Ração seca para cães: 4 razões para evitá-la

dezembro 8, 2019
Quão prejudicial é a ração seca para cães?

A alimentação e o uso da ração seca para cães apresentaram mudanças no século passado devido a vários motivos. Primeiramente, antes da Segunda Guerra Mundial, as rações para cães que eram comercializadas eram vendidas em potes de vidro ou de metal.

No entanto, quando esse momento histórico chegou, ambas as matérias-primas passaram a ser destinadas à criação de armas. Por isso, a produção de ração enlatada para cães diminuiu, sendo então substituída por rações extrusadas.

Essas rações eram de péssima qualidade, pois os seus ingredientes provinham de restos de animais impróprios para o consumo humano.

Por outro lado, somente nas grandes cidades ou em regiões pecuaristas era possível encontrar a ração para cães. Nas áreas rurais, os cães eram alimentados com os restos de comida dos humanos.

Isso permaneceu dessa forma até a chegada dos anos 80 e 90. Naquela época, a posse de cães e gatos como animais de estimação aumentou. As demandas e necessidades dos seus donos forçaram a indústria de alimentos para animais de estimação a melhorar.

Ração seca para cães: algumas são melhores do que outras

Não queremos dizer que a ração seca para cães seja a pior maneira de alimentar nossos animais. No entanto, é fato que existem rações com qualidade inferior e rações superiores.

Ração seca para cães

Uma boa ração geralmente tem um preço mais alto, embora nem sempre ser mais cara signifique que ela seja a melhor. Isso ocorre porque existem marcas bem estabelecidas no mercado cuja qualidade é duvidosa, mas que gastam milhões de reais em publicidade.

Alta concentração de cereais

O cachorro é um animal carnívoro. Isso significa que a sua principal fonte de energia é a carne. No entanto, devido à sua evolução e ao processo de domesticação, os cães também são capazes de tolerar outras fontes alimentares.

Geralmente, as rações contêm altas concentrações de trigo, milho ou soja como fonte de proteína. Às vezes, esses ingredientes podem ser os mais abundantes, pois diminuem os custos e enganam o consumidor.

Assim, alguém pode pensar que está alimentando o seu animal de estimação corretamente, porque na parte principal da embalagem vê o termo ‘com frango fresco’. No entanto, a quantidade de frango e derivados é mínima.

Essa grande quantidade de cereais pode aumentar o risco de o animal de estimação sofrer uma dilatação gástrica, entre outras doenças.

A extrusão afeta os nutrientes

As rações comerciais, com a finalidade de manter os alimentos em condições adequadas e prolongar a sua vida útil, são extrusadas. Durante esse processo, os alimentos são comprimidos e desidratados através de mudanças de pressão e temperatura.

Esse processo afeta, em maior ou menor grau, os diferentes nutrientes que a ração seca para cães contém. Às vezes, a ração deve conter aditivos que permitam a correta absorção dos nutrientes pelo cachorro.

Além disso, elas podem conter uma concentração mais alta de certos oligoelementos, pois muitos deles são perdidos durante o processo de extrusão.

Tudo isso faz com que as rações para cães sejam, no final das contas, um alimento ultraprocessado. Podemos encontrá-las com uma melhor ou pior qualidade, mas nunca poderemos compará-las a uma dieta equilibrada baseada em alimentos frescos e de verdade.

Saúde bucal e a ração seca para cães

Recentemente, foi demonstrado que uma dieta baseada exclusivamente em ração seca pode afetar a saúde bucal do cachorro de forma negativa.

Ao contrário do que se pensava, o uso de rações não diminui o acúmulo de tártaro nos dentes do cachorro. A única maneira natural de remover a placa dentária é através do uso de ossos crus.

Cachorro comendo frango

De acordo com vários estudos, oferecer ossos bovinos crus ao seu animal de estimação uma vez a cada duas semanas, durante cerca de 10 minutos, já é suficiente para diminuir a placa dentária.

  • H. de Animales, (2010). Guías para la evaluación nutricional de perros y gatos de la Asociación Americana Hospitalaria de Animales (AAHA). J Am Anim Hosp Assoc46(4).
  • Gaviria Arango, J. (2016). Alimentación general y especializada para mascotas en una empresa productora de alimentos balanceados para animales (Doctoral dissertation, Corporación Universitaria Lasallista).
  • Logan, E. I., Finney, O., & Hefferren, J. J. (2002). Effects of a dental food on plaque accumulation and gingival health in dogs. Journal of veterinary dentistry, 19(1), 15-18.
  • Marx, F. R., Machado, G. S., Pezzali, J. G., Marcolla, C. S., Kessler, A. M., Ahlstrøm, Ø., & Trevizan, L. (2016). Raw beef bones as chewing items to reduce dental calculus in Beagle dogs. Australian veterinary journal, 94(1-2), 18-23.
  • Raghavan, M., Glickman, N. W., & Glickman, L. T. (2006). The effect of ingredients in dry dog foods on the risk of gastric dilatation-volvulus in dogs. Journal of the American Animal Hospital Association, 42(1), 28-36.
  • Tran, Q. D., Hendriks, W. H., & van der Poel, A. F. (2008). Effects of extrusion processing on nutrients in dry pet food. Journal of the Science of Food and Agriculture, 88(9), 1487-1493.