O que é pitiose equina?

A pitiose equina é uma doença não contagiosa com mortalidade de quase 100% nos casos não tratados. Requer intervenção imediata.
O que é pitiose equina?

Última atualização: 10 Agosto, 2021

A pitiose equina é uma micose localizada, caracterizada pelo aparecimento de lesões granulomatosas cutâneas, subcutâneas, gastrointestinais e multissistêmicas causadas pelo microrganismo eucariótico Pythium insidiosum. Essa condição é chamada em inglês de swamp cancer (câncer do pântano), pois os surtos aparecem principalmente em regiões úmidas ou após enchentes.

A pitiose não é uma condição exclusiva dos cavalos, pois também pode afetar plantas, cães, aves e, ocasionalmente, humanos. Se você quiser saber tudo sobre essa condição séria em equídeos e como detectá-la antes que seja tarde demais, continue lendo.

O que é a pitiose equina?

A pitiose equina é uma condição não contagiosa causada pelo patógeno Pythium insidiosum, um microrganismo eucariótico pertencente à família Pythiaceae, à ordem Peronosporales e à classe Oomycetes. O micélio dessa espécie é composto por hifas septadas que formam esporângios na água e nos tecidos das plantas que parasita.

Até recentemente, essa doença só era considerada problemática em regiões úmidas e pantanosas, mas foram relatados casos em locais que não apresentam essas características. Por exemplo, em áreas secas dos Estados Unidos, como Illinois, Nova York e até mesmo Wisconsin, esporadicamente foram descritos sintomas de pitiose equina em espécimes.

O mecanismo patológico deste oomiceto pode ser resumido nos seguintes pontos:

  1. No meio aquático, as hifas desse microrganismo liberam zoósporos biflagelados capazes de se mover e nadar. Esses zoósporos procuram encistar em tecidos danificados, sejam animais ou plantas.
  2. No caso dos cavalos, a infecção ocorre por contato e se desenvolve no tecido cutâneo. Em cães, a infecção ocorre por ingestão dos zoósporos e os sinais clínicos são gastrointestinais.
  3. Equídeos, cães, gatos, bovinos, plantas, aves e humanos são hospedeiros potenciais para esse oomiceto. No entanto, a pitiose é mais comum em espécies e raças grandes que costumam entrar em contato com água doce.

Altas temperaturas, muita vegetação e água estimulam o crescimento desses microrganismos patogênicos.

 

Aprenda sobre a pitiose equina

Sintomas de pitiose equina

Conforme indicado pelo centro profissional AG Center , a pitiose equina se apresenta inicialmente como uma ferida que não cicatriza. Essa lesão é um excelente ponto de entrada para o patógeno e o local da infecção. Uma vez que Pythium tiver colonizado o tecido, a área se torna granulomatosa e são armazenadas nela células necrosadas, dando origem a estruturas conhecidas como kunkers.

Essas lesões ocorrem exclusivamente nas pernas ou no abdômen do cavalo. Se o exemplar apresentar mais de um granuloma, todos se expressam no mesmo local, dando à ferida a aparência de um tumor com muitos núcleos de crescimento. A massa cheira muito mal, tem um centro duro e produz descargas serosas e sanguinolentas continuamente.

Por esse motivo, a pitiose equina também é conhecida como swamp cancer ou câncer do pântano em cavalos. As lesões se desenvolvem como massas semelhantes a tumores, especialmente nas extremidades, o que pode causar certa confusão. Essa condição é fatal em mais de 95% dos casos se não for tratada imediatamente.

A pitiose equina é um tipo de câncer?

Embora as lesões granulomatosas se assemelhem a um tumor cancerígeno, deve-se observar que, na verdade, elas têm pouco a ver com o câncer. Nas neoplasias malignas, uma linhagem celular sofre mutações genéticas e cresce descontroladamente, podendo também se espalhar para outros tecidos em um processo conhecido como metástase.

Na pitiose equina, as lesões necrosadas adquirem uma forma intumescida, mas não seguem os mesmos mecanismos de desenvolvimento do câncer e não se espalham para outras partes do corpo. Portanto, o termo swamp cancer não é muito bem empregado.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico é feito pela observação e obtenção de amostras da lesão, que serão analisadas para encontrar o patógeno exato. Nesses casos, a Reação em Cadeia da Polimerase (PCR) é muito útil, amplificando o genoma do microrganismo e confirmando sua presença com testes específicos.

Embora o diagnóstico seja relativamente simples, o tratamento é outra questão. Pythium insidiosum parece um fungo, mas não é, então a grande maioria dos antifúngicos são inúteis no tratamento dessa doença. A abordagem da pitiose equina é feita por meio de imunoterapia com algo semelhante a uma vacina, mas que não pode ser administrada preventivamente.

A vacina imunoterapêutica previne a reação alérgica causada pelo microrganismo, o que reduz o risco de morte. Conforme indicado por fontes veterinárias, essa solução complexa é comercializada sob o nome de Pitium Vac®.

As injeções subcutâneas são administradas nos dias 1, 7 e 21 do tratamento. O cavalo deve ser examinado novamente aos 28 dias e, se a lesão ainda estiver presente, outra rodada completa de vacinação deve ser aplicada. As primeiras versões dessa vacina relataram 100% de efetividade em casos agudos, mas foram muito menos efetivas em casos crônicos.

Atualmente, as novas variantes do medicamento são muito efetivas em quadros agudos e curam 50% dos pacientes crônicos. A taxa de efetividade total é de 75%.

Uma mulher abraça um cavalo com gripe equina.

A pitiose equina é uma condição que se torna grave e fatal em quase 100% dos casos se não for tratada a tempo. Felizmente, as vacinas desenvolvidas desde a década de 1980 deram resultados muito bons e hoje em dia o prognóstico geral para cavalos infectados é positivo. Diante de uma lesão desse tipo em equídeos, é imprescindível consultar urgentemente o veterinário.

Pode interessar a você...
Por que os cavalos relincham?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Por que os cavalos relincham?

Os animais se expressam de várias maneiras, mas você já se perguntou por que os cavalos relincham? Descubra essa incrível resposta.



  • Becegatto, D. B., Zanutto, M. D. S., Cardoso, M. J. L., & Sampaio, A. D. A. (2017). Equine phytiosis: literature review. Arquivos de Ciências Veterinárias e Zoologia da UNIPAR, 20(2), 87-92.
  • Carvalho, A. D. M., de Galiza, G. J. N., Toma, H. S., de Camargo, L. M., Munhoz, T. C. P., & Kommers, G. D. (2016). Treatment of phytiosis in gestation mare using intravenous regional perfusion of amphotericin B and dimethyl sulfoxide. Revista Brasileira de Ciência Veterinária, 23(1/2), 28-31.
  • Miller, R. I. (1983). Investigations into the biology of three ‘phycomycotic’agents pathogenic for horses in Australia. Mycopathologia, 81(1), 23-28.
  • Pires, L., Bosco, S. D. M., da Silva Junior, N. F., & Kurachi, C. (2013). Photodynamic therapy for pythiosis. Veterinary dermatology, 24(1), 130-e30.
  • Javier, E., Rosas, D., Alfonso, D., & Maldonado Arango MD MSc, M. I. Mycoses for Pythium insidiosum. First case with definitive diagnosis in Colombia.