Ornitorrinco: conheça este curioso animal

· outubro 27, 2018
Ele é considerado o "elo perdido" entre os mamíferos, pois põe ovos, nada e é capaz de injetar veneno. Sua estética 'híbrida' mistura pato e castor e também é muito marcante.

Bico de pato, cauda de castor e patas de lontra… venenosos, nadadores e ainda põem ovos, apesar de amamentarem. Este animal é muito curioso! No artigo a seguir, vamos contar tudo sobre o ornitorrinco, uma espécie endêmica da Oceania que chama nossa atenção.

Características do ornitorrinco

É um animal semiaquático mamífero nativo da ilha da Tasmânia e Austrália oriental, mas o mais curioso é sua aparência.

O bico é achatado como se fosse o de um pato e, além disso, ele tem uma cauda como as dos castores. Suas patas são semelhantes às das lontras, que lhes permitem nadar sem problemas.

Ele é conhecido como o “elo perdido” da evolução, pois o Ornithorhynchus anatinus (nome científico) põe ovos e amamenta filhotes, e os machos têm um esporão nas patas traseiras para liberar veneno.

Dois aspectos incomuns em mamíferos!

O corpo do ornitorrinco é castanho escuro, com áreas mais claras na barriga. Seu pelo espesso o protege do frio e da água e, também, mantém os órgãos internos aquecidos.

Os machos são um pouco maiores que as fêmeas e podem pesar 2,5 quilos.

Sua temperatura corporal gira em torno de 32°C, outro fato curioso para um mamífero, já que os demais apresentam uma temperatura de 38°C.

A cauda é usada apenas para manobras no lago e para reservar parte da gordura que lhe permite sobreviver no inverno.

No que diz respeito às patas, elas são voltadas para trás – como por exemplo a dos musaranhos – e são elas que o ajudam a tomar impulso na água. 

Além disso, as garras negras servem para cavar, pois são muito fortes.

ornitorrinco

Quanto ao bico, é plano e largo, de cor preta e textura macia e ‘pegajosa’. Ao contrário das aves, as narinas estão na ponta e abrigam um grande número de receptores olfativos.

Ele pode até cheirar debaixo d’água, habilidade que utiliza para se alimentar.

Hábitos do ornitorrinco

Este animal chama a nossa atenção por muitas características: uma delas é que pode injetar veneno através de esporas localizadas nas patas.

Embora ambos os sexos tenham essa característica, apenas os machos têm a capacidade de produzir essa substância. O veneno pode matar pequenos animais e causar muita dor nas pessoas (mas não é mortal).

Para detectar suas presas, o ornitorrinco usa a sensação de eletrorrecepção.

Isso significa que eles identificam os movimentos gerados pelas contrações musculares de certos animais, especialmente vermes, dos quais se alimentam. Também come larvas, insetos, lagostas e camarões de água doce.

Quando mergulha, fecha os olhos, ouvidos e nariz, mas pode encontrar comida com os receptores localizados no focinho. 

Também usa o focinho largo para cavar habilmente o fundo dos lagos ou riachos onde ele habita. Pode passar muito tempo na água e seu limite submerso sem respirar é de 30 segundos.

ornitorrinco

Reprodução do ornitorrinco

Sem dúvida, um dos aspectos mais marcantes desta espécie é o modo como ele se reproduz.

O ornitorrinco pertence ao grupo seleto de monotremados: mamíferos que põem ovos.

O complicado ritual de acasalamento ocorre na água, onde um macho e uma fêmea se reúnem em círculos.

A cópula ocorre entre junho e outubro, e a “mãe” constrói uma toca de até 20 metros de comprimento nas proximidades do espelho d’água onde habita.

Então ela o cobre com folhas e juncos, que ‘prende’ com a cauda. A cada ano, pode colocar entre um e três ovos pequenos, semelhantes aos dos répteis, com cerca de 11 milímetros de diâmetro e mais arredondados que os dos pássaros.

Esses ovos se desenvolvem primeiro no útero (aproximadamente por um mês) e depois são incubados externamente por cerca de 10 dias. Ao nascer, seus descendentes são cegos, pelados e completamente vulneráveis.

Eles se alimentam do leite materno, que é liberado através dos poros da pele, já que a espécie não tem mamilos. 

Este período dura cerca de três meses e durante todo esse tempo a mãe só sai às vezes à procura de comida. A partir do quarto mês, as crias estão prontas para sair do ninho.