Peixe-sapo: habitat e características

O termo "peixe-sapo" não se restringe a uma única espécie, e sim engloba uma família inteira com 83 membros. Aqui vamos nos concentrar no charroco, um dos mais curiosos.
Peixe-sapo: habitat e características

Última atualização: 11 Julho, 2021

O termo “peixe-sapo” não se refere a uma única espécie de animal dentro da classe dos actinopterígeos, mas abrange todos aqueles pertencentes à família Batrachoididae, por sua vez localizados na ordem Batrachoidiformes. Esse grupo inclui um total de 83 espécies, divididas em 21 gêneros diferentes, mas todas com certas características comuns.

Nesse sentido, vamos nos concentrar no charroco (Halobatrachus didactylus), único membro do seu gênero e que conta com uma aparência semelhante a de outros representantes mais conhecidos da família Batrachoididae. Se você quiser saber mais sobre essa espécie e seus parentes, continue lendo.

Habitat do peixe-sapo

Os peixes-sapos, como uma família, são encontrados em todo o mundo. A maioria das espécies incluídas nesse táxon são marinhas, embora muitas delas vivam em águas salinas intermediárias. A exceção à regra é a subfamília Thalassophryninae, com representantes que habitam apenas águas doces em rios da América do Sul, especialmente o Amazonas.

Por sua vez, o charroco (Halobatrachus didactylus) se distribui por todo o oceano Atlântico oriental, de Portugal a Gana, e pelo Mediterrâneo. Também foi introduzida na parte norte da Espanha devido a deslocamentos naturais, provavelmente devido ao aquecimento das águas. Conforme indicado pela Junta da Galiza, o primeiro avistamento nessa região data de 2018.

Esse peixe vive em fundos arenosos e rochosos a uma profundidade rasa, cerca de 100 metros da superfície, normalmente entre 10 e 50 metros. Como veremos nas linhas posteriores, sua coloração lhe permite se misturar completamente com o ambiente típico do fundo da coluna d’água mediterrânea.

Existem muitas espécies de peixes-sapos, distribuídos por quase todos os mares do mundo.

 

Charroco em fundo branco.

Características físicas

Em geral, os peixes-sapos não têm escamas e possuem cabeças grandes e achatadas. Suas bocas também são muito proeminentes, com maxilas e pré-maxilas altamente desenvolvidas. Geralmente, ficam pendurados na região inferior da boca apêndices ou barbilhões, órgãos sensoriais que ajudam esses animais a localizar comida em águas turvas, onde a visão não é útil.

Por outro lado, as brânquias são pequenas e lateralizadas. Esses peixes também possuem nadadeiras peitorais e pélvicas, que por sua vez são sustentadas por espinhos e vários raios moles. Além disso, o charroco apresenta 2 espinhos recobertos pela pele no canto superior do opérculo e 2 barbatanas dorsais.

A primeira dessas barbatanas dorsais tem 3 fortes espinhos recobertos, enquanto o segundo é sustentado por 19-24 raios longos e moles. Além disso, a pele dessa espécie não tem escamas, assim como os outros peixes-sapos, e é coberta por um muco característico. Sua cor é marrom-claro com manchas escuras que formam padrões e seu tamanho máximo é de 55 centímetros.

Essa tonalidade permite que o peixe-sapo se confunda com os tons do fundo do mar, sejam pedras ou areia.

Comportamento do charroco

O charroco é um animal sedentário que normalmente é encontrado em substratos formados por areia, rochas e lama. Além de seu tom críptico, esse peixe permanece parcialmente enterrado no fundo durante a maior parte do tempo, deixando expostas apenas suas nadadeiras mais proeminentes e a região cefálica. Nessa posição, ele fica esperando que suas presas passem na sua frente.

Peixes capazes de emitir sons

Para além dos seus hábitos em relação ao ambiente, esse peixe se destaca bastante por sua capacidade de produzir vocalizações. Além disso, de acordo com estudos publicados na revista científica FISH Biology, os sons emitidos variam de acordo com a época do ano. Durante o acasalamento, os machos emitem sons de assobio, enquanto outros registros vocais aparecem durante todo o ano.

Acredita-se que esse comportamento não esteja presente nos primeiros estágios do desenvolvimento. A emissão de sons parece começar quando os jovens se tornam capazes de gerar grunhidos com maior nível sonoro e menor frequência dominante.

Acredita-se que a capacidade fonatória dessa espécie tenha surgido com o objetivo de atrair fêmeas ou alertar outros machos dos limites territoriais. Essa característica é de grande interesse científico.

Alimentação

O peixe-sapo é solitário e permanece parcialmente enterrado em fundos ou nas fendas das pedras durante a maior parte de sua vida. Alimenta-se principalmente de moluscos, crustáceos e outros peixes de pequeno porte, razão pela qual é considerada uma espécie predatória. Sua estratégia é do tipo sit and wait, pois simplesmente espera que a vítima passe na sua frente e a engole com seu grande aparato cefálico.

Por outro lado, é importante notar que essa espécie tem pouca importância no comércio de peixes para fins alimentares. Apesar de serem conhecidos em regiões do sul de Espanha, esses animais não costumam ser consumidos no âmbito da gastronomia.

Como não possui dentes, essa espécie consome suas presas inteiras, sem mastigá-las ou despedaçá-las antes.

Reprodução de peixe-sapo

Segundo estudo publicado na revista científica General and Comparative Endocrinology, essa espécie tem um ciclo reprodutivo que vai de março a agosto, com pico entre maio e junho. Durante esse período, os machos produzem vocalizações especiais, graças ao uso e à contração de sua bexiga natatória. Esses sons servem para atrair fêmeas ou evitar conflitos com outros machos.

Os machos receptivos atraem as fêmeas para seus ninhos ou locais de residência. Se elas forem “convencidos” pelas vocalizações, irão liberar os ovos ao exterior, onde ocorre a fecundação externa. Esses ovos são pegajosos de um lado e aderem perfeitamente ao ninho do macho, o que os protegerá até a eclosão.

 

O peixe-sapo charroco camuflado.

Estado de conservação e notas finais

Conforme indicado pela União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), essa espécie é considerada “pouco preocupante (LC)” no que diz respeito à sua conservação. Algumas populações estão estabelecidas em áreas protegidas e não são exploradas para consumo no mercado, portanto não existem perigos reais que possam extingui-la imediatamente.

Se algo se destaca acima de muitas outras espécies, é a capacidade do charroco de produzir vocalizações tanto na época de acasalamento quanto fora dela. Essa característica despertou o interesse de cientistas e do público em geral.

It might interest you...
Os 7 peixes mais rápidos do mundo
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Os 7 peixes mais rápidos do mundo

A força muscular condiciona a capacidade motora de um ser vivo, mas há outros aspectos. Vamos apresentar os 7 peixes mais rápidos do mundo.



  • Halobatrachus didactylus, Redogal. Recogido a 21 de junio en https://redogal.xunta.gal/es/guia-especies/halobatrachus-didactylus
  • Amorim, M. C. P., Vasconcelos, R. O., Marques, J. F., & Almada, F. (2006). Seasonal variation of sound production in the Lusitanian toadfish Halobatrachus didactylus. Journal of Fish Biology, 69(6), 1892-1899.