Quando usar uma coleira antilatidos?

· julho 11, 2018
Além de não alcançar o resultado desejado, essas engenhocas podem causar problemas de saúde física e mental. Também pode atuar mesmo quando o cão não pretende latir, simplesmente por um estímulo na garganta, o que a torna indesejável.

Um dos hábitos que dos cães que mais nos incomodam são os latidos. Quando um cachorro está latindo muito, algumas pessoas consideram a possibilidade de usar uma coleira antilatidos. Nós lhe diremos o que são e como elas funcionam.

O que é uma coleira antilatidos

Uma coleira antilatidos é um tipo de colar que incorpora um dispositivo. Ele é ativado quando detecta atividade na garganta do cão. Este dispositivo envia ao animal estímulos desagradáveis ​​para evitar que ele lata: os mais comuns são choques elétricos, mas também há ultrassons, vibração e spray.

O que esses colares procuram é punir o cachorro quando ele late, para tentar pará-lo. Pretende-se que o cão relacione os sons emitidos com a garganta com um estímulo desagradável: para evitar este estímulo, ele não fará mais os sons.

Esta é a teoria por trás desses colares. No entanto, ignora-se que existem muitas causas diferentes para o latir e que nem todas são voluntárias. O latido é um elemento na comunicação, mas existem muitos tipos diferentes de latidos. Latir de origem emocional, por exemplo, não pode ser evitado.

Consequências físicas do uso de uma coleira antilatidos

Existem muitos tipos de coleiras antilatidos, todas têm consequências para a saúde dos cães. Este tipo de dispositivo fica localizado na garganta do animal, que é uma das partes mais delicadas de seu corpo: as glândulas secretoras de hormônios estão localizadas na garganta, incluindo a glândula tireoide. Além de serem ramificados, alguns dos nervos mais importantes do corpo se conectam diretamente com a medula espinhal, portanto, com o resto do corpo e com o cérebro.

A maioria desses colares é elétrico. Ou seja, eles enviam uma corrente elétrica através do pescoço – e, portanto, dos principais nervos do corpo – cada vez que detectam uma vibração no pescoço. Os fabricantes afirmam que é uma voltagem muito baixa: mas para que a punição seja eficaz, ela deve ser prejudicial, por menor que seja.

Coleira antilatido

Qualquer tensão ou dor na garganta tem consequências para o resto do corpo, já que tudo isso é distribuído através da medula espinhal: choques elétricos causam contrações de músculos, contraturas, problemas neurais, palpitações cardíacas… altera o funcionamento normal do sistema linfático, do sistema circulatório e pode, até mesmo, afetar o metabolismo, uma vez que está em contato direto com a tireoide.

Coleiras que emitem ultrassom afetam a orelha e podem causar o aparecimento de zumbido, que é uma condição muito difícil de diagnosticar em animais. Eles afetam o equilíbrio e a orientação, além de causar dor física e um profundo desconforto.

Os aparelhos que pulverizam o aerossol o fazem diretamente nas narinas dos cães. O olfato é o sentido mais importante nesses animais, e a aplicação de produtos tão agressivos quanto a citronela poderá causar perda de sensibilidade ou prejudicar as glândulas odoríferas. Eles causam dor, incapacidade de se comunicar através do olfato, coceira e podem danificar as membranas mucosas (secar ou causar excesso de muco).

Alterar o olfato de um cachorro é o maior malefício que se pode causar a ele: esta é a maneira que ele tem de conhecer o mundo e de interagir com outros cães. O olfato é essencial para o seu bem-estar físico e mental.

Tem sido demonstrado que o uso desses dispositivos causa estresse de maneira contínua em cães: com o estresse, os níveis de cortisol no sangue aumentam. O cortisol provoca mau humor, incapacidade de relaxar, irritabilidade, problemas digestivos (vômitos ou diarreia sem causa aparente) e, entre outras coisas, um estado emocional mais elevado, levando a um pior autocontrole e, portanto, pior comportamento

Consequências psicológicas do uso de uma coleira antilatidos

Estes colares não só têm consequências físicas, mas também psicológicas. O uso de punição continuada em cães não apenas não funciona, como também agrava seus problemas comportamentais originais.

As coleiras antilatidos, elétricas ou de qualquer outro tipo, emitem um estímulo desagradável quando o cão usa a gargantaO cão não sabe de onde vem o estímulo negativo: está em seu pescoço e ele não pode ver.

Cão latindo

Além disso, isso pode ser ativado por mais motivos do que o latir: latir que não soa, bufar, resmungo ou um erro ao acionar o comando também torna o dispositivo ativo. Desta forma, o cão não pode prever o estímulo negativo e, também, não sabe o que o causa.

Tudo isso se traduz em medos, insegurança e estresse. Cães estressados ​​têm um comportamento pior do que cães descontraídos, então a coleira está apenas piorando o problema original ou criando problemas. A insegurança cria cães com respostas imprevisíveis e desconhecidas.

O medo em cães é a principal causa de agressão e, portanto, de ataques e mordidasDiante de um estímulo desagradável que pode ser evitado, os cães preferem fugir. No entanto, porque eles não sabem o que está causando a dor e o desconforto, eles só podem enfrentar o que encontram para tentar eliminar isso.

Os danos psicológicos causados ​​pelo uso de coleiras elétricas, como insegurança, medo, agressividade, além de todos os maus comportamentos que ele aprende enquanto seu treinamento dura, podem ser irreversíveis ou ter um tratamento muito caro e difícil. Ele poderá vir a sofrer sequelas pela vida.

Então, quando usar uma coleira antilatidos?

Apesar de todas as características tecnológicas oferecidas pelos fabricantes, como diferença de potência, impermeabilidade, distância do controle… Nenhuma das coleiras antilatidos é capaz de fazer com que o cão saiba o porquê de ele estar sendo punido.

Cão descansando

Existem muitos tipos diferentes de latidos. Alguns são aprendidos. Ensinamos aos cães que, ao fazê-lo, recebem uma recompensa, mas outros são emocionais – pelo estresse, pela dor, pela alegria – que não são voluntários e, portanto, não são feitos propositadamente pelo cão.

No primeiro caso, uma coleira antilatidos não funcionaria, porque se a causa não for conhecida não poderemos deixar de oferecer ao cão sua recompensa. Ele pode latir para conseguir comida, se irritar com o cão da varanda em frente ou simplesmente para chamar nossa atenção.

No segundo caso, a coleira também não funcionaria, porque o cão não consegue parar de latir: apenas mudar a emoção eliminaria seu comportamento. Os comportamentos emocionais são involuntários, da mesma forma que, se os humanos começarem a chorar, por mais que nos castiguem, não conseguiremos parar. Nós só paramos de chorar quando nosso estado emocional muda. Com o cão ocorre o mesmo: ele só irá parar de latir quando seu estado emocional mudar.

A única maneira de controlar o latido de um cachorro é descobrir a raiz e eliminar sua motivação. Uma coleira antilatidos não é projetado para atender a essa finalidade, portanto, elas nunca são uma solução para esse problema. Além disso, seu uso pode trazer consequências que afetarão o cão pelo resto de sua vida.