Que tipos de câncer um cão pode detectar?

Os cães não deixam de nos surpreender. Esses animais têm demonstrado serem os melhores amigos que o homem pode ter. Além de servir como companhia, está provada sua capacidade para auxiliar em várias ocasiões, como na identificação de bombas, drogas e pessoas desaparecidas. E agora, também, de cânceres.

No âmbito pedagógico, demonstram ser excelentes assistentes de aula com crianças, ajudando em tarefas como melhora da leitura. A nível terapêutico, seu trabalho com crianças com Síndrome de Down ou autismo também é excepcional.

A ajuda contra o câncer

No campo da saúde, se treinados adequadamente, têm se convertido no melhor alerta para pessoas com epilepsia ou diabetes. E também são muito eficientes como detectores de câncer.

São vários os cães que têm ajudado seus donos na descoberta de vários tipos de câncer.

Sem dúvida, o que tem engrandecido ainda mais a “lenda médica” dos cachorros, é também sua capacidade comprovada para detectar a presença de vários tipos de câncer no corpo humano.

O primeiro caso documentado ocorreu no Reino Unido, no final dos anos 80. Uma senhora foi ao médico após notar a obsessão que seu Borden Collie misturado com Doberman Pinscher tinha com uma verruga que apareceu em uma de suas pernas. A marca, que havia sido avaliada por um dermatologista e considerada inicialmente como benigna, terminaria sendo um melanoma em fase inicial. Caso não houvesse sido descoberta nesse determinado momento, teria sido potencialmente fatal.

Como fazem isso

A resposta para a pergunta de como os cães conseguem detectar a presença de câncer e de tumores malignos no corpo das pessoas está em seu focinho. Ali estão localizados 300 milhões de receptores olfativos.

Treinados para esse fim, podem identificar variações imperceptíveis para o nariz humano (que conta apenas com 5 milhões de receptores olfativos). E fazem isso com uma precisão que equivale a uma gota de sangue em duas piscinas olímpicas.

Inclusive são capazes de notar a presença da doença quando se encontra na etapa “zero”. Esse é o momento em que nenhum dos métodos tradicionais são capazes de localizá-la.

O que detectam são Compostos Orgânicos Voláteis (COV). Ou seja, pequenas partículas produzidas pelos corpos malignos que se espalham por todo o organismo.

Tipos de câncer que eles podem detectar

  • Próstata: o câncer mais frequente em homens, com 21,3% de todos os casos. É percebido pelos cães através da urina com uma precisão entre 93% e 95%. No Reino Unido, a Fundação Medical Detection Dogs usa esses animais para identificar os “falsos positivos” que só aparecem no exame tradicional utilizado para o diagnóstico dessa doença.
  • Ovários: detectado em sua fase inicial, o índice de sobrevivência a esse câncer é de 90%. A principal dificuldade é que mais de 60% dos casos são diagnosticados quando já se encontra muito avançado e espalhado. Um dos fatores que dificulta sua rápida identificação é que todos os seus sintomas estão associados a outras condições, como constipação ou inflamação. Entretanto, por meio da urina, os cães alertam sobre a formação de um tumor incipiente.
  • Pulmões: sentindo o hálito e a respiração, o índice de sucesso de muitos cães treinados para “cheirar” o câncer de pulmão chega a 100%.
  • Pele: mencionamos que o primeiro “caso oficial” a respeito da capacidade dos cães de identificar essa terrível doença foi com um melanoma em fase inicial. Nesse caso, os animais são treinados para sentir o odor emitido diretamente do corpo de cada um dos pacientes.
  • Cólon, rins e intestinos: com uma eficiência que supera os 98%. A presença de tumores nesses três órgãos é detectada a partir da respiração ou das fezes das pessoas doentes.

Também há estudos que sustentam a eficiência de cães treinados para identificar câncer de mama e na bexiga.

Treinamento

Raças como labradores possuem vocação natural para caçar e detectar odores, e são os mais utilizados. Mas os especialistas afirmam que qualquer cachorro pode ser treinado para indicar a presença da doença.

De acordo com o órgão afetado, o aroma das partículas voláteis geradas é único. Por isso, os cães recebem adestramento específico. Da mesma forma que, quando são treinados para trabalhos de segurança, é utilizado o reforço positivo (prêmios) para formar esses agentes de saúde.