As 11 doenças mais comuns no dragão-barbudo

As patologias mais recorrentes em dragões-barbudos são parasitismos intestinais, infecções por adenovírus e infecção por fungo amarelo. Saiba mais sobre seus principais quadros clínicos.
As 11 doenças mais comuns no dragão-barbudo
Cesar Paul Gonzalez Gonzalez

Escrito e verificado por o biólogo Cesar Paul Gonzalez Gonzalez.

Última atualização: 21 dezembro, 2022

O dragão-barbudo (Pogona vitticeps) costuma ser dócil, sociável, vistoso e fácil de manter em cativeiro. Isso o tornou um animal de estimação muito popular entre os fãs de répteis. Porém, é preciso ter cuidado com a saúde, já que os dragões-barbudos podem ser suscetíveis a diversas doenças.

Esse réptil possui grande resistência às condições adversas de seu habitat, embora isso não o torne imune a todas as patologias. Por esse motivo, deve-se manter o cuidado adequado para preservar a saúde do animal. Continue lendo e conheça as 11 doenças mais comuns no dragão-barbudo.

Fatores que promovem doenças no dragão-barbudo

A maioria das patologias de répteis em cativeiro é causada pelo descuido de seus tutores. Portanto, é necessário estar atento às necessidades do animal para evitar problemas que podem ser fatais. Alguns dos pontos a serem considerados são os seguintes:

  • Condições do habitat: os répteis dependem das condições do ambiente para ativar o seu metabolismo. Portanto, qualquer alteração pode ter consequências graves para a sua saúde. Os parâmetros de temperatura, umidade e iluminação são os que mais impactam o animal.
  • Dieta: a dieta dos animais onívoros costuma ser uma das mais complicadas de se manter, pois eles precisam de uma grande variedade de alimentos. Esse fator é muito importante, pois uma alimentação adequada mantém o corpo vigoroso e permite enfrentar as patologias. Além disso, há uma grande variedade de problemas nutricionais que podem custar a vida do réptil.
  • Higiene: com o passar do tempo, a sujeira no habitat se acumula, o que leva ao surgimento de perigosas fontes de infecção para o réptil. Você precisa ter um regime de limpeza adequado para evitar esse problema. Além disso, os tutores devem se lembrar de lavar as mãos antes e depois de manusear o animal, pois isso evitará a propagação de outras doenças.
  • Acidentes: qualquer lesão física sofrida pelo réptil pode levar a uma patologia grave, por isso é melhor tratá-la pronta e adequadamente.
A lipidose hepática em répteis pode ser fatal.

Quais são as doenças comuns no dragão-barbudo?

Os terrários em que vivem os dragões-barbudos costumam ser o local ideal para a eclosão de patógenos. Portanto, se o réptil estiver fraco por alguma falta de cuidado, será fácil que apresente alguma patologia que ameace sua vida. As doenças mais frequentes no dragão-barbudo estão listadas abaixo.

1. Doença óssea metabólica

A doença óssea metabólica é uma condição que atinge vários tipos de répteis domésticos. É causada pela falta de cálcio e vitamina D, que geralmente é o resultado de uma dieta pobre e iluminação inadequada (falta de raios UVA e UVB). Consequentemente, o metabolismo do animal começa a desmineralizar os ossos, deixando-os mais frágeis.

O tratamento consiste em dar suplementos alimentares ao animal, o que resolve o problema em pouco tempo. No entanto, os pacientes mais graves apresentam deformidades espinhais incapacitantes. Somente um veterinário poderá informar as opções disponíveis em cada situação.

2. Lipidose hepática

A lipidose hepática é causada pelo consumo de gorduras em excesso. Isso se deve a uma dieta mal balanceada ou a uma alimentação excessiva. Consequentemente, os ácidos graxos são armazenados no fígado e causam efeitos no metabolismo do animal. Os sinais clínicos mais comuns são perda de peso, letargia e palidez da mucosa interna.

O tratamento dessa patologia envolve mudanças na dieta do animal a fim de regular a ingestão de gorduras e interromper a aglutinação no fígado. No entanto, também é possível que uma doença adjacente esteja causando a lipidose, o que geralmente é descartado com uma revisão clínica exaustiva.

3. Hipovitaminose (deficiência de vitamina B1)

A vitamina B1 (tiamina) desempenha um papel essencial no corpo, pois ajuda a fornecer energia a todas as células do réptil. Por isso, a deficiência dessa substância causa paralisia, fraqueza e espasmos. No caso dos dragões-barbudos, a falta de tiamina pode se dever a uma dieta que não contém vegetais frescos.

4. Disecdise

A disecdise se refere a qualquer problema que os répteis tenham durante a muda. Esses casos geralmente são causados pela baixa umidade do ambiente, mas algumas parasitoses e outras doenças também estão envolvidas. As áreas mais afetadas são os dedos dos pés, a cauda e as patas.

A pele morta causa um efeito de torniquete, impedindo a circulação sanguínea. Consequentemente, os membros atrofiam e, eventualmente, são perdidos. Os sinais mais óbvios de disecdise são a presença de manchas opacas ou esbranquiçadas na pele.

