Por que o peixe betta é agressivo?

Para observar o comportamento agressivo dos peixes betta, um espelho costuma ser usado para fazê-los acreditar que estão na frente de outro macho. Documentar seu comportamento é essencial.
Por que o peixe betta é agressivo?

Última atualização: 31 Outubro, 2021

O peixe betta (Betta splendens) é um organismo muito procurado para aquários devido às suas barbatanas e às cores coloridas que apresenta. Além disso, esses peixes são fáceis de manter em aquários caseiros, por isso são altamente recomendados para iniciantes na aquariofilia. No entanto, nem tudo é perfeito: os peixes betta costumam ser agressivos, o que é uma característica problemática da espécie.

Embora possa não parecer, o comportamento é uma característica adaptativa dos organismos, então há uma razão por trás da hostilidade dessa espécie. Continue lendo para saber por que os peixes betta são agressivos.

Como é um peixe betta em vida livre?

O corpo dos bettas atinge um tamanho aproximado de 6 centímetros de comprimento e eles possuem nadadeiras caudal, anal e pélvicas bastante grandes. A coloração natural desses peixes mostra uma fusão verde-marrom com manchas e listras brilhantes. Além disso, o dimorfismo sexual é evidente: os machos são mais resplandecentes, enquanto as fêmeas exibem tamanhos maiores.

O nome científico desta espécie é Betta splendens, um membro da família Osphronemidae que é capaz de viver em águas com pouco oxigênio. Para isso, esse peixe desenvolveu um órgão especial conhecido como labirinto, que lhe permite captar oxigênio do ar. Quando a água é de má qualidade, os bettas vão para a superfície e respiram.

Graças a isso, os bettas podem resistir em corpos d’água em más condições com excesso de vegetação e matéria orgânica.

Um dos peixes para iniciantes.

Qual é a utilidade de ser agressivo?

O comportamento agressivo tem um papel importante na natureza, pois faz mais do que apenas cuidar da integridade do indivíduo. Esse mecanismo também permite obter um companheiro, manter o status social ou defender os descendentes de todos os perigos. Vista de outra forma, a hostilidade é uma aptidão do organismo que exibe a capacidade de ter sucesso em seu ambiente.

Aos olhos da seleção natural, um animal é bem-sucedido quando é capaz de sobreviver e explorar todos os recursos de seu ambiente. Ou seja, não só a capacidade de permanecer vivo conta, mas também a capacidade de obter alimento, encontrar um parceiro e proteger a prole.

Graças à agressividade, os organismos mais aptos são selecionados e têm maiores benefícios para resolver suas necessidades. Da mesma forma, isso também implica que os “melhores genes” são aqueles que são transmitidos às gerações subsequentes, o que favorece o processo evolutivo das espécies em geral.

O comportamento agressivo dos peixes betta

Essa espécie costuma ser social quando convive com outros peixes do aquário e só apresenta comportamento agressivo com seus congêneres. Essa situação fica evidente quando dois exemplares do mesmo gênero se encontram, mas o comportamento é mais acentuado nos machos do que nas fêmeas.

Quando um betta macho encontra outro, os dois iniciam um tipo de ritual no qual tentam ameaçar seu competidor. Para começar, os exemplares mostram o comprimento das barbatanas, estendendo-as em todo o seu esplendor em sinal de superioridade. Eles fazem isso para mostrar quem é o maior e assustar o adversário.

Se isso não funcionar e ambos mantiverem suas intenções de lutar, eles continuam com a exibição de suas brânquias, aumentando sua aparência ameaçadora. Quando nenhum dos dois desiste, os machos começam a lutar entre si com o objetivo de matar seu oponente (na pior das hipóteses). No final, o indivíduo que se retira ou morre no processo perde a batalha.

Por que o peixe betta é agressivo?

O peixe betta é agressivo porque disputa uma posição social em seu ambiente natural, o que lhe permite acumular alimentos e ter acesso às fêmeas. Embora pareça estranho, isso é muito importante para a espécie, pois sem esses recursos os espécimes não seriam capazes de se reproduzir e deixar descendentes.

Esses peixes têm a capacidade de lembrar distâncias e detectar espécimes dominantes apenas com a visão. Esse mecanismo de reconhecimento os ajuda a evitar que conflitos terminem em brigas. Uma luta física entre os espécimes acarreta mais perdas do que ganhos, já que os ferimentos podem ser graves para ambos.

Na verdade, apenas manter as nadadeiras estendidas já consome muita energia, tornando as batalhas ainda mais caras para os machos. Por causa disso, a tendência é que os peixes betta fiquem apenas um pouco assustados para evitar a luta a todo custo.

Em um aquário a distância é reduzida, de forma que, apesar de os peixes tentarem evitar, é quase certo que o conflito terminará em uma fatalidade.

Um dos peixes para um pequeno aquário.

Como você pode ver, o comportamento agressivo representa uma característica que beneficia a adaptação da espécie. Embora possa não parecer, o comportamento animal é mais uma ferramenta evolucionária (e não apenas atitudes aleatórias sem sentido). Essa ideia coincide com o que o geneticista Dobzhansky afirmou em 1973: “nada faz sentido na biologia, exceto à luz da evolução“.

Pode interessar a você...
Peixes que não podem viver juntos em um aquário
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Peixes que não podem viver juntos em um aquário

Embora a ideia de ter um aquário de peixes variados e coloridos seja muito atrativa, é preciso lembrar que existem peixes que não podem viver junto...



  • Collias, N. E. (1944). Aggressive behavior among vertebrate animals. Physiological Zoology, 17(1), 83-123.
  • Pleeging, C. C. F., & Moons, C. (2017). Potential welfare issues of the Siamese fighting fish (Betta splendens) at the retailer and in the hobbyist aquarium. Vlaams Diergeneeskundig Tijdschrift, 86(4), 213-223.
  • Polgardani, N. Z., Rouzbehani, S., & Parsaiyan, M. (2017). Male Siamese fighting fish (Betta splendens) recognize resource holding power of opponents. Aquaculture, Aquarium, Conservation & Legislation, 10(4), 977-982.
  • Lynn, S. E., Egar, J. M., Walker, B. G., Sperry, T. S., & Ramenofsky, M. (2007). Fish on Prozac: a simple, noninvasive physiology laboratory investigating the mechanisms of aggressive behavior in Betta splendens. Advances in Physiology Education, 31(4), 358-363.
  • Braddock, J. C., & Braddock, Z. I. (1955). Aggressive behavior among females of the Siamese fighting fish, Betta splendens. Physiological Zoology, 28(2), 152-172.
  • Castro, N., Ros, A. F., Becker, K., & Oliveira, R. F. (2006). Metabolic costs of aggressive behaviour in the Siamese fighting fish, Betta splendens. Aggressive Behavior: Official Journal of the International Society for Research on Aggression, 32(5), 474-480.