Por que os cães uivam?

· maio 2, 2018
O uivo não é um comportamento comum, mas, no entanto, é típico da espécie, sobretudo entre os lobos, seus predecessores; serve como meio de comunicação com outros congêneres e até mesmo com humanos.

Os cães, assim como os lobos, ao invés de latir, às vezes uivam, um comportamento que nos deixa atônitos. Como não se trata de um comportamento normal, temos certeza de que você se pergunta o porquê de eles fazerem isso, então, neste artigo, contaremos tudo sobre esse fenômeno.

O uivo da família Canis

Em primeiro lugar, você não deve se preocupar, o uivar em lobos e cães não é um sintoma de algum mal; é uma forma de comunicação bastante comum dessas espécies. O uivo é usado para que eles possam se comunicar a longas distâncias com outros indivíduos, por várias razões.

Embora não o tempo todo, uivar é uma maneira de se comunicar; às vezes, é apenas um reflexo natural deles, quando ouvem algum som que os lembra o uivo. As sirenes de ambulâncias e de viaturas, algumas cornetas e até mesmo certos tons da voz humana podem desencadear esse comportamento.

Esta é a resposta simples para esta questão, mas vamos mais a fundo para explicar os motivos e mitos que existem sobre o uivar.

Por que um cão uiva?

Os cães têm diferentes formas de se comunicar com os membros de suas próprias espécies e com os seres humanos em geral. Essas formas são muito variadas, desde gestos e caretas até os latidos, e os uivos também se enquadram nesta categoria de comunicação.

Cachorro latindo

Devemos ter em mente que a audição dos cães, como o sentido do olfato, é muito mais desenvolvida do que a dos humanos. Então, uivar é uma maneira muito comum de se comunicarem com seus colegas a grandes distâncias.

E nem sempre é com membros da mesma raça; há casos em que as raças caçadoras, ao se afastarem muito de seus donos, uivam para indicar a localização delas ou a localização da presa.

O uivar também é uma maneira de indicar o estado emocional que o animal tem em um determinado momento. É muito recorrente ouvir os animais de estimação uivarem com toda a força durante o dia para afastar a solidão que sentem quando não têm ninguém para lhes fazer companhia.

Então, como posso diferenciá-los?

Para isso, você deve fazer uma autoavaliação como dono de seus animais de estimação e fazer perguntas do seguinte tipo: eu deixei a janela aberta? Deixei algo com ele para se entreter? Eu fiquei ausente por muito tempo?

Esses tipos de perguntas são vitais para o reconhecimento das razões pelas quais um cão uiva. Nesse sentido, você não deve se preocupar com um mau presságio ou algo assim.

Cachorro uivando

Na verdade, estudos da Universidade da Califórnia confirmam outra teoria sobre o uivo em cães: às vezes eles não podem resistir. Um cão não sabe quando realmente um outro cão está realmente uivando, então qualquer som semelhante o levará a se comportar desse jeito.

Outra razão pela qual um uivo canino ocorre é devido à presença de um intruso no local. O uivo, neste caso, tem a função de alertar a matilha ou os humanos sobre os intrusos que invadem o território, então coloque-se em guarda, se este for o caso.

Esse comportamento pode ser evitado?

A verdade é que não. O uivo é um comportamento natural e inato dos cães e, como já dissemos, uma maneira de se comunicarem com outros membros. O melhor que podemos fazer é garantir que eles não sejam tão recorrentes.

Para fazer isso, devemos evitar que o nosso cão se sinta ansioso durante nossa ausência: deixe um brinquedo ou dois para que ele possa se divertir. Durante a noite, tente fechar a janela para isolar os sons externos, mas você deve se certificar de que a casa ainda estará fresca para o animal.

Alguns mitos sobre os uivos

  • Existe a crença de que o uivo de um cão é o sinal de algum mal que se aproxima do núcleo familiar. Provavelmente, esse mito surgiu na época da Idade Média, devido à dor da morte de seus donos, ceifados pela peste negra.
  • Os lobos não uivam na lua e em lugares altos. Em qualquer caso, é uma mera coincidência e os lugares altos ajudam a espalhar as ondas sonoras ainda mais.
  • Nesta ordem de ideias, não é um sinal da existência de lobisomens, nem em Paris nem na Transilvânia. De qualquer forma, são lendas de origem popular que foram massificadas com a diversificação da mídia.