Raposa do ártico: um animal social e territorial

abril 18, 2019
A raposa ártica ou polar é um canídeo de tamanho pequeno, conhecido por sua pele branca e rabo grande, o que a ajuda a se manter quente no inverno rigoroso.

Também conhecida como raposa polar, trata-se de um pequeno mamífero da família dos canídeos que vive no ponto mais setentrional do nosso planeta. Neste artigo, vamos contar tudo sobre a raposa do ártico.

Distribuição e habitat da raposa do ártico

A raposa do ártico está presente no habitat chamado tundra, norte da América, Europa e Ásia. Geralmente está presente na Groenlândia, na Islândia (de onde é nativa), no Alasca, no Canadá e no Mar de Bering.

Prefere áreas de gelo (tem sido vista perto do Polo Norte), embora também possa escolher florestas boreais até 3000 metros acima do nível do mar.

Características físicas da raposa ártica

Uma das principais características físicas da raposa ártica é o seu pelo branco, que pode variar de cor dependendo da época do ano, para se tornar mais cinza ou marrom no verão. Quando as temperaturas aumentam, os pelos ficam mais curtos.

Durante o inverno, sua espessa camada de pelos permite que ela sobreviva nas temperaturas mais baixas – de até -50 °C – e se misture com o ambiente nevado e cercado por gelo. Outra das adaptações que sofreu durante sua evolução é que as almofadas das patas estão cobertas de pele.

Comportamento da raposa do ártico

Seu rabo longo permite que ela se enrole para dormir e que a temperatura do corpo não caia. Suas orelhas são pequenas para manter ainda mais o calor, e essa é talvez a razão pela qual sua audição é menos desenvolvida que a dos cães e de outras raposas, embora possa detectar o movimento de presas até vários centímetros abaixo da neve.

Este canídeo é pequeno em tamanho, não tem mais do que 55 centímetros de comprimento e pesa, em média, quatro quilos. As fêmeas são um pouco mais leves do que os machos.

Reprodução e comportamento

O mês do acasalamento é março, porque a partir desse momento há mais roedores ou aves marinhas – dependendo de onde estão – para elas se alimentarem. As fêmeas dão à luz uma média de 14 filhotes em maio. Mais tarde, durante o verão, tanto o macho quanto a fêmea são responsáveis ​​por criar e cuidar dos mais jovens.

A taxa de mortalidade dos filhotes é muito alta devido às condições climáticas; eles precisam ficar “presos” à mãe para se aquecer e, além disso, estão muito vulneráveis ​​aos ataques de animais maiores.

Raposa do ártico

Durante a fase de criação dos filhotes, toda a família vive em cavernas elevadas, formadas por uma complexa rede de túneis que podem ter um quilômetro quadrado e com várias entradas que se voltam para o sol.

Em termos de alimentação, suas principais presas são os lêmingues, embora comam também pequenas aves e mamíferos, ovos e até filhotes de focas. Elas também podem comer a carniça deixada por ursos polares e, se não encontrarem carne, ingerem algas e frutas silvestres.

Vida social da raposa do ártico

A raposa do ártico permanece ativa durante todo o ano – não hiberna ou migra durante o inverno – e pode passar por cima de blocos de gelo em busca de alimentos. Seus predadores naturais são a coruja nevada e o lobo.

As raposas polares são bastante sociais e não gastam tempo ou energia isolando-se ou caminhando com seus parceiros, como acontece com outros canídeos. Além disso, elas têm a peculiaridade de se adaptar facilmente à presença do homem e não são tímidas, o que facilitou sua caça por anos.

Embora hoje isso tenha caído muito, ainda  muitos “especialistas” em fazer casacos com a pele deste belo animal. Atualmente, está em um estado de menor preocupação na lista de conservação da IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza).

  • Norén, K., Carmichael, L., Dalén, L., Hersteinsson, P., Samelius, G., Fuglei, E., … Angerbjörn, A. (2011). Arctic fox Vulpes lagopus population structure: Circumpolar patterns and processes. Oikos. https://doi.org/10.1111/j.1600-0706.2010.18766.x