Por que os cães grandes não vivem tanto quanto os pequenos?

Um tamanho corporal maior corresponde a uma expectativa de vida mais curta. Por que isso acontece? Uma possível explicação para o fato de os cães grandes não viverem tanto quanto os pequenos é o seu crescimento acelerado.

Última atualização: 08 Fevereiro, 2021

Existe um fenômeno bem conhecido no mundo canino: cães grandes não vivem tanto quanto os pequenos. Enquanto as raças pequenas têm uma expectativa de vida média de 12 a 14 anos, as raças maiores vivem entre 8 e 10 anos. As chamadas ‘raças gigantes’ vivem apenas de 5 a 8 anos.

No curto prazo, cães grandes podem ter uma vantagem em termos de sobrevivência e oportunidade reprodutiva. No entanto, crescer rapidamente e manter um corpo grande pode custar a redução da longevidade.

A taxa de crescimento é muito diferente entre raças de cães grandes e pequenos

É um fato que cães grandes crescem muito rápido. Pense em um dogue alemão: do nascimento ao primeiro aniversário, eles ganham 100 vezes seu peso.

Nesse mesmo período, os lobos aumentam 60 vezes e os poodles apenas 20 vezes. Pesquisas na última década sugeriram que indivíduos maiores morrem mais jovens porque têm uma taxa de crescimento acelerada.

Portanto, alguns especialistas acreditam que esse aumento da atividade é acompanhado por um aumento prejudicial dos radicais livres, que em teoria acelerariam o envelhecimento.

Os especialistas concluíram que, para cada aumento de dois quilos na massa corporal canina, pode-se estimar uma perda de aproximadamente um mês na expectativa de vida.

A incidência de câncer em cães grandes pode contar para uma longevidade mais curta

É um fato que cães grandes estão mais sujeitos a problemas de saúde, como distúrbios do desenvolvimento e doenças musculoesqueléticas. Eles também sofrem de mais problemas gastrointestinais e tumores.

Essas doenças estão relacionadas ao seu crescimento acelerado e parecem ser efeitos colaterais indesejados da reprodução seletiva de grandes organismos a curto prazo. Na natureza, o aparecimento de raças grandes se deve à evolução por seleção natural, que leva longos períodos de tempo.

Lembre-se de que as raças de cães foram criadas artificialmente por humanos para selecionar sua aparência ou comportamento e não necessariamente sua saúde. Esse processo exigia considerável endogamia para produzir cães de “raça pura”.

Agora, além das simples peculiaridades de procriação que levaram a uma genética ruim e problemas de saúde, existem mecanismos mais gerais que determinam a longevidade.

Telômeros: emblemas genéticos do envelhecimento

É importante lembrar que nosso material genético, especificamente o DNA, é armazenado em estruturas celulares chamadas cromossomosOs telômeros são as porções protetoras nas extremidades desses cromossomos. Em humanos jovens, por exemplo, os telômeros têm cerca de 8000 a 10 000 nucleotídeos de comprimento. Conforme ocorre o envelhecimento, os telômeros vão ficando mais curtos.

Isso ocorre porque os telômeros são divididos ou encurtados a cada divisão celular. Isso é importante porque, quando eles atingem um comprimento criticamente curto, a célula para de se dividir e dá um dos sinais para morrer.

A erosão dos telômeros ao longo do tempo tem sido associada ao envelhecimento e ao risco de doenças, incluindo o câncer.

Então, por que os cães grandes não vivem tanto quanto os pequenos?

Em geral, a expectativa de vida é frequentemente entendida como a extensão da vida até o envelhecimento. O que parece estar acontecendo – e é por isso que os cães grandes não vivem tanto quanto os cães pequenos – é que eles precisam executar seu metabolismo e seus mecanismos de crescimento em alta velocidade.

As células se dividem rapidamente para permitir que os cães cresçam até seu tamanho final. Infelizmente, com cada divisão celular, o comprimento dos seus telômeros é encurtado um pouco, o que acelera o envelhecimento. Por sua vez, a alta renovação celular influencia o surgimento de várias doenças, incluindo o câncer.

Isso é o que se sabe até agora: ainda não temos um entendimento totalmente claro de por que crescer mais rápido leva ao envelhecimento acelerado.

Pode interessar a você...
Mis AnimalesLeerlo en Mis Animales
Como detectar o envelhecimento cerebral canino?

O envelhecimento cerebral canino se manifesta com mudanças progressivas no comportamento habitual do cão, mas com uma alimentação isso pode ser controlado.



  • Miller, R. A., & Austad, S. N. (2005). Growth and aging: why do big dogs die young?. In Handbook of the Biology of Aging (pp. 512-533). Academic Press.
  • Kraus, C., Pavard, S., & Promislow, D. E. (2013). The size–life span trade-off decomposed: why large dogs die young. The American Naturalist, 181(4), 492-505.