Pneumotórax em cães: características e tratamento

O pneumotórax em cães é uma doença de elevada importância médica. É preciso saber identificá-la rapidamente para iniciar o melhor tratamento e conseguir sua correção.
Pneumotórax em cães: características e tratamento

Última atualização: 07 Setembro, 2021

Quando ocorre uma doença no corpo do seu animal, nem sempre é fácil identificá-la apenas com uma avaliação visual. Algumas patologias podem se expressar de diferentes maneiras: às vezes se manifestam de forma silenciosa, enquanto em outras apresentam sinais que rapidamente chamam nossa atenção. O pneumotórax em cães é um exemplo claro disso.

De acordo com a etiologia, o comportamento da condição que vamos abordar aqui pode ser diferente. Seja qual for o motivo da doença, é importante agir o mais rápido possível para evitar qualquer tipo de complicação. Continue lendo e aprenda mais sobre essa curiosa doença que se manifesta em cães.

O que é o pneumotórax em cães?

Os pulmões são cobertos por uma fina camada de tecido que, por sua vez, reveste a parede interna da cavidade torácica. Quando ocorre uma entrada de ar que se acumula nessa cavidade (e até no espaço pleural), o quadro é denominado “pneumotórax”.

Para facilitar seu estudo, e com base em sua causa, o pneumotórax em cães é classificado como traumático e atraumático. No pneumotórax atraumático, como o próprio nome sugere, apresenta-se sem qualquer lesão prévia, manifestações clínicas ou antecedentes iatrogênicos.

Por outro lado, o pneumotórax traumático é aquele que o seu animal pode apresentar após ter recebido um impacto, batida, mordida ou qualquer acidente físico. Esse quadro, por sua vez, será classificado como aberto ou fechado. Os sinais e as causas que caracterizam cada um desses tipos de pneumotórax são diferentes. Portanto, explicaremos um pouco mais sobre cada um deles a seguir.

 

Um exemplo de pneumotórax em cães.

Pneumotórax aberto

No processo fisiológico normal da respiração, o ar entra nos pulmões durante a inspiração e depois sai na expiração. Quando um pneumotórax traumático de tipo aberto se desenvolve, há pequenas mudanças nas pressões intratorácicas, resultando em um colapso total ou parcial do pulmão.

Essas pressões ocorrem porque o ar, uma vez que entra, não consegue mais sair em sua totalidade e, por isso, vai se acumulando progressivamente. A pressão mecânica será exercida sobre as estruturas dentro da cavidade torácica. Em resposta, o cão pode expandir o tórax para compensar esse estado desconfortável.

Em alguns casos, a pressão exercida é tão grande que os músculos inspiratórios (junto com o diafragma) entram em colapso. O sistema cardiovascular também será afetado. Devido à perda da pressão intrapleural negativa, o retorno venoso ao coração diminui, seguido por uma diminuição do débito cardíaco e insuficiência cardíaca que pode levar à morte.

Pneumotórax fechado

Esse tipo de pneumotórax em cães ocorre como resultado de um trauma que causou a ruptura dos alvéolos pulmonares. Às vezes, não é necessário iniciar o tratamento para a resolução desse pneumotórax, porém, ir a uma consulta para avaliação médica sempre será a melhor opção.

Um pneumotórax sem antecedentes iatrogênicos nem traumáticos é considerado espontâneo. Para que esse quadro clínico ocorra, o ar pode entrar na cavidade torácica de duas maneiras diferentes:

  1. Via aérea: a presença de tecido pulmonar prejudicado pode dar origem a vesículas ou bolhas cheias de ar nas bordas dos lobos pulmonares, que eventualmente se rompem e expelem o ar inalado na cavidade torácica.
  2. Via esofágica: o pneumotórax em cães também pode ser gerado quando o esôfago sofre uma perfuração. O vazamento de ar se acumula sob a pele ou ao redor de estruturas intratorácicas, como o coração.

Sintomas de pneumotórax em cães

Em todos os tipos de pneumotórax em cães, a respiração superficial, juntamente com a hiperventilação e a taquipneia, serão os principais sinais que poderão ser observados no seu animal. No entanto, existem outros sintomas, pois também são indicativos de um provável pneumotórax:

  • Aumento da frequência respiratória.
  • Respiração rápida e superficial.
  • Posturas ortopneicas (o cão alonga o pescoço e mantém os cotovelos para trás, a fim de abrir as vias aéreas e facilitar a inspiração).
  • Tosse.
  • Tórax proeminente.
  • Cianose devido à baixa oxigenação.

Diagnóstico da doença

Como com qualquer outra doença, é melhor começar com uma avaliação física geral, especialmente em pacientes que sofreram acidentes ou ferimentos. Nesses casos, os cães podem até ter fraturas, hemorragias ou tórax flutuante, situações de grande importância médica e que também requerem atenção imediata.

Existem muitas ferramentas que o veterinário pode usar para diagnosticar o pneumotórax em cães. As duas técnicas mais utilizadas são as seguintes.

Placas radiográficas

O uso da radiologia permite que a presença de ar seja observada além dos pulmões. É considerado um exame preciso para o diagnóstico de pneumotórax em cães, mas não para identificar sua causa.

Recomenda-se realizar o exame em três projeções, pois isso permitirá visualizar todas as anormalidades nas estruturas dentro da cavidade torácica. Deve ser feito um manuseio cuidadoso para evitar o aumento do estresse do paciente.

Tomografia computadorizada

Além dos benefícios da radiologia, a tomografia computadorizada aumenta o alcance de análise das estruturas internas. A presença de bolhas e lesões por perfurações pode ser evidenciada por meio dessa técnica.

Tratamento do pneumotórax em cães

Em qualquer caso de pneumotórax em cães, deve-se começar pela estabilização do paciente. A oxigenação revelou-se muito eficaz, porque em alguns casos o cão chega à consulta com um quadro atelectásico, ou seja, um colapso pulmonar grave.

Você já ouviu falar em toracocentese? Essa técnica tão útil permite proporcionar alívio imediato ao paciente, bem como facilitar o diagnóstico de pneumotórax em cães. Por meio de uma agulha ou cateter, o veterinário faz uma punção na parede torácica, a fim de observar a presença de ar e ao mesmo tempo extraí-lo do local.

O tratamento cirúrgico é a opção utilizada em cães com pneumotórax espontâneo ou com quadros muito graves. O médico fará uma avaliação do paciente, na qual decidirá o procedimento a ser realizado. Às vezes, a remoção do lobo pulmonar afetado pode ser indicada.

 

Um cão sedado recebendo oxigênio.

Como você deve ter percebido, o pneumotórax pode ocorrer de várias maneiras em cães. Independentemente do tipo manifestado, um diagnóstico oportuno, aliado a um tratamento adequado, evitará que o problema se agrave e os efeitos sejam maiores. Sempre consulte seu veterinário para qualquer um dos sintomas acima mencionados.

Pode interessar a você...
Doenças oncológicas em cães: tudo o que você precisa saber
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Doenças oncológicas em cães: tudo o que você precisa saber

As doenças oncológicas mais comuns em cães são os linfomas e os hemangiossarcomas, entre outras neoplasias menos conhecidas. Saiba mais!