Reprodução em laboratório para salvar espécies ameaçadas

janeiro 19, 2020
Os embriões de laboratório podem garantir a continuidade das espécies ameaçadas, como o rinoceronte branco do norte.

Os avanços da ciência podem nos oferecer a possibilidade de salvar diversas espécies ameaçadas de extinção. A criação de embriões de laboratório, graças à técnica de fertilização in vitro, pode ser a principal demonstração de que a tecnologia e a natureza podem ser grandes aliadas. 

O caso emblemático dos três últimos espécimes de rinoceronte branco do norte

Em meados de 2015, o trabalho de um grupo de pesquisadores que analisou a viabilidade da fertilização in vitro para salvar o rinoceronte branco da extinção foi notícia em todo o mundo. Nesse momento, havia apenas três espécimes registrados no planeta, que habitavam o parque Ol Pejeta, no Quênia.

A população de rinocerontes brancos sofreu um declínio radical e rápido como resultado da caça. Além disso, a espécie registra uma taxa de natalidade muito precária, mesmo em seu estado natural. Portanto, as tentativas de gerar filhotes em cativeiro através da reprodução sexual não foram bem-sucedidas.

Voltando ao caso dos rinocerontes no Quênia, não houve gestações até 2015, após seis anos de permanência no parque. O número nulo de gestações levou os especialistas a investigar as possibilidades de reprodução dos três últimos exemplares.

Por que optar pela reprodução em laboratório para salvar o rinoceronte branco?

Os resultados dos exames reprodutivos não foram muito animadores. Foi confirmado que nenhuma das fêmeas poderia se reproduzir naturalmente. Além disso, Sudan, o único macho sobrevivente, também mostrou problemas em seu esperma.

Najin, a fêmea mais velha, não suportava ser montada porque tinha pernas frontais extremamente fracas. Fatu, filha de Najin e a fêmea mais jovem, sofreu uma degeneração progressiva no útero que a impediu de engravidar.

Rinoceronte branco

A inviabilidade de uma reprodução por meios naturais fez com que especialistas dedicados a salvar as espécies passassem a considerar técnicas de reprodução assistida. Ou seja, a possibilidade de gerar embriões de laboratório por fertilização in vitro.

O que é a fertilização in vitro?

A fertilização in vitro (FIV) é uma técnica de reprodução assistida amplamente utilizada em casos de infertilidade. Em termos simples, consiste em combinar os gametas sexuais do homem e da mulher fora do corpo da mãe, em um ambiente de laboratório controlado.

Profissionais devidamente treinados combinam os oócitos das fêmeas com os espermatozoides dos machos, a fim de produzir artificialmente uma fertilização. O processo é realizado em meio aquoso ou líquido, com as condições ideais para a fertilização dos gametas.

Este processo não é simples e requer um controle hormonal prévio e rigoroso do processo ovulatório feminino. Somente dessa maneira é possível identificar o momento ideal para remover os oócitos dos ovários, antes que eles sejam liberados no útero.

Os oócitos são células germinativas femininas que, após um processo de maturação, dão origem ao óvulo. Ou seja, um oócito é basicamente um precursor de um óvulo maduro. Quando extraídos antes da maturação, aumentam as possibilidades de produção da fertilização em ambiente controlado.

Geralmente, o oócito fertilizado é implantado no útero materno para continuar a gravidez até o parto. Este costuma ser o processo usual.

Rinoceronte branco ameaçado

Como foi possível realizar a fertilização in vitro nos rinocerontes brancos?

Pesquisadores dedicados a salvar essa espécie tiveram que enfrentar outro desafio. Sudan, o único macho sobrevivente, morreu em maio de 2018 aos 45 anos. Felizmente, eles congelaram várias amostras de esperma retiradas de Sudan e de outros machos falecidos.

Adaptando a técnica clássica de fertilização in vitro usada em cavalos, os especialistas obtiveram os primeiros embriões híbridos de laboratório dos rinocerontes brancos. No entanto, eles usaram oócitos coletados de rinocerontes brancos do sul do sexo feminino, que têm cerca de 20.000 espécimes em todo o mundo.

Eles também conseguiram isolar linhas de células-tronco com características idênticas às células-tronco embrionárias, a partir de blastocistos (embriões pré-implementação) de rinocerontes do sul.

O momento atual da reprodução em laboratório para salvar espécies ameaçadas

Atualmente, os cientistas se dedicam a otimizar a coleta e o congelamento dos oócitos das duas últimas fêmeas do rinoceronte branco do norte. A esperança é conseguir fertilizar seus oócitos in vitro com o esperma dos machos já extintos.

A possibilidade de usar fêmeas de rinoceronte branco do sul como mães de aluguel também está sendo estudada. Após a obtenção dos embriões de laboratório, eles precisarão de uma fêmea com um útero capaz de gerar com sucesso uma gravidez para dar à luz filhotes saudáveis.

A fertilização in vitro pode ser, aparentemente, a salvação para o rinoceronte branco do norte e, no futuro, para várias outras espécies ameaçadas de extinção.