4 mitos sobre os bigodes dos gatos

Os bigodes dos gatos são muito importantes em seu dia a dia, pois os ajudam a enxergar, se localizar, caçar e até expressar o seu humor.
4 mitos sobre os bigodes dos gatos

Última atualização: 16 Maio, 2021

Assim como se diz que os gatos pretos dão azar, que o ronronar indica que eles estão felizes ou que eles deveriam beber leite de vaca, também existem vários mitos em torno dos bigodes dos gatos.

Os bigodes dos gatos estão profundamente enraizados na pele, cercados por nervos, células sensoriais e músculos, conectados aos sistemas locomotor e nervoso. Dessa forma, eles enviam mensagens sensoriais ao cérebro, funcionando como exploradores incansáveis. Aqui você vai aprender 4 mitos sobre essas estruturas.

1. Eles servem apenas para que os gatos se localizem

Os bigodes dos gatos são muito sensíveis a vibrações e mudanças no ambiente e, por isso, são de fundamental importância para sua orientação espacial junto com o resto dos sentidos, segundo a etóloga Rosana Álvarez. Portanto, eles não servem apenas para localização.

Os bigodes também são chamados de vibrissas, porque através deles os gatos percebem o ar e os objetos próximos. Dessa forma, segundo o jornal El Comercio, os felinos podem detectar o tamanho e a localização dos elementos ao seu redor.

Além disso, essas estruturas ajudam os gatos com a visão de perto e a visão noturna, a andar em linha reta, calcular as distâncias quando pulam e distinguir o tamanho e a localização de suas presas.

De qualquer forma, os bigodes não são usados apenas para medir a largura dos locais por onde o gato circula ou a proximidade de objetos. Além de todas essas funções, também ajudam a determinar o humor do animal.

Se o gato estiver relaxado, seus bigodes ficarão ligeiramente para o lado. Se ele estiver feliz ou curioso, seus bigodes estarão estendidos. À medida que o animal se interessa mais por alguma coisa, essas estruturas se estendem até ficar à frente do focinho. E, se ele estiver com medo ou irritado e doente, seus bigodes ficarão para trás.

 

Ser o melhor amigo do seu gato não é difícil.

2. Os bigodes estão apenas no rosto

Bigodes são pelos táteis multifuncionais — mais grossos e mais longos do que todos os pelos do gato — localizados nos olhos, nas orelhas, na mandíbula e nas patas dianteiras. São pelos sensoriais muito sensíveis que cumprem a função de um radar bem útil. Portanto, não são apenas estruturas faciais.

3. Os bigodes dos gatos podem ser cortados

Imagine que você é um felino e que todas essas características mencionadas acima deixam de existir em sua vida. Os bigodes dos gatos são essenciais para o seu dia a dia, para sua localização e seu conforto em um ambiente. Por essas razões, nunca corte nem puxe os bigodes de um gato, pois os animais podem ficar desorientados e assustados sem esse refinado radar.

Além disso, essas estruturas têm muitas terminações nervosas e, se você cortá-las, o gato sentirá dor. Por outro lado, se por algum motivo o animal perder os bigodes, eles voltarão a crescer em um ou dois meses, se o bulbo piloso ainda estiver saudável.

4. O gato perde o equilíbrio sem os bigodes

Como mencionado anteriormente, os gatos usam seus bigodes como sensores ou radares, mas não para se equilibrar. O equilíbrio no gato é um circuito sofisticado formado pelo sistema muscular, tátil e visual.

Se o felino perder os bigodes, ele teria que contar muito mais com esses outros sentidos para explorar o território ou enxergar de perto e à noite, assim como para caçar e expressar suas emoções. No entanto, isso não significa que ele perderá sua capacidade de se mover e se equilibrar completamente.

 

Os bigodes dos gatos são essenciais.

Como você viu, os bigodes dos gatos são necessários. E, como tutor, você levar muitas características desse elemento em consideração. Assim, você cuidará melhor do seu felino e evitará situações que o incomodem ou prejudiquem.

Pode interessar a você...
6 animais com supersentidos
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
6 animais com supersentidos

Existem muitos animais com supersentidos, ou seja, que ultrapassam o ser humano em muitas ordens em algumas de suas capacidades de percepção.