As rotas migratórias das baleias são as mesmas há 270.000 anos

junho 16, 2019
Estudar as rotas migratórias dos cetáceos é complicado, especialmente quando voltamos milhares de anos no tempo. No entanto, isso é possível graças a alguns pequenos moluscos.

As baleias, assim como outros animais, costumam usar as mesmas rotas migratórias ano após ano. Entretanto, é difícil saber se sempre foi assim, já que na época atual vemos como os animais podem modificar essas rotas.

No entanto, um estudo mostrou que as baleias vêm seguindo as mesmas rotas migratórias há quase 300 mil anos.

Os cirrípedes: um GPS fossilizado

Esses enormes cetáceos carregam em seus corpos, em muitas ocasiões, alguns moluscos conhecidos como cirrípedes. Eles vivem sempre presos às baleias e podem ser fossilizados assim como outros animais.

Dessa forma, através do estudo desses fósseis, pesquisadores da Universidade da Califórnia rastrearam baleias que morreram há milênios.

Como isso é possível? Os cirrípedes crescem próximos às baleias e capturam carbonato de cálcio para o corpo. Portanto, são bons indicadores das condições das águas em que são encontrados. Assim, o crescimento desses moluscos dá pistas sobre onde as baleias que os transportavam se moviam.

Os cirrípedes obtêm um habitat seguro graças às baleias. Além disso, têm nas baleias um transporte para áreas com mais nutrientes na água e mais possibilidades de reprodução e disseminação.

Baleia nadando

Além disso, é relativamente fácil para os pesquisadores associarem um fóssil de cirrípede a uma determinada espécie de baleia, já que espécies específicas de moluscos aderem a espécies específicas de baleias.

Dessa forma, foi possível reconstruir as antigas rotas migratórias de duas espécies de cetáceos conhecidos: as baleias jubarte e as baleias cinzentas.

Com isso, conseguiram mostrar que algumas populações de jubartes estão há 270.000 anos migrando para os mesmos pontos das costas do Panamá. Isso é especialmente interessante para entender como os grandes cetáceos podem se adaptar a eventos como o aquecimento global.

As rotas migratórias das baleias jubarte

A equipe encarregada deste estudo, liderada por Larry Taylor, vinha estudando as contribuições que esses moluscos poderiam dar para estudar as migrações de baleias.

Na verdade, já foi provado que os cirrípedes que hoje aderem às baleias podem ser usados ​​para estudar o ambiente para onde elas migraram durante o ano. Agora, foi feito algo muito semelhante, mas voltando centenas de milhares de anos.

Rotas migratórias das baleias

As jubartes são baleias que podem exceder 36 toneladas de peso e atingir 16 metros de comprimento. Dessa forma, elas são uma das maiores baleias comuns.

É um animal muito ágil que dá saltos poderosos que atingem a água. Além disso, os machos emitem um canto de quase 20 minutos cuja utilidade é um mistério.

Essa espécie faz uma rota migratória de cerca de 25.000 quilômetros todos os anos. Elas vivem durante o verão em águas polares da Antártida, onde se alimentam. Mais tarde, esses cetáceos migram para zonas tropicais e subtropicais para se reproduzirem.

Assim, todos os anos, essas baleias aparecem na Costa Rica e no Panamá, tanto no hemisfério norte quanto no hemisfério sul.

Elas também migram para outras águas e, curiosamente, estamos vendo que estão migrando cada vez mais para o Mar Mediterrâneo e o Mar Báltico. Isso ocorre provavelmente devido à recuperação de suas populações após a lei de proibição da caça às baleias.

Trueman, C. N., & Glew, K. S. J. (2019). Isotopic tracking of marine animal movement. In Tracking Animal Migration with Stable Isotopes (pp. 137-172). Academic Press.