Raças extintas de cães que você precisa conhecer

outubro 17, 2019
Enquanto alguns remontam à Grécia antiga, outros desapareceram no século XIX

Atualmente o número de raças extintas de cães é desconhecido. Devido ao seu desuso como animais de trabalho e à introdução de outras raças exóticas, elas acabaram caindo no esquecimento. No entanto, a documentação e a ciência nos permitem conhecê-las.

Ao longo da história, o ser humano tem sido um dos principais responsáveis ​​pela sobrevivência de animais selvagens e domésticos. Neste último caso, a evolução do trabalho e o surgimento do conceito de animal de estimação foram fundamentais.

A esse fato se acrescenta a introdução de espécies exóticas que, além de competir por recursos, disseminam doenças desconhecidas para animais endêmicos.

Hoje, a mudança climática é um perigo adicional para milhões de espécies, o que poderia aumentar, entre outras coisas, a lista de raças extintas de cães. Vamos apresentar algumas das mais importantes abaixo:

Raças extintas de cães da antiguidade

  • Molossus. É considerado o antecessor dos mastins. Pode-se dizer que é um dos mais antigos, e está presente nos registros de Virgílio e Aristóteles. No entanto, historiadores e outros especialistas diferem em sua possível utilidade para os seres humanos, sendo relacionados à defesa e à caça.
Raças extintas de cães da antiguidade

  • Cão sem pelo africano. Esta raça foi caracterizada pela ausência de pelos e alta temperatura corporal, fato que justificou seu uso como ‘cobertor’. Acreditava-se que ele possuía propriedades curativas, e hoje ele está ligado a outras raças de cães sem pelo. Uma das evidências de sua existência está no Museu de História Natural de Tring, na Inglaterra.

Extinções caninas modernas

  • Kuri. Com uma aparência semelhante à da raposa e um focinho com uma dentição poderosa, é uma das mais modernas raças de cães extintos. Sua presença na Nova Zelândia remonta ao século XVIII, com a chegada de colonos às ilhas em grandes canoas. No entanto, em meados do século XIX, ele foi incapaz de sobreviver à miscigenação com cães europeus.
  • Talbot. Os registros históricos do século XVII o consideravam o ancestral do beagle e do cão-de-santo-humberto. Sua importância era tanta que algumas pousadas e bares ingleses mantêm a imagem dessa raça em seus prédios.
Extinções caninas modernas

  • Paisley Terrier. Seu nome é devido ao seu local de origem, Paisley, localizado na Escócia. Com pelos longos e sedosos, ele se tornou um dos cães de exibição mais populares do século XVIII.  Posteriormente, seu uso para a criação do atual yorkshire terrier foi o motivo do seu desaparecimento, pois a nova raça ganhou maior apelo entre os habitantes locais.
  • Turnspit dog (cão virador de espeto). Esta raça exerceu uma das tarefas mais peculiares da história doméstica dos cães. Sua constituição longa e de pernas curtas, semelhante à do dachshund atual, permitia que ele corresse em uma roda que girava um espeto para fazer assados em uma espécie de lareira. O avanço da energia subsequente tornou obsoleta a sua missão principal, o que levou à sua extinção.

A diversidade de raças extintas de cães é grande, tanto em sua distribuição geográfica quanto em seu curso temporal. Portanto, cuidar do meio ambiente atual e respeitar a flora e a fauna em que os animais estão inseridos é o dever essencial de todo ser humano.

  • DogTime. Ten notable extinct dog breeds. (S.f). Recuperado de https://dogtime.com/dog-health/general/20288-10-extinct-dog-breeds
  • Wilson, K. (2015). BarkPost. 15 Extinct Dog Breeds You’ve Probably Never Heard Of. Recuperado de https://barkpost.com/discover/15-extinct-dog-breeds/