da psicologia dos nossos amigos peludos.