5. Estomatite

Estomatite é o termo usado para descrever uma inflamação da boca, que pode ser causada por vários patógenos. No dragão-barbudo, essa situação costuma ser causada por uma bactéria que se aproveita da suscetibilidade de seus dentes (acrodonta). Isso porque a estrutura dentária desses animais é bastante frágil e os predispõe à infecção.

6. Ácaros

Ectoparasitas como os ácaros também são comuns na pele de répteis. Na verdade, existem três ácaros diferentes que podem infestar o dragão-barbudo e se instalar nas dobras de sua pele. O problema dessa parasitose é a sua persistência, pois sem o tratamento adequado é difícil eliminá-la por completo.

Além disso, é recomendável limpar constantemente o habitat do dragão-barbudo doente para evitar infecções futuras.

7. Doença do fungo amarelo

Essa doença é causada por um fungo patogênico que invade a pele do dragão-barbudo. Consequentemente, é gerada uma dermatite amarela muito evidente, que se expande à medida que a infecção progride. Essa patologia pode ser letal se piorar, pois também afeta órgãos internos e causa uma falha multissistêmica.

Para o diagnóstico é necessário que um profissional veja as lesões e confirme a presença do fungo. Quanto ao tratamento, apenas o veterinário pode sugerir o antifúngico e o medicamento adequado para o controle do quadro. Apesar disso, lembre-se de que ainda não existem medicamentos eficazes para curar a doença.

8. Infecção por vírus (adenovírus)

Os adenovírus são um grupo de patógenos que causam vários problemas no dragão-barbudo. Em geral, a maioria dos sintomas está associada ao sistema digestivo, por isso os animais afetados não crescem muito e perdem peso. Os espécimes mais afetados são jovens e recém-nascidos, mas também existem alguns casos em adultos.

A infecção pode ser detectada por uma variedade de exames clínicos, embora os testes de última geração (como o PCR) sejam um pouco mais eficientes. No entanto, atualmente não há tratamento eficaz para adenovírus.

9. Infecções intestinais (oxiúros e coccídios)

Os parasitas intestinais costumam ser comuns em espécimes alimentados com vegetais não desinfetados. Por esse motivo, endoparasitas como coccídios e vermes afetam o intestino do animal. Os sintomas mais comuns são letargia, diarreia e perda de peso. Em infestações graves de oxiúros, pode ser causada uma impactação intestinal.

10. Impactação intestinal

Os dragões-barbudos tendem a consumir acidentalmente certa parte de seu substrato, fazendo com que ele entre em seu sistema digestivo e cause alguns problemas. Portanto, é importante escolher bem esse aspecto do habitat. Caso contrário, substratos como areia, cascalho ou serragem podem se aglomerar no intestino do animal e causar impactação (obstrução).

11. Infecções respiratórias

O habitat dos répteis mantém as condições ideais para o desenvolvimento de vários patógenos. Consequentemente, microrganismos como bactérias crescem se não houver uma limpeza adequada. Como se não bastasse, a umidade permite que esses agentes fiquem em suspensão no ar e possam entrar nos pulmões do animal, o que causa doenças respiratórias.

Para evitar isso, é necessário ter uma ventilação excelente no terrário. Dessa forma, evita-se que o ar se aglomere e que as bactérias tenham condições de crescer. Vale lembrar que também é fundamental manter a limpeza da área, já que fezes e resíduos alimentares são fontes de infecção que promovem essa patologia.

As doenças comuns em dragões-barbudos são múltiplas.

Muitas das patologias nos répteis podem ser evitadas com uma boa manutenção do terrário. Leve em consideração todas as necessidades básicas do seu dragão-barbudo, caso contrário você terá que enfrentar suas doenças. Antes de qualquer mudança no comportamento ou no físico de seu animal de estimação, leve-o ao veterinário. Uma avaliação preventiva nunca é demais.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Schmidt-Ukaj, S., Hochleithner, M., Richter, B., Hochleithner, C., Brandstetter, D., & Knotek, Z. (2017). A survey of diseases in captive bearded dragons: a retrospective study of 529 patients. Veterinární medicína, 62(9), 508-515.
  • Raiti, P. (2012). Husbandry, diseases, and veterinary care of the bearded dragon (Pogona vitticeps). Journal of Herpetological Medicine and Surgery, 22(3-4), 117-131.
  • Benato, L. (2010). Managing stomatitis in pet reptiles. Vet Times (Peterb), 2, 1-4.
  • Boyer, T. H. (2015). Diseases of bearded dragons. In Proceedings of the Pacific Veterinary Conference (pp. 1-6).
  • Barboza, T. (2021). Hepatic Lipidosis in the Bearded Dragon (Pogona vitticeps): Diagnostic and Therapeutic Investigations (Doctoral dissertation).
  • Abarca, M. L., Martorell, J., Castellá, G., Ramis, A., & Cabañes, F. J. (2009). Dermatomycosis in a pet inland bearded dragon (Pogona vitticeps) caused by a Chrysosporium species related to Nannizziopsis vriesii. Veterinary dermatology, 20(4), 295-299.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.