Os últimos pastores de renas

janeiro 18, 2019
Trata-se dos Sami, o último povo indígena da Europa. Eles se encontram ao Norte do continente e seus animais domesticados estão ficando cada vez mais escassos, devido às mudanças climáticas e iniciativas do governo. 

Os Sami são alguns dos habitantes do norte da Europa, conhecidos por serem os últimos pastores de renas. Todos os anos, ainda se orientam pelo céu para saber quando é hora de começar a longa jornada com suas centenas de renas.

Os últimos pastores de renas

Esses últimos pastores de renas foram um dos primeiros povos a tomar consciência das mudanças climáticas.

No final da década de 1980, começaram a mudar suas práticas de pastoreio para enfrentá-las, já que sempre se adaptaram a condições hostis.

Os Sami são os proprietários de centenas de milhares de renas e, embora sejam pessoas normais, que se adaptaram ao modo de vida europeu, são também os últimos povos indígenas da Europa. 

Totalizam cem mil nativos, que vivem espalhados na Noruega, Suécia, Finlândia e até na Rússia.

Os últimos pastores de renas no século 21

Caça, pesca e pastoreio ainda são a principal atividade de uma cidade que ocupa 40% da Noruega.

Sua rota de transumância (migração periódica) atravessa as fronteiras de vários países, algo que parece incomodar as autoridades europeias.

Embora a contribuição econômica do povo Sami seja pequena, a verdade é que, juntamente com outros grupos étnicos em todo o mundo, eles têm sido os guardiões do Ártico por décadas.

Povo Sami: os últimos pastores de renas

Infelizmente, a mudança climática está aumentando os limites habitáveis ​​do planeta, pelo menos habitáveis ​​para a população urbana. 

Os Sami e outros povos indígenas têm vivido na fronteira com a vida selvagem durante séculos. Esta nova realidade ameaça um povo que ainda tenta viver em harmonia com a natureza.

Conheça as renas

Torna-se difícil falar sobre os Sami sem falar sobre as renas porque, mesmo que essas pessoas tenham deixado de viver em aldeias para morar em casas convencionais, muitos dos seus costumes não mudaram, como seu trabalho como pastores de renas.

Os Sami ainda são pastores de renas, aquele mamífero que vive na tundra e na taiga do hemisfério norte e que possui numerosas subespécies.

Embora ainda seja um animal selvagem, a verdade é que os Sami foram capazes de realizar a domesticação desta espécie; graças ao enorme rebanho de renas que se desenvolveu entre os séculos 16 e 18.

O fato é que na Suécia, na Finlândia e na Noruega, praticamente todas as renas têm donos da Lapônia, que comandam as suas migrações. Em contrapartida, as renas da Groenlândia, Islândia e América do Norte são selvagens.

Rena na neve

Uma curiosidade desses animais é sua visão ultravioleta, capaz de discernir seus predadores e os líquens, já que eles se alimentam entre nevascas e mantos de neve.

Pastores de renas e mudança climática

Embora os pastores de rena pareçam estar dispostos a se adaptar às mudanças, existem animais que não se adaptam tão rapidamente.

Entre 2013 e 2014, 30 mil renas morreram na península de Yamal devido a uma geada; metade da população de renas que vivia nessa área da Rússia.

Além disso, o pasto começa a diminuir, devido à mudança climática. Por exemplo, muitas rotas usadas pelo Sami com renas foram baseadas na travessia de grandes camadas de gelo, que começaram a se tornar frágeis e inseguras.

Enquanto isso, o ecossistema da tundra ao qual os Sami estão ligados está retrocedendo ano após ano, e cada vez mais se move para o Norte, junto com as espécies vegetais e animais com as quais eles vivem.

Governos, o perigo dos pastores de renas

Os Sami, no entanto, estão mais ameaçadas pelas ações governamentais, que criam cada vez mais infraestruturas bloqueando seu deslocamento.

Também não controlam o desmatamento das florestas e alteram os usos da terra sem consultar os habitantes da Lapônia.

Isso ocorre porque os polos estão se tornando mais acessíveis e, portanto, mais fáceis de explorar, de modo que as indústrias extrativistas estão encurralando os Sami e seus antigos territórios de pastagem.

Apesar de tudo, os Sami têm esperança, desde que lhes seja permitido tomar plena posse de suas terras e acesso livre aos territórios. Assim, poderão adaptar suas pastagens às mudanças climáticas.